Governo tem de esclarecer perdas dos bancos com Novo Banco

O FMI admite que o Novo Banco prejudique o défice de 2014, caso o valor da venda fique abaixo do montante injetado pelo Fundo de Resolução, apelando para que as autoridades clarifiquem a forma como eventuais perdas serão reportadas.

No relatório sobre a segunda missão de monitorização pós-programa divulgado esta quinta-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) admite que a venda do Novo Banco “deverá levar vários meses” e que o momento em que ocorrer “terá implicações na execução orçamental referente a 2014, que será revista para refletir o impacto orçamental da recapitalização pública do banco”.

Nesse sentido, o FMI destaca que “as autoridades ainda não especificaram os detalhes da alocação de perdas, caso o valor de venda não cubra totalmente o empréstimo do Fundo de Resolução”, que está dentro do perímetro das Administrações Públicas.

A instituição liderada por Christine Lagarde junta-se assim ao gabinete europeu de estatística, o Eurostat, e a outras entidades que analisam as contas nacionais, como a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que consideram provável que a injeção de 4.900 milhões de euros pelo Fundo de Resolução no Novo Banco (que ocorreu em agosto de 2014) agrave o défice do ano passado, embora salvaguardem que só será possível concluir o impacto desta operação depois da venda da instituição financeira.

Ainda no setor financeiro, o FMI considera que a fraca rentabilidade é o principal desafio da banca e defende que os bancos “precisam de fortalecer as suas posições de capital para absorver eventuais perdas”, tendo em conta o peso dos empréstimos de cobrança duvidosa.

Nesse sentido, escreve o Fundo, “as autoridades deveriam reduzir a incerteza” no setor, clarificando a forma como vão ser alocadas as eventuais perdas decorrentes da venda do Novo Banco, uma vez que a banca privada também contribuiu para a recapitalização da instituição.

O Novo Banco recebeu uma injeção de 4.900 milhões de euros por parte do Fundo de Resolução bancário, gerido pelo Banco de Portugal e que detém 100% do capital do Novo Banco. Deste montante, 3.900 milhões resultam de um empréstimo remunerado feito pelo Estado e o restante resulta de um empréstimo, também remunerado, feito por vários bancos a operar em Portugal e de capitais do próprio Fundo de Resolução.

Por outro lado, o FMI defende também que é necessária “uma abordagem mais forte” para resolver o sobre-endividamento das empresas, considerando que “a dívida no setor empresarial deixa os recursos económicos excessivamente ligados às empresas pouco produtivas e com baixa viabilidade, restringindo o acesso ao crédito a empresas produtivas e com perspetivas de crescimento”.

As autoridades deveriam ser “proativas”, defende o Fundo, “colocando em prática uma abordagem coletiva para reestruturar as dívidas das empresas viáveis e avançar com a liquidação daquelas que já não o são“.

Na resposta ao Fundo, o Governo considera que os bancos estão a melhorar os seus níveis de rentabilidade e discorda da instituição, afirmando que o excessivo endividamento das empresas privadas não é “um grande constrangimento ao crescimento económico no médio prazo” e preferindo uma resolução do problema “mais gradual”.

Sobre o Novo Banco, o FMI não faz qualquer referência a eventuais respostas do Governo.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Até as estrelas têm auroras (e já as podemos ver)

Uma equipa internacional de astrónomos observou sinais de rádio estranhos vindos de uma anã vermelha. Estas ondas bizarras estavam a ser produzidas pela interação com um exoplaneta que orbitava a estrela, criando uma aurora. Apesar de …

Tiroteios em dois bares fazem oito mortos na Alemanha

Pelo menos oito pessoas morreram hoje em dois tiroteios em dois bares na cidade alemã de Hanau, no centro do país, indicou a polícia local, sem precisar o número. O primeiro tiroteio ocorreu num bar de …

Descobertos sarcófago e altar dedicado ao fundador de Roma do século VI a.C.

Os dois objetos foram descobertos numa área subterrânea perto da Cúria, foi anunciado esta terça-feira. Um sarcófago considerado "excecional" e um altar do século VI a.C., que poderá ter sido dedicado a Rómulo, fundador de Roma, …

40 anos depois, cientistas identificam falha fundamental na eficiência dos painéis solares

Os painéis solares são uma das invenções mais impressionantes, mas é emergente descobrir como torná-los ainda mais eficientes. Recentemente, uma equipa de cientistas resolveu um mistério de 40 anos em torno de um dos principais …

SIC vai lançar serviço de streaming e canal de e-sports este ano

A SIC vai avançar para uma plataforma de streaming ainda em 2020. A "Netflix à portuguesa" ainda não tem nome, mas tem como objetivo "encontrar mais e novas audiências". Em entrevista ao jornal Público, o CEO …

Dagmar Turner tocou violino enquanto lhe era removido um tumor do cérebro

Uma paciente do King's College Hospital, no Reino Unido, tocou violino enquanto os médicos lhe removiam um tumor do cérebro. Desta forma, foi possível preservar a sua capacidade de tocar e a sua paixão de 40 …

"Não é aceitável". Tribunal de Contas refuta acusações de Manuel Heitor

O Tribunal de Contas (TdC) refutou as acusações do ministro do Ensino Superior sobre a auditoria ao modelo de financiamento do setor, considerando-as inaceitáveis e infundadas. "O tribunal tem o máximo respeito pela opinião dos auditados, …

"Lava que se farta". Isabel dos Santos recorre da absolvição de Ana Gomes

A empresária angolana recorreu para o Tribunal da Relação de Lisboa por causa das publicações no Twitter nas quais a antiga eurodeputada acusa a empresária, por exemplo, de "lavar que se farta". Em janeiro, o Tribunal …

Ministro considera "inaceitável" que TAP pague prémios em ano de prejuízos

O ministro das Infraestruturas e da Habitação considerou "inaceitável" que a TAP, empresa que "tem 100 milhões de euros de prejuízos" em 2019, atribua prémios a uma minoria de trabalhadores. "É uma falta de respeito para …

Eventos climáticos extremos podem levar os EUA a uma crise económica, revela estudo

Um relatório recentemente divulgado revela que os eventos climáticos extremos podem levar os Estados Unidos (EUA) a uma crise económica sem precedentes, com uma maior incidência no mercado da energia. "Se o mercado não fizer um …