Guaidó questiona novo diálogo com o regime e alerta que crise se intensificará

Rayner Peña / EPA

Juan Guaidó

O presidente da Assembleia Nacional diz que “nunca houve diálogo” entre o Governo de Nicolás Maduro e a oposição porque ao regime “não lhe interessava solucionar”.

O líder político opositor Juan Guaidó questionou esta segunda-feira a decisão de vários pequenos partidos opositores de criarem uma nova plataforma de diálogo com o regime, porque intensificará a crise no país e repete manobras governamentais do passado. “Já o regime tentou, antes, este tipo de manobras, que levarão a uma maior crise, a um isolamento internacional. Não há confiança no regime.”

Durante uma conferência de imprensa em Caracas, o presidente da Assembleia Nacional (parlamento) afirmou que “nunca houve diálogo” entre o Governo do Presidente Nicolás Maduro e a oposição porque ao regime “não lhe interessava solucionar”.

“Já o regime tentou este tipo de manobras. Aconteceu a 20 de maio de 2018 e sabemos quais as consequências de querer negar uma solução real ao conflito. Pôr paninhos de água quente a uma emergência humanitária complexa que evolui a uma catástrofe humanitária seria irresponsável e implica um delito que lesa a humanidade”, afirmou.

Por outro lado, explicou que o Governo abandonou a mesa de diálogo em Barbados, sob o auspício da Noruega, porque a oposição propôs “um conselho de governo” para ir a uma “etapa democrática” com “garantias para todos os sectores”.

Para Júlio Borges, do partido opositor Primeiro Justiça e representante de Juan Guaidó para assuntos externos, o acordo assinado não aporta soluções à crise venezuelana. “A União Soviética e Cuba, também fabricaram uma oposição à medida e esta cumplicidade terminou sempre num grande fracasso”, escreveu no Twitter.

Segundo Maria Corina Machado, líder do partido Vem Venezuela, os partidos que assinaram o acordo não representam verdadeiramente a oposição. “É o regime a dialogar com o regime, isso não é a oposição venezuelana. Isso não é uma nação em rebeldia e todos sabemos isso. Os venezuelanos sabem e o também os seus aliados”, disse aos jornalistas.

Maria Corina Machado insistiu que a oposição se enfrenta a um regime “criminoso” e que “custou muito para que o país e o mundo entendesse que estão desmembrando a Venezuela”.

Esta segunda-feira, o Governo do Presidente Nicolás Maduro e quatro pequenos partidos opositores (Avançada Progressista, Soluções para a Venezuela, Movimento Ao Socialismo e Cambiemos), chegaram a um acordo para instalar uma nova mesa de diálogo.

O acordo foi assinado em Caracas, na Casa Amarilla (Ministério de Relações Exteriores) e prevê que os deputados do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), regressem à Assembleia Nacional (parlamento, onde a oposição detém a maioria), acusada de desacato pelo regime. Também que seja conformado um novo Conselho Nacional Eleitoral, que sejam dadas garantias aos processos eleitorais e que alguns presos políticos se beneficiem com medidas alternativas à prisão.

Por outro lado, vão ser defendidos os “direitos legítimos” da Venezuela sobre o território Esequibo, em disputa com a vizinha Guiana e que sejam condenadas as sanções económicas contra a Venezuela.

O acordo prevê ainda que a Venezuela ative um programa de intercâmbio por alimentos e medicamentos, em concordância com os mecanismos técnicos existentes na ONU.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas produziram um processador quântico em larga escala feito apenas de luz

Uma equipa internacional de cientistas da Austrália, Japão e Estados Unidos produziu um protótipo de um processador quântico em larga escala feito apenas de luz laser. O mais recente processador quântico é baseado num projeto com …

FIFA investe 449 milhões de euros para desenvolver o futebol feminino

A FIFA anunciou que vai investir 500 milhões de dólares no desenvolvimento do futebol feminino. Em cima da mesa está uma Liga das Nações, um mundial de clubes e torneios para camadas jovens. A FIFA vai …

Escritor famoso escreve livro para ser lido apenas em 2114

O famoso escritor norueguês Karl Ove Knausgaard, autor de romances como A Morte do Pai e a Ilha da Infância, onde explora a sua história pessoal e o seu dia a dia, aceitou escrever um …

PS deverá aprovar recandidatura de Ferro à presidência da Assembleia da República

O Grupo Parlamentar do PS vai reunir-se na quinta-feira, com a presença do secretário-geral, António Costa, ocasião em que deverá aprovar a recandidatura de Ferro Rodrigues ao cargo de presidente da Assembleia da República. Fonte oficial …

Perito revela que arma que investigação diz que matou Luís Grilo foi adulterada

O perito que examinou a arma que, segundo o Ministério Público, António Joaquim usou para matar o triatleta Luís Grilo revelou hoje em tribunal que o revólver foi adulterado, não conseguindo garantir se essa foi …

Cientistas criam vasos sanguíneos artificiais funcionais

Cientistas nos Estados Unidos usaram impressão 3D para fabricar vasos sanguíneos funcionais que poderão vir a ser usados clinicamente em casos de doenças vasculares. O resultado das experiências é relatado num estudo publicado esta terça-feira no …

Ordem suspende durante seis meses obstetra do caso do bebé sem rosto

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos decidiu suspender preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu em Setúbal com malformações graves. A informação foi avançada à Lusa por fonte oficial da …

A China está a criar porcos gigantes (tão grandes como ursos polares)

https://vimeo.com/368036025 Porcos tão pesados como ursos polares. Esta é a solução encontrada por produtores chineses de porcos que tentam resolver o problema da falta de carne no mercado, muito por culpa da gripe suína africana dizimou …

Rússia e Síria vão partilhar controlo do nordeste sírio

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse hoje que a Turquia e a Rússia alcançaram um acordo pelo qual as forças curdas da Síria vão recuar 30 quilómetros a partir da zona fronteiriça do nordeste …

Câmara dos Comuns aprova acordo do Brexit (mas rejeita calendário apertado)

A Câmara dos Comuns aprovou esta terça-feira a primeira votação do acordo para o Brexit. No entanto, a calendarização da saída foi rejeitada numa segunda votação, deixando um impasse na data para o Brexit. Pela primeira …