Os gorilas também ficam de luto quando os familiares morrem

(dr) Dian Fossey Gorilla Fund International

Um jovem gorila ao lado do corpo da mãe várias horas depois da sua morte

Gorilas mostram sinais de luto em redor de cadáveres. Quanto mais próxima é a relação social que os gorilas tinham com o morto, mais notável é a interação.

Às vezes, passam dias ao lado dele e dormem no mesmo ninho. De forma intrigante, no entanto, os gorilas também mostram um sofrimento prolongado com a morte de um estranho.

Investigadores, muitas vezes, perdem a oportunidade de ver como os gorilas se comportam em relação aos corpos dos seus entes queridos no meio selvagem, já que os membros que morrem de um grupo frequentemente se afastam para morrer em silêncio noutro lugar. Por outro lado, os habitantes dos zoológicos podem ser guias pouco confiáveis para estudar o comportamento natural.

Amy Porter, do Dian Fossey Gorilla Fund, faz parte de uma equipa que assistiu e filmou o que aconteceu quando dois gorilas no Parque Nacional dos Vulcões, em Ruanda, morreram vítimas de doença. Estes foram comparados com a descoberta de um indivíduo recentemente morto por um grupo de gorilas de Grauer no Parque Nacional Kahuzi-Biega na República Democrática do Congo.

Em cada caso, os gorilas sentaram-se com o corpo, cheiraram e tocaram-no, mas também o arranjaram e até o lamberam. Um dos gorilas mortos era um macho dominante, Titus, e o outro, uma fêmea dominante, Tuck, ambos com mais de 30 anos, uma idade razoável para os padrões dos gorilas. Ambos vieram de um grupo que investigadores observaram durante décadas e cujas relações sociais eram conhecidas.

Como esperado, Porter relata na revista PeerJ, os gorilas vivos com os laços genéticos e sociais mais próximos dos mortos passaram a maior parte do tempo com os cadáveres. O filho de Tuck “tentou mover a cabeça gentilmente com as mãos” e até tentou sugar os seus seios, apesar de já não mamar. Membros mais velhos do grupo bateram nos seus peitos, atingiram plantas e o cadáver de Tuck entre olhares para o corpo.

Os gorilas de Grauer, exceto as fêmeas adultas, mostraram um comportamento “muito semelhante” em relação a um gorila morto que encontraram. Cuidaram dele e bateram nos seus peitos em redor dele, embora fosse um desconhecido para a maioria deles.

De uma perspetiva evolutiva, o comportamento tem sérios inconvenientes. O ébola, que pode ser facilmente transmitido dos mortos para os vivos, tem sido um dos principais contribuintes para o estado criticamente ameaçado dos gorilas. A proximidade de vítimas de armadilhas também pode elevar o risco de grupos inteiros serem eliminados por caçadores ilegais.

É improvável que o comportamento tenha sobrevivido se não refletisse algo importante. Talvez, sendo criaturas sociais, um gorila tão dominado pela dor que ficará com um parente morto tenha maior probabilidade de sobreviver do que um que não ame a família ou cuide de outros membros da sua espécie.

PARTILHAR

RESPONDER

Consumo moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro

Um novo estudo sugere que até mesmo o consumo leve ou moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro. No entanto, as conclusões não são consensuais na comunidade científica. Nem só o …

Fim da guerra comercial à vista. Estados Unidos e China chegam a acordo

Falta apenas a assinatura do presidente dos Estados Unidos para que o entendimento possa pôr um ponto final na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. De acordo com a Bloomberg, os negociadores …

Recuperados seis dos oito corpos das vítimas de erupção de vulcão na Nova Zelândia

Uma equipa militar neozelandesa recuperou esta sexta-feira seis dos oito corpos dos turistas que permaneciam desaparecidos após a erupção, na segunda-feira, do vulcão Whakaari, numa ilha desabitada da Nova Zelândia. A operação, que envolveu oito membros …

Plantas também "gritam" quando estão sob stress

À semelhança do que acontece com o Homem, algumas plantas também podem "gritar" quando enfrentam situações de stress, como a falta de água ou o corte do seu caule, concluíram cientistas da Universidade de Tel …

ESA declara guerra ao lixo espacial com um robô de quatro braços

https://vimeo.com/379011028 A Agência Espacial Europeia (ESA) acaba de assinar um contrato com a startup suíça ClearSpace para levar a cabo tarefas de limpeza de lixo orbital. Em comunicado, a agência espacial aponta que a empresa vai …

O "Asteróide do Apocalipse" está a cuspir rochas para o Espaço

A sonda OSIRIS-REx da NASA chegou ao Bennu, o "Asteróide do Apocalipse", em dezembro de 2018 e, apenas uma semana depois, descobriu algo incomum: o asteróide estava a lançar partículas para o Espaço. A câmara de …

Projeções dão vitória esmagadora de Boris Johnson

O partido Conservador venceu as eleições legislativas no Reino Unido com uma maioria absoluta de 368 deputados, segundo uma sondagem comum divulgada hoje pelas três estações televisivas britânicas BBC, ITV e Sky, segundo a qual …

Encontrada a obra de arte mais antiga da Humanidade

Um grupo de arqueólogos da universidade australiana de Griffith descobriu numa caverna na Indonésia a pintura rupestre de caça mais antiga do mundo, com cerca de 44 mil anos. A investigação, publicada na revista Nature, descreve …

Há uma petição para tornar o "Baby Yoda" num emoji

Mais de 18.500 pessoas assinaram uma petição online, na qual pedem à Apple que transforme o "Baby Yoda", uma das personagens da série The Mandalorian da plataforma de streaming Disney +, num emoji. A petição, …

Milagres e crucificação. Novo videojogo permite encarnar a pele de Jesus Cristo

Um novo videojogo permite aos jogadores viverem a vida de Jesus Cristo. Neste polémico jogo, poderá realizar alguns dos milagres mais célebres da bíblia e até combater contra Satanás. "I Am Jesus Christ" é um novo …