Grande Colisionador de Hadrões em paragem técnica até 2021

Ars Electronica Festival / Flickr

O actual acelerador de partículas com 27km de circunferência

O maior acelerador de partículas do mundo, localizado na fronteira franco-suíça, entrou esta terça-feira numa nova paragem técnica que se prolongará até à primavera de 2021, altura em voltará a colidir protões após trabalhos de beneficiação, foi anunciado.

O Grande Colisionador de Hadrões foi desligado às 06:00 em Genebra (05:00 em Lisboa), com os operadores da sala de controlo do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) a darem “por concluído” o segundo período (2015-2018) de funcionamento da máquina, informou em comunicado o Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP), que representa cientificamente Portugal no CERN.

Durante a paragem técnica do Grande Colisionador de Hadrões (Large Hadron Collider, LHC), os cientistas portugueses “estarão ocupados com a análise da enorme quantidade de dados recolhidos e nos melhoramentos nos detetores de que são responsáveis”, adianta o LIP. Equipas de investigadores portugueses participam em duas experiências envolvendo dois detetores de partículas do acelerador (ATLAS e CMS).

Concluído o upgrade do acelerador, que inclui a instalação de componentes mais potentes, a máquina ficará apta a colidir mais partículas subatómicas, a uma energia ligeiramente superior à atual, esperando os físicos aprofundar o conhecimento das propriedades do bosão de Higgs, partícula elementar celebrizada como a “Partícula de Deus” e descoberta em 2012 em experiências feitas com o acelerador.

Ao mesmo tempo que decorre a nova paragem técnica, continuam as obras de construção civil iniciadas em junho e que visam melhorar o desempenho do acelerador a partir de 2026, altura em que a máquina começará a produzir ainda mais colisões e mais dados, em modo de alta de luminosidade.

No acelerador, um túnel circular de 27 quilómetros, são geradas colisões de protões (que são hadrões) e iões pesados a altas energias para se compreender melhor a composição do Universo.

A máquina, que fez 10 anos em setembro, tem uma ‘esperança de vida’ até 2040. Em 2025, decisões terão de ser tomadas quanto à construção de um novo acelerador de partículas, para o qual foram desenhadas duas soluções.

Uma sugere um acelerador circular de 100 quilómetros (mais 73 quilómetros do que o perímetro do LHC) que poderá fazer colisões de protões a uma energia oito vezes mais elevada do que a do LHC e entre eletrões e positrões (antipartículas dos eletrões).

O segundo cenário aponta para a construção de um acelerador retilíneo com o comprimento inicial de 11 quilómetros (podendo chegar no final aos 50 quilómetros) para colidir eletrões e positrões.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O armazenamento de energia "sem massa" está a chegar

Uma equipa de cientistas da Chalmers University of Technology, na Suécia, produziu uma bateria estrutural com um desempenho dez vezes melhor do que todas as versões anteriores. A descoberta abre caminho ao armazenamento de energia …

Ataque terrorista a cidade na Nigéria atinge organizações humanitárias e instalações da ONU

Jihadistas alegadamente ligados ao Estado Islâmico atacaram este sábado as instalações de várias organizações humanitárias e das Nações Unidas na cidade nigeriana de Damasak, e ainda estão no local, afirmaram fontes das organizações não-governamentais (ONG). O …

Os humanos foram "superpredadores" durante dois milhões de anos

Uma nova investigação revelou que os humanos foram um predador de ponta durante cerca de dois milhões de anos. Só a extinção da megafauna e o declínio das fontes de alimentos de origem animal no …

Paços de Ferreira 0-5 Benfica | Seferovic “parte tudo” na Capital do Móvel

Na noite deste sábado, o Benfica somou o sétimo triunfo consecutivo no campeonato, ao golear o Paços de Ferreira por 5-0, num embate relativo à 26.ª jornada do campeonato. A equipa de Jorge Jesus, que acabou …

Após terramotos e deslizamentos, a "cidade moribunda" de Itália ainda resiste no topo de uma montanha

Chamar-se a si mesmo de "Cidade Moribunda" pode não parecer a melhor forma de atrair turistas, mas Civita, em Itália, aprendeu a viver com o facto de estar a morrer. Há vários séculos, a cidade …

"Alexa, estou com calor." Já é possível controlar o ar condicionado de um Lamborghini apenas com a voz

A Amazon está a dar um grande passo na indústria automóvel ao integrar a Alexa no Huracán EVO da Lamborghini, não apenas para fazer perguntas, mas dando ao assistente virtual a capacidade de controlar as …

Nova tecnologia pode enviar luz solar para o subsolo

Investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, na Singapura, inventaram um novo dispositivo que pode ajudar o país a iluminar a sua crescente infraestrutura subterrânea. A Singapura é um dos países que tem apostado cada vez mais …

Livro lança "caça ao tesouro" a urna de ouro oferecida por Inglaterra a França antes da Entente Cordiale

Um novo enigma literário está prestes a chegar às estantes de livros com uma recompensa incomum. Pistas em "The Golden Treasure of the Entente Cordiale" podem levar leitores no Reino Unido e França a um …

Para evitar casos de burnout, LinkedIn deu uma semana de férias aos quase 16 mil funcionários

O LinkedIn decidiu dar uma semana de férias (remunerada), que começou esta segunda-feira, a todos os seus funcionários espalhados pelo mundo. O objetivo? Desconectar, recarregar baterias e prevenir casos de burnout.  "Queríamos ter a certeza de …

Pequenos nadadores-robô curam-se a si próprios (e em movimento)

Uma equipa de investigadores da American Chemical Society desenvolveu pequenos robôs nadadores que conseguem curar-se a si mesmos magneticamente. O tecido vivo pode curar-se autonomamente de muitos ferimentos, mas fornecer habilidades semelhantes a sistemas artificiais, como …