Guantánamo é a prisão mais cara do mundo: 13 milhões de dólares por prisioneiro

Guantánamo é a prisão mais cara do mundo. Para manter as instalações a funcionar, cada prisioneiro custa 13 milhões de dólares ao Estado norte-americano.

A prisão de segurança máxima de ADX Florence, em Colorado, nos Estados Unidos, detém alguns dos prisioneiros mais perigosos do país. Em 2012, cada prisioneiro custava cerca de 78 mil dólares por ano. Ao olhar para a Prisão de Guantánamo, os valores são estrondosamente mais elevados. O custo com cada um dos 40 prisioneiros é de 13 milhões de dólares.

As contas feitas pelo The New York Times relatam de um gasto superior a 540 milhões de dólares no ano passado com salários dos soldados, manter o tribunal de guerra e fazer manutenção e construções necessárias. A Prisão de Guantánamo é muitas vezes denunciada por alegados maus-tratos e tortura aos seus prisioneiros — alguns dos quais são acusados de serem os orquestradores do 11 de setembro.

Isolada dos Estados Unidos, no sul de Cuba, a Baía de Guantánamo conta com 1.800 soldados, ou seja, 45 por cada prisioneiro.

O próprio presidente norte-americano, Donald Trump, já reagiu à notícia, admitindo mesmo que “é de loucos” que se gastem 13 milhões por prisioneiro em Guantánamo. “Eu acho isso de loucos. Custa uma fortuna para operar”, disse.

Sem chegar a admitir encerrar a prisão, diz que iria procurar por alternativas. Pelo contrário, durante a sua campanha em 2016, prometeu manter a prisão aberta e até mandar para lá mais terroristas. “Olhe, o presidente Obama disse que a Baía de Guantánamo seria fechada e nunca o fez”, atirou.

Os membros da direção têm a sua própria capela e cinema, duas salas de jantar e uma equipa de saúde mental. Já os prisioneiros têm acesso a refeições, acesso a canais de notícias e desporto por satélite, equipamento de ginásio e consolas de jogos. Os mais bem comportados têm direito a refeições conjuntas e podem rezar em grupos. Alguns deles, de acordo com o NY Times, até podem participar em aulas de arte e horticultura.

Um relatório do Departamento da Defesa norte-americano de 2013 calculou um gasto de 454,1 milhões de dólares — menos 90 milhões do que em 2018. Na altura havia 166 prisioneiros em Guantánamo, fazendo com o que o custo por prisioneiro fosse de “apenas” 2,7 milhões de dólares.

“Acho que não há necessidade ter instalações incrivelmente caras nas residências de Guantánamo… são 40 pessoas”, afirmou o democrata Adam Smith, defensor de longa data do encerramento das instalações. “Então, em última análise, acho que eles devem ser transferidos para cá [Estados Unidos]”.

Para além dos guardas prisionais, Guantánamo tem uma unidade da guarda costeira e engenheiros da Força Aérea, médicos da Marinha, enfermeiros, técnicos psicólogos, advogados, padres, bibliotecários e jornalistas militares.

E não ficam por aqui. Há ainda linguistas do Departamento de Defesa, analistas de inteligência, consultores, profissionais de tecnologia da informação e outros funcionários do Governo. Em 2014, eram cerca de 300 funcionários na Baía de Guantánamo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …