Governo desdobra-se em elogios ao Estado social. Oposição aponta falhas e “cifras negras”

António Cotrim / Lusa

Para Ana Mendes Godinho, a crise pandémica veio mostrar que o Estado Social é “quem responde a quem precisa, quanto mais precisa”.

No debate desta quinta-feira, no Parlamento, a líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, deu início à sessão dizendo que a covid-19 mostrou que foi a “existência de um Estado Social e não de um Estado assistencialista, que permitiu a resposta sanitária à pandemia através da mobilização do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

A ministra do Trabalho e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, sustentou a ideia com números, afirmando que, até à data, existem 1,2 milhões de trabalhadores com apoios pagos e 140 mil empresas, no montante total de 620 milhões de euros.

A governante adiantou ainda que o lay-off simplificado permitiu salvaguardar 804 mil empregos em 9.500 empresas, no valor global de 470 milhões de euros.

“Isto representou uma grande capacidade de execução, com toda a dificuldade que tivemos para implementar medidas rápidas para chegar rapidamente às pessoas e conseguirmos cumprir. Se há coisa que temos que aprender é que há momentos em que aprendemos todos e que neste momento de dificuldade vem pedir resposta ao sistema social”, argumentou a ministra, citada pelo Expresso.

Mas as críticas não tardaram. “Acabei de ouvir referenciar o sucesso do SNS, mas parece-me exagerado. Mais de 1500 camas hospitalares com pessoas com alta médica, trata-se de um preocupante aumento face a 2019. Que medidas concretas o Governo vai ter para reduzir estes internamentos sociais?”, questionou Rui Cristina, deputado do PSD.

O social-democrata criticou ainda o Governo por dar prémios aos trabalhadores da Segurança Social e não aos profissionais de Saúde, acusando-o de “continuar a injustiçar quem salva vidas a favor de quem cobra dívidas”.

Do CDS-PP, Ana Rita Bessa lembrou que, antes da pandemia, ficaram por concretizar 840 mil consultas de cuidados primários e 51 mil cirurgias. “O Governo terá muito em breve que fazer escolha – se continua a proclamar o SNS como um fim em si mesmo ou põe as pessoas acima de tudo e recorre ao SNS, mas também à capacidade do setor privado e social.”

João Cotrim de Figueiredo, do Iniciativa Liberal, também criticou os atrasos nas consultas e cirurgias no SNS e André Ventura, do Chega, contestou a tese do Governo de que o Estado Social respondeu aos cidadãos quando mais precisavam, destacando o atraso no reembolso do IRS.

Já o PAN admitiu que a pandemia mostrou a importância de um “Estado Social forte”, mas destacou as “cifras negras“, como a falta de apoios eficazes os artistas e profissionais do espetáculo e aos jovens.

O bloquista José Soeiro defendeu que não é possível para muitas famílias continuar a viver com um corte de um terço do rendimento, no âmbito do regime de lay-off, e que o subsídio desemprego deve passar a ter a “mesma duração antes do período da troika”. Por sua vez, Diana Ferreira, do PCP, lamentou que sejam os trabalhadores “a pagar a fatura”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. «O social-democrata criticou ainda o Governo por dar prémios aos trabalhadores da Segurança Social e não aos profissionais de Saúde, acusando-o de “continuar a injustiçar quem salva vidas a favor de quem cobra dívidas”.»

    Quando isto acontecer, basta recuperar tudo o que de mal estes senhores disseram e fizeram aos trabalhadores do SNS. Não é preciso procurar muito…

    Esta aparente defensa é conjuntural. Basta o vento mudar e vemos outro senhor qualquer do PSD (para não parecer muito mal) defender os trabalhadores da Segurança Social e enterrar os profissionais de Saúde.

RESPONDER

Morreu um dos jovens infetados com peste negra na Mongólia

Morreu um dos jovens infetados com peste bubónica, também conhecida como peste negra, na Mongólia. O rapaz contraiu a doença depois de ter comido carne de marmota. Um jovem de 15 anos morreu, esta segunda-feira, vítima …

PCP quer Costa no Parlamento de 15 em 15 dias (e não vai contribuir para acabar com os debates quinzenais)

O PCP não concorda que será o fim da democracia caso os debate quinzenais passem a mensais. No entanto, não vai contribuir para acabar com este modelo. Ao Expresso, o deputado comunista António Filipe Duarte garantiu …

"Espero contar tudo o que sei". Cientista chinesa fugiu da China para alertar que "não temos muito tempo"

A virologista chinesa Li-Meng Yan, que fugiu para os Estados Unidos, deu uma segunda entrevista à Fox News, na qual alertou que "não temos muito tempo".   Li-Meng Yan, especialista em virologia e imunologia, era uma …

Galp perde 60 milhões de euros em negócios não autorizados

A Galp perdeu 60 milhões de euros em negócios não autorizados com licenças de CO2. A petrolífera já avançou com ações disciplinares e uma auditoria. A Galp informou que foram identificadas transações, não autorizadas pela empresa, …

"Bandeira vermelha". Tóquio em alerta máximo após aumento de novas infeções

A capital do Japão, Tóquio, com 14 milhões de habitantes, está no nível mais alto de alerta para o novo coronavírus após um aumento dos casos registados. “Os especialistas disseram-nos que a situação das infeções está …

Operação Saco Azul. Empresas "zombie" terão desviado 1,8 milhões do Benfica

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a SAD do clube lisboeta foram constituídos arguidos pelo crime de fraude fiscal, no âmbito da operação ‘saco azul’, confirmou esta terça-feira à agência Lusa fonte oficial …

Maçãs com preços em alta, menos vinho e cerveja a estragar-se (os efeitos da pandemia)

A pandemia de covid-19 está a levar milhares de litros de cerveja a estragar-se, enquanto os produtores de vinho temem uma quebra na produção e, logo, nos lucros. Enquanto isso há menos maçãs e mais …

TAD anula sanção de cinco jogos à porta fechada ao Benfica

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) deu provimento ao recurso do Benfica e revogou a sanção de cinco jogos à porta fechada imposta pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ao clube, pelo apoio prestado a …

Costa vira à esquerda, mas Catarina Martins diz que "não pode ser só conversa"

Esta quarta-feira, António Costa lança as negociações para o Orçamento do Estado para 2021 com os partidos que, até aqui, foram seus aliados. O primeiro-ministro insiste que o caminho da sua governação passa por entendimentos à …

No novo ano letivo, a Educação Física continua a ser maior incógnita

No início de julho, o Ministério da Educação anunciou algumas orientações sobre o próximo ano letivo que não contemplavam a Educação Física e o futuro da disciplina continua a ser uma incógnita.  Nas escolas, a falta …