Câmara de Gondomar não tem dinheiro para pagar conta da EDP

Marco Martins / Facebook

Marco Martins, autarca de Gondomar

A dívida tem mais de 20 anos e ronda os 50 milhões de euros. Autarquia vai pedir a intervenção do primeiro-ministro e do Presidente da República para conseguir o perdão da dívida à energética.

Esta terça-feira, a Câmara Municipal de Gondomar criticou a decisão do Tribunal de Contas de não autorizar um empréstimo solicitado para saldar uma dívida à EDP e vai pedir a intervenção do primeiro-ministro e do Presidente da República para conseguir o perdão da dívida à energética.

Em causa está o pedido de empréstimo para saldar uma dívida que tem mais de 20 anos e que ronda os 50 milhões de euros. Entre 1982 e 1997, a autarquia acumulou uma dívida de 70 milhões à EDP, mas chegou-se a acordo, para pagamento de forma faseada: 30% da dívida saldada durante 20 anos e a prestação final, de 48 milhões, paga em 2017.

Este acordo apenas adiou o problema. Marco Martins, autarca de Gondomar, encetou negociações com a energética e entre 2014 e 2017 houve diversos contactos que culminaram num acordo “histórico”: a câmara comprometia-se a pagar de imediato 28,8 milhões de euros e a EDP perdoava 20 milhões.

Contudo, para isso ser possível a Câmara teria que pedir um empréstimo bancário, empréstimo esse que o Tribunal de Contas recusou o visto, considerando que não se destina a um pagamento antecipado, mas ao diferimento de uma dívida que vencia a curto prazo, avança o Jornal de Notícias.

“Estamos perante uma operação financeira que se traduz, na prática, em obter a consolidação de uma dívida de curto prazo. E com o efeito de prolongar por mais 20 anos uma dívida que já remonta a momento anterior a 1997”, entendeu o Tribunal de Contas.

À Lusa, Marco Martins, disse que “esta é mais uma prova da clara intromissão do TdC da autonomia do poder local” e falou em “sentimento de desilusão e frustração de quem muito se esforçou para fazer o melhor negócio para o município, mas vê as burocracias chumbarem-no”.

“Isto é deitar por terra dois anos de negociações. A partir deste momento, o acordo EDP fica sem efeito e teoricamente a EDP pode executar o município. Esta situação não podia chegar em pior altura. Até porque a EDP está com dificuldades de gestão”, continuou.

Sem o empréstimo, a Câmara de Gondomar não tem dinheiro para pagar a dívida. Assim, a EDP pode avançar para a execução da autarquia, designadamente receitas e património. Marco Martins lembra ainda que, estando envolvida numa OPA, a energética encontra-se em gestão corrente, o que pode dificultar a chegada a um novo entendimento.

Questionado sobre consequências para a gestão do município, o autarca admitiu que sem o abatimento desta dívida de 50 milhões de euros, a autarquia mantém-se no endividamento excessivo, não podendo, entre outras coisas, contratar pessoal.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Não tem dinheiro fecham as Portas. É o que acontece c/ outras empresas, lá por ser Camara não pode nem deve ser diferente, e acabasse o TACHO p/ os politicos de M—- que temos.

  2. se fosse a minha casa à muitos anos que ja me tinham cortado a luz e penhorado alguma coisa.
    porque é que a câmara é diferente?
    nao sei como a EDP deixa chegar a este ponto

  3. O presidente da câmara acha que respeitar a lei, que foi o que fez o Tribunal, são burocracias… Enfim… Mal vamos…

Responder a aswe Cancelar resposta

Aliança convida partidos “sem cartão dourado” para 36 debates no Youtube

No dia em que os três canais generalistas irão passar em direto o debate entre Rui Rio e António Costa, o partido de Pedro Santana Lopes lançou um convite a todos os partidos sem …

Metro do Porto e Carris reforçam fiscalização

Com a entrada em vigor dos novos passes, Metro do Porto e Carris estão a reforçar a fiscalização para tentarem baixar os números de fraude e garantir que têm o devido retorno financeiro por aderirem …

Bloco de Esquerda quer aumento gradual das pensões mínimas até ao salário mínimo

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, propôs esta segunda-feira o aumento das pensões mais baixas até ao valor do salário mínimo e defendeu que o rendimento dos filhos não deve contar na atribuição …

Associação Berardo vai contestar arresto de obras de arte

A Associação Coleção Berardo (ACB), proprietária das obras de arte do empresário José Berardo, vai contestar de esta segunda-feira a uma semana o arresto de cerca de 2.200 peças, disse à agência Lusa fonte próxima …

Netanyahu quer anexar "todos os colonatos" na Cisjordânia ocupada

Benjamin Netanyahu afirma que quer "estender a soberania a todos os colonatos", incluindo alguns que sejam importantes para a herança de Israel. Eleições são esta terça-feira. O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, prometeu esta segunda-feira anexar “todos …

Trump rejeita nova acusação de abuso sexual contra Brett Kavanaugh

O Presidente norte-americano considera que a nova acusação de abuso sexual contra o juiz do Supremo Tribunal dos Estados Unidos é "mentira". Os democratas, por sua vez, pedem que Brett Kavanaugh seja destituído do cargo. De acordo …

Câmara de Cascais quer investir seis milhões de euros no forte onde Salazar caiu da cadeira

A autarquia de Cascais apresentou ao Estado um projeto que passa por dar novo uso ao Forte de Santo António da Barra durante 50 anos. Foi lá que Salazar caiu da cadeira, em 1968. A câmara …

Erros de cálculo que ignoram riscos extremos. Apontadas falhas ao estudo do Aeroporto do Montijo

O geógrafo e investigador Carlos Antunes da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa critica o Estudo de Impacte Ambiental do aeroporto do Montijo, considerando que apresenta erros de cálculo e que não prevê os …

Homem morre em Guimarães. Terá sido picado por uma vespa

Um homem de 32 anos morreu em Guimarães depois de uma possível reação alérgica à picada de uma vespa. A vítima entrou em paragem cardiorrespiratória. Um homem de 32 anos morreu no sábado à noite na …

Taxa de juro do crédito à habitação negativa até 2025

A taxa de juro do crédito à habitação vai ser negativa até cerca de junho de 2025, mais um ano do que o que era esperado em julho. As expectativas de juros mais baixos na zona …