A guerra contra o plástico está a distrair-nos da poluição invisível

O atual foco na poluição de plástico está a fazer com que as pessoas descurem o tipo de poluição que não é possível ver, alerta uma equipa de investigadores.

O plástico é um material incrivelmente útil e versátil do qual depende grande parte da sociedade moderna, mas tornou-se uma das questões ambientais mais atuais. Nos últimos anos, a poluição de plástico estimulou a ação de indivíduos, organizações e governos em níveis semelhantes a algumas das maiores ameaças ao meio ambiente, como as alterações climáticas e a perda de biodiversidade.

Essa preocupação é bem fundamentada. A poluição de plástico pode enredar a vida selvagem, pode ser ingerida e bloquear estômagos e intestinos e pode conter produtos químicos prejudiciais. O plástico pode partir-se em pequenos pedaços, eventualmente em microplásticos que podem acumular-se na cadeia alimentar. Também foi encontrado em algumas das partes mais remotas do mundo.

Mas, embora haja uma animosidade generalizada em relação aos plásticos, eles são um grupo de materiais sem os quais não podemos viver e sem os quais não devemos viver.

Num artigo publicado recentemente na revista científica WIREs Water, uma equipa de cientistas argumenta que os plásticos em si não são a causa do problema e que deixar de reconhecer isso pode agravar catástrofes ambientais e sociais muito maiores.

Os impactos ambientais de alguns poluentes menos visíveis são bem conhecidos. Gases com efeito estufa, como dióxido de carbono e metano, contribuem para o aquecimento global. Partículas finas na atmosfera estão associadas a doenças respiratórias e são o principal componente do smog. E a radiação do desastre nuclear de Chernobil continua a afetar a vida selvagem que assumiu a sua zona de exclusão.

Mas a sociedade polui o meio ambiente de mais maneiras do que a maioria das pessoas pensa, e tem feito isso muito antes de a preocupação com a poluição por plástico se tornar predominante. A agricultura leva ao enriquecimento excessivo de nutrientes e à poluição por pesticidas. Equipamentos eletrónicos, veículos e edifícios requerem uma grande variedade de metais tóxicos que vazam para o meio ambiente no final da suas vidas.

Essas realidades menos conhecidas do consumo diário degradam o meio ambiente e são tóxicas para a vida selvagem. Como produtos químicos, em vez de partículas como o plástico, esses poluentes também são muito mais móveis e, no caso dos metais tóxicos, mais persistentes.

A poluição de plástico fornece uma distração conveniente dessas verdades inconvenientes. Começando com a legislação política no topo, a ação de alto nível contra a poluição por plástico tem sido desproporcional ao seu impacto ambiental, alertam os cientistas.

Focar no produto – não no plástico

O plástico é apenas um tipo de material antrópico no meio ambiente. Fibras têxteis de plástico, como poliéster ou náilon, são uma forma importante de poluição, mas são as fibras naturais como a lã e o algodão que dominam recentemente as amostras ambientais. Embora biodegradáveis, quando essas fibras naturais se degradam, elas podem liberar substâncias químicas nocivas, como corantes, para o meio ambiente.

O vidro e o alumínio, às vezes promovidos como soluções para a poluição das garrafas plásticas, podem ter pegadas de carbono maiores do que os plásticos que substituem. E muitas dessas alternativas também persistirão no meio ambiente. Alguém que atira uma garrafa de plástico para o rio não muda o seu comportamento se tiver uma lata de alumínio.

O problema é o produto, não o plástico. O desejo por conveniência, as indústrias que dependem do consumo excessivo e não do consumo informado, e uma cultura de políticas voltadas para a popularidade e não para a progressão estão na raiz da conversa sobre o plástico. Mas a poluição do plástico é apenas a parte que se consegue ver.

O que fazer?

“Plástico” e “poluição de plástico” são muitas vezes confundidos. A poluição de plástico é um sintoma visível e facilmente identificável de níveis insustentáveis de consumo, design de produto inadequado, gestão de resíduos inadequada e política hipócrita.

Emissões de gases com efeito estufa, perda de biodiversidade, práticas de exploração de trabalho e poluição química não podem ser vistos tão claramente ou os seus efeitos desenvolvem-se por um longo período de tempo. Mas, uma vez que os seus impactos são visíveis, geralmente é tarde demais para os ambientes que afetam. É por isso que há uma necessidade urgente de aumentar o perfil da poluição que não pode ser vista.

A poluição de plástico mobilizou níveis sem precedentes de ação ambiental. Mas para ter sucesso, essa ação precisa focar nas verdadeiras causas, como o consumo excessivo de itens prontamente descartáveis, ao invés de simplesmente na presença de plástico no ambiente. Ele também deve fazer um trabalho melhor de enquadrar a poluição do plástico no contexto de outros poluentes mais significativos.

PARTILHAR

RESPONDER

Parque de esculturas subaquático vai ser inaugurado em Miami

Miami vai servir de casa para um novo parque de esculturas subaquático como nunca viu. O ReefLine é projetado para servir como um recife artificial e vai estar disponível a receber visitantes em dezembro de …

Da "política do filho único" a incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …

O maior elevador panorâmico do mundo tem vista para os cenários de Avatar

Com o recente lançamento de fotografias subaquáticas dos bastidores do Avatar 2 e a notícia de que Avatar 3 está quase a terminar as filmagens, não há melhor momento para revisitar o parque nacional que …

Pandemia tirou comida da mesa, mas deu asas a startup que transforma plástico do mar em máscaras

A startup portuguesa Skizo transformou a pandemia numa oportunidade de crescimento. Quando faltava comida nalgumas mesas, a empresa de produção de sapatilhas e bolsas passou a fazer máscaras a partir de plástico retirado dos oceanos …

Na Irlanda, o Pai Natal é considerado um "trabalhador essencial"

A Irlanda fez esta semana um anúncio especialmente dedicado às crianças, afirmando que o Pai Natal é considerado um trabalhador essencial no país e, por isso, não terá as suas deslocações restringidas no período natalício. …

Mais 2400 novos casos. Portugal ultrapassa os 300 mil desde o início da pandemia

Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 300 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia no país, em março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou mais 2.401 novos casos, tendo passado a contabilizar …

Medidas para o Natal conhecidas no sábado. Passagem de ano com todas as restrições

O primeiro-ministro, António Costa, adiantou hoje que no sábado anunciará as medidas para o Natal “com as melhores condições possíveis”, mas avisou desde já que “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. “O Governo …