Feitas as contas, Governo continua a reter mais IRS face a 2018 (e alívio fiscal é residual)

Sem que nada mude nas taxas do IRS, muitos contribuintes vão ter uma retenção na fonte do imposto mais baixa do que em 2018, ficando com um rendimento líquido maior todos os meses.

O Governo de António Costa sempre assumiu que faria a redução do IRS a dois tempos, mas as tabelas de 2019 trazem surpresas.

Primeiro, escreve o Público, uma confirmação: ao longo do ano passado, o fisco foi retendo todos os meses mais imposto do que reteria se Mário Centeno tivesse refletido logo aí toda a redução no desconto mensal nos salários e nas pensões. A novidade é que a estratégia se repete este ano, repartindo os efeitos a três tempos, até 2020.

O fisco vai reter menos imposto este ano, aproximando o desconto do valor real a pagar, e, agora, verifica-se pelas novas tabelas que o Governo vai continuar a reter mais do que aconteceria se repercutisse já mensalmente a restante descida prometida.

As análises das consultoras PwC e Deloitte não deixam margens para dúvidas. “Genericamente, a atualização das taxas de retenção não reflete a esperada redução decorrente da reformulação dos escalões”, observa Ana Duarte, da equipa fiscal da PwC.

Também Luís Leon, fiscalista da Deloitte, considera que “face à expetativa criada” se esperava que as novas tabelas tivessem uma redução maior, porque há impactos que continuam adiados. “O Governo mantém a estratégia global de atirar para o ano seguinte a maioria dos impactos”, afirma.

Um contribuinte solteiro que aufira 1.500 euros por mês tinha em 2017 uma taxa de retenção de 18,5%. Com a reformulação em 2018, a retenção na fonte sobre esses 1.500 euros passou a ser de 18%; em 2019, baixa para 17,8% – há uma redução de 0,2 pontos percentuais. Embora haja um alívio, “para que a totalidade da redução do IRS fosse refletida na taxa de retenção na fonte, esta deveria situar-se em aproximadamente 17,5%“, conclui a PwC.

Ao voltar a diferir os efeitos – devolvendo na primavera de 2020 o que não foi agora totalmente repercutido nas tabelas –, o Governo pode conseguir aqui aplacar algum do impacto orçamental que terá de assumir este ano com o pagamento dos reembolsos do IRS de 2018.

Para este ano antecipam-se devoluções maiores do que aconteceu no ano passado (em relação ao IRS de 2017) justamente porque as tabelas de retenção não refletiram toda a descida. Se a refletissem completamente, as simulações entre 2017 e 2018 em casos idênticos fariam com que valor do reembolso se mantivesse, o que não acontecia nas simulações feitas já há um ano.

O gabinete do ministro das Finanças referiu-se às alterações nas tabelas como “pequenos ajustes para “melhor refletir os resultados da reforma dos escalões de IRS”.

Embora publicadas a meio de janeiro, as tabelas têm efeitos retroativos ao início do mês. Assim, os rendimentos processados no decurso do mês de janeiro e cuja retenção na fonte aplicada foi a do ano passado terão de ser corrigidos até ao final de fevereiro.

As tabelas são apenas uma previsão feita em função daquilo que se prevê que a pessoa vá pagar, mas é no momento da entrega das declarações no ano seguinte que se apura o imposto final.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Sem que nada mude nas taxas do IRS, muitos contribuintes vão ter uma retenção na fonte do imposto mais baixa do que em 2018, ficando com um rendimento líquido maior todos os meses.
    ———
    Informação deficiente… alguma coisa muda !
    As taxas não mudam, mas mudam os limites de vencimento para cada taxa !
    Por exemplo, um reformado que tivesse ganho no ano anterior 1040 euros mensais, estaria sujeito a 10,80% de retenção. Este ano, ganhando o mesmo (ou até 1048€), só terá uma retenção de 9,9%, caindo no escalão anterior.

  2. Isto é mais ou menos como aquelas pomadas dos feirantes que curam tudo o comprador vai todo contente para casa e no final não curam nada!

  3. Boa noite
    Digam o que quizerem o que é certo é que ao receber a minha pensão em 08/01/2019
    recebi menos 7,03€ do que recebia em 2018,sinceramente não percebo nada disto

  4. … alguém duvida que este tipo de governação vem trazer alguma coisa de novo ao contribuinte ?
    Vivo neste país, se é que se pode chamar assim à 60 anos e nada estranhei entre os novos assalariados e os antigos. Coitado de quem é pobre e está á espera que este tipo de estado lhes restitua algum rendimento a que têm direito pois trabalharam e deve pelo poder da constituição receber o necessário para ter uma vida condigna e não de miséria como a que este tipo de estado nos têm dado. Pensem no próximo ato eleitoral.

RESPONDER

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …