Guimarães 3-3 Benfica | Festival de erros e golos adia decisão na Taça da Liga

Vitória de Guimarães e Benfica empataram hoje 3-3, em jogo intenso e repleto de erros, referente à segunda jornada do grupo A da Taça da Liga de futebol, que adia as decisões para a última jornada.

As ‘águias’ castigaram os desequilíbrios defensivos dos vimaranenses com dois golos nos primeiros 15 minutos e estiveram depois a vencer por 3-1, antes da reação vimaranense, traduzida pelos golos de Oscar Estupiñán, aos 45+2 minutos, e de Bruno Duarte, aos 83, para ‘selar’ o resultado final.

Líder do grupo, com quatro pontos em dois jogos, a equipa minhota espera agora pelo resultado da última jornada, entre Benfica e Sporting da Covilhã, agendado para 15 de dezembro, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Os ‘encarnados’ necessitam de vencer os beirões por dois golos de diferença ou mais para atingirem o primeiro lugar e apurarem-se para a ‘final four’ da competição, em Leiria, enquanto os vimaranenses precisam que o Benfica não vença, ou, em caso de triufo, este seja por menos de dois golos de diferença.

A perda de bola de Sacko que originou o primeiro remate perigoso do encontro, saído do pé esquerdo de Nemanja Radonjic, decorridos 55 segundos de jogo, foi o prenúncio de uma primeira parte repleta de erros defensivos, sobretudo do lado vimaranense, que se traduziram em cinco golos até ao intervalo.

Perante uma defesa adversária instável no posicionamento, e nas abordagens aos lances, as ‘águias’ demoraram sete minutos a adiantarem-se no ‘marcador’, com o contributo decisivo de Alfa Semedo: na sequência de um canto de Pizzi e de um ligeiro desvio de Gonçalo Ramos, o médio defensivo cabeceou para o fundo das próprias redes.

A equipa treinada por Jorge Jesus aproveitou a passividade vitoriana nos momentos sem bola para dilatar o resultado perto do quarto de hora, numa jogada em que Meite superou a pressão de três adversários para lançar a combinação decisiva entre Everton e Pizzi, que finalizou com um remate cruzado, a resvalar ainda em Bruno Varela.

Depois de substituir o lesionado Taarabt, ao minuto nove, João Mário isolou-se aos 20, após abordagens desastradas de Alfa Semedo e de Borevkovic, mas desperdiçou o terceiro golo ‘encarnado’, instantes antes da equipa anfitriã dar um ‘pontapé’ no desnorte com o golo de André André.

O médio bateu Helton Leite à segunda tentativa, após lance de Marcus Edwards e de Rochinha, e ‘despertou’ o Vitória para um ascendente que durou sete minutos, antes de Radonjic aproveitar nova transição ‘rápida’ para fazer o 3-1, com um trabalho individual sobre Borevkovic antes de um remate bem colocado, indefensável para Bruno Varela.

O tento ‘arrefeceu’ a reação vitoriana, que, apesar da ‘desinspiração’ no derradeiro quarto de hora da primeira metade, teve ainda tempo para marcar de novo, por Oscar Estupiñán, que se impôs entre Lucas Veríssimo e Morato para cabecear para o fundo das redes aos 45+2, em resposta a cruzamento de Sacko.

O jogo continuou ‘frenético’ na segunda parte, com os vimaranenses a adiantarem-se no terreno para irem em busca do triunfo que lhes valeria no imediato o acesso à ‘final four’ da Taça da Liga, mas nem sempre com discernimento, nem qualidade, como se viu em muitos dos cruzamentos anulados pela defesa ‘encarnada’.

Perante um Benfica que perdeu gradualmente o meio-campo e desaproveitou vários contra-ataques, com tomadas de decisão erradas, a equipa treinada por Pepa apresentou elevado volume ofensivo, mas só esteve realmente perto do empate num remate à trave de Quaresma, aos 72 minutos, antes de marcar mesmo, por Bruno Duarte, aos 83, num lance de insistência ofensiva.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

No último esforço para chegarem ao triunfo, os vimaranenses ameaçaram o 4-3 num remate de Bruno Duarte por cima, aos 90+1 minutos, com o Benfica a ‘pecar’ na definição das últimas transições de que dispôs.

ZAP // Futebol 365 / Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.