Gás natural pode transformar Moçambique no “Qatar de África” (se os jihadistas deixarem)

ONGAWA Ingeniería para el Desarrollo Humano / Flickr

Baía de Pemba em Cabo Delgado, Moçambique

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no “Qatar de África”. Mas depois de uma guerra civil de 15 anos, os ataques de grupos jihadistas são a nova ameaça ao país.

A descoberta de gás natural na costa de Cabo Delgado, província situada a norte de Moçambique, na fronteira com a Tanzânia, está a levar à injecção de milhões de dólares em Moçambique. Empresas multinacionais como a norte-americana Exxon Mobil e a italiana Eni estão a explorar aquela que pode ser a “maior reserva de gás natural de África“, segundo a The Economist.

Esta riqueza natural é vista pelo Governo de Moçambique como um factor fundamental para dar impulso económico ao país. De tal forma que a The Economist chega a salientar que Moçambique pretende tornar-se no “Qatar de África”.

Mas os planos do Governo estão a ser complicados por grupos jihadistas. Nos últimos tempos, têm ocorrido vários ataques com jovens armados e com slogans islâmicos a queimarem aldeias e a decapitarem pessoas, apoderando-se de aldeias e chacinando as autoridades do Governo.

Em Março, um grupo de jihadistas que pode ter ligações a movimentos islâmicos da Somália tomou conta da vila de Mocímboa da Praia, apoderando-se de uma base militar. Foi o primeiro ataque destes rebeldes de inspiração islâmica a uma localidade maior, com potencial estratégico.

Este conflito na província de Cabo Delgado já matou dezenas de pessoas, com episódios de decapitações, torturas e raptos que levaram mais de 100 mil pessoas a fugirem das suas casas, segundo o o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

A resposta do Governo perante esta ameaça tem sido incipiente e só tem agravado ainda mais a revolta, com o recurso a “recrutas mal treinados, polícias agressivos e mercenários russos”, como avança a The Economist.

A organização não governamental Human Rights Watch acusa as autoridades de estarem envolvidas em casos de espancamentos e de execuções a tiro. Uma “brutalidade” que só agrava a revolta da minoria muçulmana que ocupa, sobretudo, uma zona no norte do país que tem sido “negligenciada” pelo Governo.

A “marginalização” será, aliás, o grande rastilho para este desenvolvimento de pequenos grupos jihadistas. Sem “atacar” a situação de pobreza e desigualdade da província, o Governo não conseguirá estancar os ataques, acredita a The Economist.

Um relatório da unidade de análise da revista britânica, denominada Economist Intelligence Unit (EIU), conclui que o “desenvolvimento das fábricas para a exploração de gás” em Cabo Delgado está “ameaçado pela crescente presença militar de grupos islamitas, incluindo o movimento local Ansar al-Sunna e, cada vez mais, afiliados locais do Estado Islâmico”.

Os analistas da EIU consideram, no seguimento de um acordo entre os Governos da Noruega e de Moçambique para o desenvolvimento sustentável da exploração de gás no país, que “os ataques militantes aumentaram em severidade e frequência durante o ano passado, e é provável que continuem, mesmo com as forças de segurança estatais a debaterem-se para os conter”.

“As causas subjacentes da insurgência são multifacetadas, mas as limitadas oportunidades económicas e a frustração popular sobre o alto nível de corrupção, assim como a fraca gestão orçamental a nível estatal lançaram as sementes para o descontentamento generalizado”, analisa ainda a EIU.

Moçambique assinou com a Noruega um acordo que prevê que o país nórdico o auxilie ao nível da gestão das futuras receitas de gás natural. O Governo moçambicano discute a criação de um fundo soberano para a gestão das receitas petrolíferas. A Noruega, que tem o maior fundo soberano do mundo, está a prestar ajuda neste âmbito. Os dois países colaboram há mais de 40 anos nos âmbitos da energia e da saúde.

Está previsto que as exportações de gás natural de Moçambique arranquem a partir de 2022, no âmbito de mega-explorações na bacia de Rovuma. A expectativa é de que Moçambique se torne, na próxima década, num dos 10 principais produtores mundiais de gás natural.

Covid-19 coloca país em estado de emergência

Moçambique entrou, nesta quinta-feira, 2 de Abril, em estado de emergência, por 30 dias, acrescentando a proibição de todos os eventos e o fecho de alguns estabelecimentos às medidas que têm vindo a ser tomadas para prevenir a pandemia de Covid-19.

O país admite impor a limitação de circulação e limitar as entradas nas fronteiras, “desde que se verifique um aumento exponencial de casos de contaminação”.

Oficialmente, Moçambique tem oito casos de infectados e não conta ainda com mortes.

Entretanto, nesta sexta-feira, o Parlamento moçambicano aprovou o Programa Quinquenal do Governo (PQG) 2020-2025, com os votos a favor da Frelimo, partido no poder, e os votos contra da Renamo e do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), da oposição.

O PQG prevê uma taxa de crescimento médio de 5,5%, mas as contas foram feitas antes da pandemia do coronavírus. O ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, já reviu em baixa essa previsão, apontando antes para 2,2% num cenário pessimista e 3,8% num cenário optimista. O plano para cinco anos de governação poderá, assim, sofrer mudanças.

O MDM já definiu o plano do Governo como uma “catástrofe”, considerando que vai manter Moçambique como um dos países mais pobres do mundo. “Não há neste PQG nada de concreto e exequível para tirar o país da situação calamitosa em que se encontra”, refeiu o deputado Fernando Bismarque.

Já a Frelimo, o partido do Governo, considerou que “o programa assegura a redução da pobreza e desigualdades sociais e promove um ambiente favorável ao investimento público e privado para um crescimento económico sustentável“, como sublinhou o deputado Abdul Gafur Issufo no Parlamento.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Então e os amigos russos não vos dão agora a mão? O comunismo infestou e arruinou África, mas o islamismo será pior ainda, África infelizmente parece condenada à desgraça.

    • Não existe nenhuma terra (incluindo AFRICA) que está, esteve ou estará condenada ” naturalmente” a desgraça. Governos inertes, corruptos, insensíveis à desgraça do povo, que usam os recursos dos paises para o beneficio próprio, são a causa principal da desgraça de muitos paises no mundo todo. A incapacidade ou falta de vontade em implementar políticas públicas favoráveis ao bem da maioria é uma das marcas desses governos que acabam lançando milhões de seres humanos para desgraça.

      • De facto países condenados naturalmente à desgraça ao contrário do que afirma não existir, haverá alguns devido às brutais alterações climáticas, no entanto a maioria é como afirma devido a maldade humana, ou por ganância, ou por ideologia política ou religiosa e África é um ninho de tudo isto um pouco por todo lado apesar de ter muitos recursos naturais.

  2. Qatar de África??? xD O espirito deles é demasiado rebelde para isso, mais depressa se torna no novo Estado Islâmico. Não tenho pena, só tenho pena de o raio do Salazar ter feito morrer tantos jovens por um povo que só quer a destruição isso é que tenho pena. E agora estes liberais estarem a importa-los para cá e a tornarem zonas do meu país em autênticos bairros de lata cheios de crimonosos como fazem lá. E o pior é já estarem a alastrar para zonas pacificas que não os tinha.

  3. Há alguma ilusão de quem proferiu estas declarações tristes.. com a mais do que provável migração automática, se não obrigatória, das energias fósseis para as renováveis no período de 10-15 anos espera-se que a procura por gás natural e petróleo seja reduzida por parte dos mercados internacionais.. que haja bom senso por parte das governações, é o meu desejo para todos os países.

  4. Deus nao muda as condicoes dum povo ate o proprio povo mude o que ha nos seus intimos.
    Constituem as doencas espirituais(a ganancia,inveja,injustica,a avareza…)que precisam grande luta por si proprio.so com a remocao disso é que resultara bons e integros governantes em Africa.
    Na historia da humanidade sempre se viveu em guerras,mas precisa reformar para uma era tranquil e estavel.
    A Africa ja esta atrasada e o relogio europeu esta bem adiantado.E o tempo é incongelavel.
    Africa precisa de lideres passados como:Nkrumah,samora,do Bois,mandela,kaddaf,Nyerere…..No continente parece que nao passaram esses grandes referenciei africanas para que os actuais academicos copiem o seu legado.Mas precisa remover o que ha nos coracoes.

  5. Esqueça isso meus irmãos! *Pela mesma razão que a Nigéria não foi o Qatar da África* … *E pela mesma razão que nós não temos recompensas do petróleo*

RESPONDER

"Burocracia enlouquecida" do pós-Brexit está a "matar" empresas escocesas que exportam marisco para a UE

Desde que a Grã-Bretanha concluiu o processo de negociação do Brexit, a vida dos exportadores britânicos mudou de forma drástica. Apesar de ter havido um acordo comercial com a União Europeia, há várias empresas a …

Manifestantes que invadiram o Capitólio terão recebido uma transferência em bitcoins em dezembro

A Chainalysis, uma empresa de dados de criptomoedas, informou recentemente que grupos e personalidades envolvidos na invasão do Capitólio, nos Estados Unidos, receberam mais de 500 mil dólares em bitcoins de um doador francês, no …

Programador esqueceu-se da password para recuperar 236 milhões de dólares em bitcoin. Já só lhe restam duas tentativas

Um programador alemão que vive em São Francisco, nos Estados Unidos, não se recorda da sua password do disco que lhe dará acesso à sua carteira digital, onde tem 7.002 bitcoins, que valem, segundo a …

PGR abre inquérito ao caso do procurador europeu José Guerra

O Ministério Público instaurou um inquérito ao caso da nomeação do procurador europeu no seguimento da participação criminal apresentada pela Ordem dos Advogados e de uma denúncia anónima. "Na sequência de denúncia apresentada pela Ordem dos …

Donald Trump diz que "reconstruir o Exército foi uma honra"

O Presidente cessante dos Estados Unidos enviou, esta quinta-feira, uma mensagem às tropas norte-americanas, dizendo que "reconstruir o Exército foi uma honra", destacando o investimento da sua administração no Pentágono. "Foi uma honra reconstruir o nosso …

Julgamentos de Tancos e do homicídio no SEF suspensos após caso de covid-19

As próximas sessões do julgamento de Tancos e do homicídio do cidadão ucraniano nas instalações do SEF foram suspensas depois de o advogado Ricardo Sá Fernandes, que representa arguidos nos dois casos, ter testado positivo …

"Uma tragédia anunciada". Manaus não tem oxigénio para tratar doentes

Manaus, capital do estado do Amazonas, no Brasil, está a atravessar uma situação caótica devido ao aumento de casos covid-19 e à falta de oxigénio dos hospitais. Imagens que circulam nas redes sociais mostram as próprias famílias …

Wayne Rooney termina carreira de jogador para treinar Derby a tempo inteiro

O antigo internacional inglês terminou a carreira de futebolista, aos 35 anos, para assumir o cargo de treinador do Derby County, anunciou, esta sexta-feira, o clube da segunda divisão inglesa. Wayne Rooney, que assinou contrato até …

Populistas europeus que o apoiavam desvinculam-se agora de Trump

A derrota eleitoral de Donald Trump, a sua recusa em aceitá-la e a violência que se seguiu parecem ter prejudicado as perspetivas de líderes de europeus populistas, apoiantes do Presidente dos Estados Unidos (EUA). "O que …

Carvalhal explica porque é que disse "não" ao Flamengo

Carlos Carvalhal explicou, em entrevista ao Esporte Interactivo, porque é que recusou o convite para treinar os brasileiros do Flamengo. "Não foi uma questão de não querer, foi não poder", explicou o técnico, que agora …