General angolano quer processar Portugal e Brasil

(dr) Vieira Aspirante / portaldeangola.com

O general angolano Bento “Kangamba” dos Santos

O general angolano Bento dos Santos “Kangamba” anunciou, esta sexta-feira, pretender processar Portugal e Brasil, após as recentes decisões favoráveis dos tribunais nos processos em que é visado, dizendo-se vítima de vários anos de “humilhação pública”.

Em entrevista à agência Lusa, o general angolano Bento dos Santos “Kangamba” diz ter sido humilhado. “Afetou a minha imagem, afetou a imagem da minha família, enfim, a do próprio povo angolano”, afirmou.

O general foi absolvido este mês por um tribunal brasileiro no processo que corria desde 2012, sobre o alegado envolvimento no tráfico internacional de mulheres para prostituição, com o juiz a criticar a atuação do Ministério Público Federal pela falta de provas.

Na entrevista, garantiu já ter dado instruções aos advogados, em Portugal e no Brasil, para avançarem com processos e “indemnizações sérias e com justa causa”. Além disso, criticou a má administração da Justiça de que diz ter sido alvo nos últimos anos, ao ver o seu nome associado a estes processos mediáticos.

O processo no Brasil, em que genericamente estava acusado de crimes de formação de quadrilha, tráfico internacional de seres humanos e crimes contra o património, chegou a causar mal-estar nas relações entre os dois países, ao envolver aquele general, influente dirigente do MPLA e sobrinho do ex-presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Bento dos Santos “Kangamba” chegou a ter um mandado internacional de captura pendente, a pedido da Justiça brasileira, que pedia a sua prisão preventiva, que não chegou a acontecer.

O processo no Brasil foi posteriormente citado numa investigação pela Justiça portuguesa por alegado branqueamento de capitais, iniciada em 2013 pelo DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal).

“Foram seis anos difíceis, continuam a ser difíceis. O processo do Brasil é que deu origem à caça ao homem, ao Bento ‘Kangamba'”, afirma o general angolano, que acusa a investigação em Portugal de recorrer a “notícias na Internet” sobre o processo brasileiro, para tentar promover a acusação.

No entanto, também neste processo, sucedem-se várias decisões favoráveis ao general angolano. A última das quais, em novembro, com o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) a dar provimento ao recurso apresentado pela defesa empresário angolano, pedindo o arquivamento do inquérito ainda pendente.

O TRL reconheceu ainda a “violação” das competências dos tribunais portugueses neste processo. “A verdade veio ao de cima. Sempre disse confiar na Justiça, no Brasil e em Portugal. Mas foi uma falta de respeito, uma humilhação e um insulto”, enfatizou.

Garante que nos processos nos dois países, através dos seus advogados de defesa, provou “aos tribunais” que a sua “fortuna”, parte da qual continua “presa” em Portugal, resulta da sua atividade como empresário na área dos diamantes.

“Nunca trabalhei no Governo, nunca dependi do Orçamento do Estado, nunca fui ministro. Se há uma pessoa que não se aproveitou do presidente José Eduardo dos Santos fui eu”, disse.

No caso do processo em Portugal, admite que “tem sido feita Justiça”, com as sucessivas decisões favoráveis, mas critica o juiz Carlos Alexandre, por “fazer Justiça à sua maneira”, por nunca ter sido ouvido pelo Ministério Público.

“A única vitima no caso, é o contribuinte brasileiro”

Em causa, está uma investigação iniciada em Portugal por suspeitas de corrupção passiva na forma agravada, corrupção ativa na forma agravada, branqueamento e falsidade informática, segundo informou em 2014 a PGR, levando à “apreensão preventiva” das contas bancárias e propriedades em Portugal do general.

As sucessivas decisões tornadas públicas pela defesa de “Kangamba” assumiram que o Ministério Público não tinha competência para abrir inquérito “por factos praticados por um cidadão nacional de outro país, nesse mesmo país“, pelas dúvidas na origem da fortuna do general angolano.

No processo do Brasil entre os acusados, o Ministério Público Federal brasileiro apontava o general angolano “Kangamba” como principal financiador da alegada rede criminosa.

A acusação defendia que a alegada rede operava entre o Brasil, Angola, África do Sul e Portugal no tráfico internacional de mulheres, que levavam as vítimas a prostituírem-se em troca de pagamentos entre 10.000 dólares e 100.000 dólares (8.200 a 82.000 euros).

Contudo, na decisão de 12 de janeiro de 2018, o juiz Marcio Assad Guardia refere que o Ministério Público Federal apresentou poucos testemunhos sobre alegadas vítimas, que negaram os factos da acusação, assumindo ainda que as mulheres brasileiras, escolheram livremente manter relações sexuais em troca de pagamentos por viagem.

A única vitima no caso, é o contribuinte brasileiro, que arcou com os custos de uma persecução penal vazia e inútil, despendendo recursos financeiros e provocando desperdício de tempo e trabalho do poder Judiciário”, apontou ainda o juiz do processo, na sua sentença, de primeira estância, passível de recurso para o Tribunal Regional Federal.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …