Enquanto o mundo lutava contra uma pandemia, a Guiné declarava o fim do segundo surto do Ébola

4

EU Humanitarian Aid and Civil Protection / Flickr

No passado sábado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou o fim do segundo surto de Ébola na Guiné-Conacri, que vitimou mortalmente 12 pessoas.

“Tenho a honra de declarar o fim do Ébola na Guiné”, disse o funcionário da OMS Alfred Ki-Zerbo numa cerimónia na região sudeste de Nzerekore, onde a doença surgiu no final de janeiro.

De acordo com as regras internacionais, a Guiné-Conacri tinha de esperar 42 dias (o dobro do período de incubação do vírus) sem um novo caso antes de declarar o fim da epidemia. A espera acabou na passada sexta-feira, semanas depois de a última pessoa ter sido declarada recuperada, no dia 8 de maio.

O ministro da Saúde, Remy Lamah, também declarou o fim do surto “em nome do chefe de estado”, o Presidente Alpha Conde.

O Science Alert escreve que, durante o surto da última década, a relutância e a hostilidade em relação às medidas de controlo da infeção levaram algumas pessoas no sudeste da Guiné a atacar, e até matar, funcionários do Governo.

Desta vez, “o comprometimento da população, as medidas de saúde pública e o uso equitativo de vacinas” foram fundamentais para ultrapassar este capítulo negro, realçou Tedros Adhanom Ghebreyesus, da OMS, em comunicado.

Apesar de o Ébola ter sido vencido, é importante manter a vigilância. “Devemos ficar alertas para um possível ressurgimento e garantir que a experiência se expande a outras ameaças à saúde, como a covid-19″, disse o diretor da OMS para a África, Matshidiso Moeti.

Em comunicado, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos informaram que o sequenciamento genético mostrou ligações entre o surto anterior e a última epidemia.

O surto deste ano pode ter sido causado por uma “infeção persistente num sobrevivente do surto da África Ocidental”, disse o CDC, sublinhando “a necessidade de programas de sobreviventes fortes e contínuos”, bem como de mais investigações.

  ZAP //

4 Comments

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE