Tsipras enfrenta a primeira greve geral contra a sua austeridade

Alexandros Vlachos / EPA

Euclid Tsakalotos, ministro das Finanças da Grécia, com Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego

Euclid Tsakalotos, ministro das Finanças da Grécia, com Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego

A Grécia enfrenta esta quinta-feira a sua primeira greve geral sob o Governo de esquerda de Alexis Tsipras, convocada pelos principais sindicatos do país contra as medidas de austeridade do terceiro resgate.

A greve afeta, como é habitual na Grécia, principalmente os serviços públicos, com uma paragem de 24 horas do metro e de comboios, serviços mínimos na saúde e com os barcos a ficarem nos portos, enquanto o comércio deverá, na sua maioria, abrir normalmente.

Nos aeroportos haverá um tráfego normal dos voos internacionais mas vários cancelamentos nos domésticos, devido à adesão à greve do sindicato do pessoal da aviação civil e da companhia aérea Olympic Airways, que apenas opera na Grécia.

Tanto os hospitais como as farmácias também funcionarão com serviços mínimos.

Também os meios de comunicação se juntaram ao protesto e está previsto que apenas trabalhem jornalistas, fotógrafos e técnicos que façam a cobertura da greve.

Paradoxalmente, a comissão laboral do partido governamental Syriza juntou-se ao apelo à greve convocada pelos sindicatos dos setores público e privado.

Os sindicalistas do Syriza apelaram “aos trabalhadores, aos desempregados, aos pensionistas, aos jovens e às mulheres para que participem ativamente na greve geral de 24 horas”.

O deputado do Syriza Tasos Kurakis assinalou que a participação maciça na greve fortalece a posição negociadora do Governo face aos credores internacionais.

O sindicato que representa o setor privado denunciou que as reformas decididas entre o Governo e os credores preveem a liberalização do mercado laboral, o aumento da idade de reforma, a redução das pensões e o aumento dos impostos, medidas que “diminuem o nível de vida da sociedade grega”.

Já o sindicato do setor público classificou a greve geral como “a primeira etapa de uma luta” que procura “impedir que a segurança social seja completamente desmantelada e reivindicar um sistema que amplie os direitos e garanta as prestações”.

Para os sindicatos gregos, o Governo não está a respeitar os seus compromissos eleitorais e adota “políticas de austeridade punitivas”.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Se bem entendo o senhor Tsipras continua a pretender jogar em dois campos com o seu sorriso angélico à socapa lá vai mandando dar carga sobre os camaradas dos sindicatos mas isto é apenas o principio do fim porque quando o apertar do cinto for a valer os confrontos vão ser mais a sério e então aí os gregos vão saber mesmo que não deverão mais confiar em feiticeiros.

  2. Tsypras enfrenta a primeira greve geral contra a “SUA” austeridade?! A “SUA”!? O jornalista acha mesmo que esta austeridade é do Tsypras? Que não é a austeridade que a Europa, através de chantagens e pressões vergonhosas impôs aos gregos?Se o jornalista não está ao corrente disto, deve então ser um extraterrestre que não estava neste planeta no ano que antecedeu esta greve.

Responder a xone Cancelar resposta

Turismos de Portugal e Espanha querem "confinar" população na Península Ibérica. Fronteiras só abrem em julho

Os Turismos de Portugal e Espanha estão a preparar campanhas de promoção para captar os 55 milhões de habitantes dos dois país durante o verão. De acordo com o semanário Expresso, Portugal e Espanha preparam-se para …

Autocarro do Benfica apedrejado. Casas de jogadores vandalizadas com ameaças

O autocarro benfiquista foi apedrejado após o jogo com o Tondela. Além disso, a casa de alguns jogadores foram grafitadas com ameaças, nomeadamente a de Pizzi. O autocarro do Benfica foi atacado após o empate frente …

Rio só está à espera de Marcelo. E não se compromete com o Orçamento

O presidente do PSD deu uma entrevista à TSF, na qual afirmou que só está à espera que Marcelo Rebelo de Sousa avance para anunciar o apoio do partido à sua recandidatura. Em entrevista à TSF, …

Contrariando as autoridades, Hong Kong assinala aniversário de Tiananmen. "Podem reprimir as nossas atividades mas não o nosso espírito"

Evocando razões de saúde pública devido à pandemia, as autoridades de Hong Kong proibiram a vigília de quinta-feira que visava assinalar o 31.º aniversário do massacre de Tiananmen. As aglomerações com mais de oito pessoas …

Governo pondera criar nova contribuição sobre a banca para financiar Segurança Social

O Governo de António Costa está a estudar a criação de uma contribuição adicional de solideriedade sobre o setor bancário para ajudar a financiar a Segurança Social e fazer face aos custos de resposta à …

Arqueólogos encontram rara ferramenta de caça com 300 mil anos

Arqueólogos encontraram uma ferramenta de madeira utilizada na caça há 300 mil anos. É muito raro encontrar artefactos paleolíticos feitos de madeira, realça o autor do estudo. Uma equipa de investigadores da Universidade de Tübingen e …

Twitter não descarta suspender conta de Donald Trump

Um alto responsável da plataforma digital Twitter não excluiu a suspensão da conta da Donald Trump caso o Presidente norte-americano prossiga a publicação de mensagens incendiárias que transgridam as regras daquela rede social. Com 81,7 milhões …

Patrões agradados com o plano do Governo. PSD diz que "é muito fraco"

Enquanto patrões e sindicalistas ficaram bastante satisfeitos com o Programa de Estabilização Económica e Social apresentado pelo Governo, o PSD deixou duras críticas. Esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, onde foi aprovado o plano …

Na resposta a uma crise, ligações humanas podem piorar ainda mais as coisas

Um novo estudo sugere que a conexão humana nem sempre é uma coisa boa, sobretudo quando se trata de ultrapassar uma crise com sucesso. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 2480 voluntários …

Brasil ultrapassa Itália e torna-se no terceiro país com mais mortes

O país sul-americano, que tem uma população estimada em 210 milhões de habitantes, contabiliza 34.021 vítimas mortais e 614.941 casos confirmados. O Brasil ultrapassou a Itália e tornou-se no terceiro país do mundo com mais mortes …