Feitas as contas, Governo continua a reter mais IRS face a 2018 (e alívio fiscal é residual)

Sem que nada mude nas taxas do IRS, muitos contribuintes vão ter uma retenção na fonte do imposto mais baixa do que em 2018, ficando com um rendimento líquido maior todos os meses.

O Governo de António Costa sempre assumiu que faria a redução do IRS a dois tempos, mas as tabelas de 2019 trazem surpresas.

Primeiro, escreve o Público, uma confirmação: ao longo do ano passado, o fisco foi retendo todos os meses mais imposto do que reteria se Mário Centeno tivesse refletido logo aí toda a redução no desconto mensal nos salários e nas pensões. A novidade é que a estratégia se repete este ano, repartindo os efeitos a três tempos, até 2020.

O fisco vai reter menos imposto este ano, aproximando o desconto do valor real a pagar, e, agora, verifica-se pelas novas tabelas que o Governo vai continuar a reter mais do que aconteceria se repercutisse já mensalmente a restante descida prometida.

As análises das consultoras PwC e Deloitte não deixam margens para dúvidas. “Genericamente, a atualização das taxas de retenção não reflete a esperada redução decorrente da reformulação dos escalões”, observa Ana Duarte, da equipa fiscal da PwC.

Também Luís Leon, fiscalista da Deloitte, considera que “face à expetativa criada” se esperava que as novas tabelas tivessem uma redução maior, porque há impactos que continuam adiados. “O Governo mantém a estratégia global de atirar para o ano seguinte a maioria dos impactos”, afirma.

Um contribuinte solteiro que aufira 1.500 euros por mês tinha em 2017 uma taxa de retenção de 18,5%. Com a reformulação em 2018, a retenção na fonte sobre esses 1.500 euros passou a ser de 18%; em 2019, baixa para 17,8% – há uma redução de 0,2 pontos percentuais. Embora haja um alívio, “para que a totalidade da redução do IRS fosse refletida na taxa de retenção na fonte, esta deveria situar-se em aproximadamente 17,5%“, conclui a PwC.

Ao voltar a diferir os efeitos – devolvendo na primavera de 2020 o que não foi agora totalmente repercutido nas tabelas –, o Governo pode conseguir aqui aplacar algum do impacto orçamental que terá de assumir este ano com o pagamento dos reembolsos do IRS de 2018.

Para este ano antecipam-se devoluções maiores do que aconteceu no ano passado (em relação ao IRS de 2017) justamente porque as tabelas de retenção não refletiram toda a descida. Se a refletissem completamente, as simulações entre 2017 e 2018 em casos idênticos fariam com que valor do reembolso se mantivesse, o que não acontecia nas simulações feitas já há um ano.

O gabinete do ministro das Finanças referiu-se às alterações nas tabelas como “pequenos ajustes para “melhor refletir os resultados da reforma dos escalões de IRS”.

Embora publicadas a meio de janeiro, as tabelas têm efeitos retroativos ao início do mês. Assim, os rendimentos processados no decurso do mês de janeiro e cuja retenção na fonte aplicada foi a do ano passado terão de ser corrigidos até ao final de fevereiro.

As tabelas são apenas uma previsão feita em função daquilo que se prevê que a pessoa vá pagar, mas é no momento da entrega das declarações no ano seguinte que se apura o imposto final.

  ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Sem que nada mude nas taxas do IRS, muitos contribuintes vão ter uma retenção na fonte do imposto mais baixa do que em 2018, ficando com um rendimento líquido maior todos os meses.
    ———
    Informação deficiente… alguma coisa muda !
    As taxas não mudam, mas mudam os limites de vencimento para cada taxa !
    Por exemplo, um reformado que tivesse ganho no ano anterior 1040 euros mensais, estaria sujeito a 10,80% de retenção. Este ano, ganhando o mesmo (ou até 1048€), só terá uma retenção de 9,9%, caindo no escalão anterior.

  2. Isto é mais ou menos como aquelas pomadas dos feirantes que curam tudo o comprador vai todo contente para casa e no final não curam nada!

  3. Boa noite
    Digam o que quizerem o que é certo é que ao receber a minha pensão em 08/01/2019
    recebi menos 7,03€ do que recebia em 2018,sinceramente não percebo nada disto

  4. … alguém duvida que este tipo de governação vem trazer alguma coisa de novo ao contribuinte ?
    Vivo neste país, se é que se pode chamar assim à 60 anos e nada estranhei entre os novos assalariados e os antigos. Coitado de quem é pobre e está á espera que este tipo de estado lhes restitua algum rendimento a que têm direito pois trabalharam e deve pelo poder da constituição receber o necessário para ter uma vida condigna e não de miséria como a que este tipo de estado nos têm dado. Pensem no próximo ato eleitoral.

RESPONDER

Operadoras de TV ameaçam subir preços por causa de taxa "ilegal" no OE

A proposta de Orçamento do Estado para 2022 prevê que os operadores de serviços de televisão por assinatura passem a pagar uma taxa semestral de dois euros por subscritor, que se traduzirá numa taxa anual …

Parlamento quer estender direito ao esquecimento a doentes com diabetes, VIH e hepatite C

As propostas de alteração do PS e do PAN pretendem incluir outras doenças crónicas, para além do cancro, no chamado direito ao esquecimento. O projeto-lei do PS, aprovado na Assembleia da República em maio deste ano, …

Filipa Roseta foi chamada para a equipa de vereadores de Moedas (mas pode não renunciar ao lugar de deputada)

Carlos Moedas chamou Filipa Roseta para a sua equipa de vereadores na Câmara Municipal de Lisboa. A deputada do PSD não está a pensar renunciar ao seu lugar no Parlamento. À luz da lei, e de …

Carta de trabalhadores denuncia produtos Google e Amazon. "Negam direitos a palestinianos".

Centenas de trabalhadores das duas empresas tecnológicas assinaram uma carta em conjunto onde condenam a decisão de fornecer serviços ao governo de Israel e apelam ao apoio da comunidade internacional. Numa carta anónima publicada no jornal …

Salários entre 3500 e 6500 euros são os mais beneficiados com novos escalões do IRS

As alterações nos escalões de IRS vão beneficiar mais de um milhão e meio de famílias, segundo estimativas do Governo. Mas quem mais vai poupar são as classes média e média-alta, em especial quem ganhar …

O "toma lá, dá cá" à Esquerda promete continuar. Mas até onde está o Governo disposto a ceder para aprovar o OE?

Bloco de Esquerda e Partido Comunista anunciaram ontem, após a entrega e apresentação do Orçamento do Estado para 2022, que votarão contra a aprovação do documento caso, nas próximas semanas, não lhe sejam incorporadas alterações …

Mundial 2022: violência nas bancadas (e não só) em Inglaterra e na Albânia

Em jogos do mesmo grupo, o empate entre Inglaterra e Ucrânia e a vitória da Polónia na Albânia não tiveram acção apenas no relvado. Nove anos depois, a Inglaterra não ganhou em casa, num jogo de …

Leão diz que OE prevê uma redução de impostos (e garante que Pedro Nuno não é uma "pedra no sapato")

O ministro das Finanças esteve na TVI, esta terça-feira, tendo abordado várias questões sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), apresentado no mesmo dia aos portugueses. Inicialmente questionado sobre os impostos atualizados à …

Não foi só Cristiano: 12 números interessantes do Portugal-Luxemburgo

Goleada portuguesa contra uma selecção que tem dado trabalho aos adversários. Cristiano, Rui Patrício e João Palhinha são três dos nomes em destaque na análise ao jogo. Portugal transformou um jogo que poderia ser complicado numa …

"O luto de uma vida não cabe em 5 dias". PS quer aumentar faltas justificadas de pais que perdem filho

O PS entregou esta terça-feira no parlamento um projeto para estender o período de luto parental dos atuais cinco para 20 dias, considerando esta mudança da legislação laboral essencial perante casos em que há perda …