A guerra contra o plástico está a distrair-nos da poluição invisível

O atual foco na poluição de plástico está a fazer com que as pessoas descurem o tipo de poluição que não é possível ver, alerta uma equipa de investigadores.

O plástico é um material incrivelmente útil e versátil do qual depende grande parte da sociedade moderna, mas tornou-se uma das questões ambientais mais atuais. Nos últimos anos, a poluição de plástico estimulou a ação de indivíduos, organizações e governos em níveis semelhantes a algumas das maiores ameaças ao meio ambiente, como as alterações climáticas e a perda de biodiversidade.

Essa preocupação é bem fundamentada. A poluição de plástico pode enredar a vida selvagem, pode ser ingerida e bloquear estômagos e intestinos e pode conter produtos químicos prejudiciais. O plástico pode partir-se em pequenos pedaços, eventualmente em microplásticos que podem acumular-se na cadeia alimentar. Também foi encontrado em algumas das partes mais remotas do mundo.

Mas, embora haja uma animosidade generalizada em relação aos plásticos, eles são um grupo de materiais sem os quais não podemos viver e sem os quais não devemos viver.

Num artigo publicado recentemente na revista científica WIREs Water, uma equipa de cientistas argumenta que os plásticos em si não são a causa do problema e que deixar de reconhecer isso pode agravar catástrofes ambientais e sociais muito maiores.

Os impactos ambientais de alguns poluentes menos visíveis são bem conhecidos. Gases com efeito estufa, como dióxido de carbono e metano, contribuem para o aquecimento global. Partículas finas na atmosfera estão associadas a doenças respiratórias e são o principal componente do smog. E a radiação do desastre nuclear de Chernobil continua a afetar a vida selvagem que assumiu a sua zona de exclusão.

Mas a sociedade polui o meio ambiente de mais maneiras do que a maioria das pessoas pensa, e tem feito isso muito antes de a preocupação com a poluição por plástico se tornar predominante. A agricultura leva ao enriquecimento excessivo de nutrientes e à poluição por pesticidas. Equipamentos eletrónicos, veículos e edifícios requerem uma grande variedade de metais tóxicos que vazam para o meio ambiente no final da suas vidas.

Essas realidades menos conhecidas do consumo diário degradam o meio ambiente e são tóxicas para a vida selvagem. Como produtos químicos, em vez de partículas como o plástico, esses poluentes também são muito mais móveis e, no caso dos metais tóxicos, mais persistentes.

A poluição de plástico fornece uma distração conveniente dessas verdades inconvenientes. Começando com a legislação política no topo, a ação de alto nível contra a poluição por plástico tem sido desproporcional ao seu impacto ambiental, alertam os cientistas.

Focar no produto – não no plástico

O plástico é apenas um tipo de material antrópico no meio ambiente. Fibras têxteis de plástico, como poliéster ou náilon, são uma forma importante de poluição, mas são as fibras naturais como a lã e o algodão que dominam recentemente as amostras ambientais. Embora biodegradáveis, quando essas fibras naturais se degradam, elas podem liberar substâncias químicas nocivas, como corantes, para o meio ambiente.

O vidro e o alumínio, às vezes promovidos como soluções para a poluição das garrafas plásticas, podem ter pegadas de carbono maiores do que os plásticos que substituem. E muitas dessas alternativas também persistirão no meio ambiente. Alguém que atira uma garrafa de plástico para o rio não muda o seu comportamento se tiver uma lata de alumínio.

O problema é o produto, não o plástico. O desejo por conveniência, as indústrias que dependem do consumo excessivo e não do consumo informado, e uma cultura de políticas voltadas para a popularidade e não para a progressão estão na raiz da conversa sobre o plástico. Mas a poluição do plástico é apenas a parte que se consegue ver.

O que fazer?

“Plástico” e “poluição de plástico” são muitas vezes confundidos. A poluição de plástico é um sintoma visível e facilmente identificável de níveis insustentáveis de consumo, design de produto inadequado, gestão de resíduos inadequada e política hipócrita.

Emissões de gases com efeito estufa, perda de biodiversidade, práticas de exploração de trabalho e poluição química não podem ser vistos tão claramente ou os seus efeitos desenvolvem-se por um longo período de tempo. Mas, uma vez que os seus impactos são visíveis, geralmente é tarde demais para os ambientes que afetam. É por isso que há uma necessidade urgente de aumentar o perfil da poluição que não pode ser vista.

A poluição de plástico mobilizou níveis sem precedentes de ação ambiental. Mas para ter sucesso, essa ação precisa focar nas verdadeiras causas, como o consumo excessivo de itens prontamente descartáveis, ao invés de simplesmente na presença de plástico no ambiente. Ele também deve fazer um trabalho melhor de enquadrar a poluição do plástico no contexto de outros poluentes mais significativos.

PARTILHAR

RESPONDER

Macacos foram geneticamente modificados com cérebros humanos (e os seus neurónios aumentaram)

Um gene humano injetado nos cérebros dos macacos não apenas os tornou maiores, mas também aumentou a função dos neurónios, tornando os primatas "mais humanos". Os cérebros dos macacos são muito menores e mais lisos do …

Académicos sul-africanos querem diminuir o brilho do Sol

Um grupo de cientistas e académicos sul-africanos considera diminuir o brilho do Sol para evitar uma seca devastadora na Cidade do Cabo, de acordo com um novo estudo científico recentemente publicado. Os especialistas pretendem lançar …

O Universo está cheio de uma substância misteriosa: chama-se quintessência

Uma equipa internacional de cientistas sugere, num novo estudo, que a expansão acelerada do Universo pode ser causada por uma substância misteriosa chamada quintessência. Os cientistas acreditam que a expansão do Universo está relacionada com a …

Entrevista: "Demorei 2 anos a aperfeiçoar o meu passe; os miúdos de Timor já jogam lindamente!"

Sara Moreira Silva é a líder da primeira escola de voleibol em Timor-Leste, que vai arrancar em janeiro de 2021. Fica aqui a perspetiva de uma portuguesa que vê muito talento entre os timorenses...que não …

O edifício mais antigo do mundo ainda em funcionamento "mora" em Roma

O Panteão de Roma, o edifício mais antigo desta cidade italiana, continua a ser utilizado nos dias de hoje, cerca de 2.000 anos depois da sua construção. Edificado em meados de 125 a.C sob a …

Da cabeça de javali à perdiz. Historiadores e chefs ensinam a cozinhar pratos medievais

Uma equipa de historiadores e grandes chefs reuniu-se para oferecer um curso online para ensinar os alunos a criar banquetes medievais. Professores da Universidade de Durham e chefs do restaurante Blackfriars criaram o Eat Medieval, que …

The Climate Store. Os preços desta loja sueca variam conforme a pegada ecológica

Os rótulos dos alimentos já indicam o quão bom ou mau um produto é para a nossa saúde, mas e o planeta? Um número crescente de marcas está agora a rotular os seus produtos para …

A cidade-irmã mais famosa de Petra abre finalmente ao público. "Esconde" túmulos amaldiçoados

A cidade de Hegra, localizada nos desertos a norte de Al Ula, no noroeste da Arábia Saudita, vai pela primeira vez abrir ao público, podendo os visitantes explorar agora este local antigo sem quaisquer restrições. …

Falha no Microsoft Excel pode ter levado a mais de 1.500 mortes no Reino Unido

Um erro no Microsoft Excel que eliminou quase 16 mil casos de covid-19 das estatísticas do Reino Unido pode ter levado a mais de 1.500 mortes evitáveis, de acordo com um artigo da Warwick University. Os …

Pessoas com bons hábitos de sono têm menor risco de insuficiência cardíaca

Os padrões de sono saudáveis ​​incluem acordar de manhã cedo, dormir 7 a 8 horas por noite e não ter insónias ou sonolência diurna excessiva. Esta pode ser a receita secreta para evitar insuficiência cardíaca, …