Há dados sobre a covid-19 em Portugal que se mantêm “escondidos” (até do olhar dos cientistas)

Tiago Petinga / Pool / Lusa

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) disponibiliza diariamente dados sobre a evolução da covid-19 em Portugal, mas há muitos indicadores que não são públicos – e nem sequer cientistas que querem analisar as informações de uma perspectiva académica, conseguem aceder-lhes.

Mesmo dados que não colocam em causa a privacidade dos pacientes com covid-19 não são divulgados publicamente, conforme apontam especialistas ouvidos pelo Expresso.

Entre os dados que não se conhecem estão o número de testes por região, o tipo de laboratório (privado ou público) onde foram feitos, a taxa de isolamento dos casos positivos, a evolução dos surtos activos ou o tipo de contágio mais habitual. Nem tão pouco é pública a evolução da taxa de ocupação dos hospitais, nem do peso das comorbidades entre os infectados e entre os mortos.

Conhecer alguns destes indicadores ajudaria a caracterizar de forma mais precisa a evolução da epidemia em Portugal.

A evolução semanal do R, indicador sobre o número médio de pessoas que cada infectado contagia, só é pública desde há um mês, podendo ser consultada no site do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

E há até cientistas que pretendem aceder a dados para fins académicos e de estudo que não o conseguem fazer, como destaca ao Expresso o director da Escola de Medicina da Universidade do Minho, Nuno Sousa, que desde Março tenta, sem sucesso, obter informação.

Estamos nisto desde o início de Março. Se era possível entender que em Março fosse impossível ter esses dados todos disponíveis, é difícil perceber como é que chegamos ao fim de Junho sem ter acesso a dados muito simples e que podiam ser altamente informativos”, destaca Nuno Sousa.

A tomada de decisão baseia-se nesta informação. E sabemos agora que os dados têm de ser trabalhados à escala regional. É preciso ter essa lente mais afinada”, constata ainda.

Notas que surgem numa altura em que a resposta à pandemia em Lisboa, onde se concentra agora o maior número de novos infectados, tem sido contestada.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. O PR disse: “Não vamos mentir” e assim não é preciso. Embora que os Espanhões mentiram muito bem e não são excluídos do turismo como é Portugal Honestinho

  2. Há quem diga o nº diário de infectados e mortos, já chegou a ser mais do dobro daquilo que diariamente informam. A DGS e os políticos que nos comandam, são uns contorcionistas mentirosos. Até o das beijocas e selfies. Não podemos confiar nestas seitas.

  3. Há também o “lado oposto” de ver a situação…
    É que, ao que parece, nunca mais ninguém morreu de outra causa, ou seja, só vê COVID, só se fala de COVID e só se morre de COVID…
    Que o “bicharoco” é perigoso, é (pelo menos até haver antídoto, tanto em medicação como em vacina)… mas também é verdade que a esmagadora maioria das mortes “por COVID” está associada a outras patologias das quais as pessoas (que morreram) já padeciam… e foi, sobretudo, por causa dessas patologias (e de um quadro clínico mais ou menos complicado) que morreram…

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …