“Ilegítima proximidade”. Dois ex-secretários de Estado acusados no Galpgate

Andre Kosters / Lusa

Fernando Rocha Andrade

O Ministério Público acusou 18 arguidos, incluindo dois ex-secretários de Estado e dois presidentes de Câmara, pelo crime de recebimento indevido de vantagem no caso das viagens pagas pela Galp ao Euro 2016.

Segundo uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR), dos 18 arguidos acusados fazem parte duas empresas do grupo Galp e sete outros responsáveis ou colaboradores destas sociedades.

Os restantes nove arguidos, à data dos factos exerciam funções de secretário de Estado (dois), chefe de gabinete de secretário de Estado (dois), assessor governamental (dois), presidente de Câmara Municipal (dois) e administrador de empresa concessionária de serviço público (um), adianta a nota da PGR.

Entre os arguidos estão Fernando Rocha Andrade e Jorge Costa Oliveira que deixaram os cargos de secretários de Estado, nas pastas dos Assuntos Fiscais e da Internacionalização, na sequência deste caso. João Vasconcelos, que morreu a 26 de Março passado, também deixou o cargo de Secretário de Estado da Indústria devido ao “Galpgate”.

O Público apurou, ainda, que a lista de arguidos inclui Vitor Escária, ex-assessor do primeiro-ministro, e a sua mulher, Susana Escária, ex-adjunta de João Vasconcelos, bem como João Bezerra da Silva, ex-chefe de gabinete de Rocha Andrade, Pedro Matias, ex-chefe de gabinete de Vasconcelos, Carlos Manuel Costa Pina, administrador da Galp e ex-secretário de Estado de José Sócrates, Álvaro Beijinha, presidente de Câmara de Santiago do Cacém, e Nuno Mascarenhas, autarca de Sines.

“No âmbito do inquérito onde se investigou o pagamento pela Galp de viagens, refeições e bilhetes para diversos jogos da selecção nacional no Campeonato Europeu de Futebol de 2016, o Ministério Público proferiu despacho de arquivamento parcial em 8 situações e deduziu acusação, pela prática de crimes de recebimento indevido de vantagem, contra 18 arguidos”, lê-se na nota da PGR.

O MP entende que, uma vez que “os custos inerentes à deslocação, que incluíam viagens, refeições e bilhetes para os jogos”, foram “integralmente suportados” pela Galp, os arguidos tiveram direito a “vantagens patrimoniais e não patrimoniais” a que “não tinham direito”.

“Os arguidos sabiam que poderiam colocar em causa e, no caso dos indivíduos que os aceitaram, colocavam, a transparência, equidistância, isenção e objectividade com que os destinatários dos convites deveriam desempenhar as suas funções, dois nomeadamente, no que diz respeito às empresas que integravam aquele grupo, criando um contexto de ilegítima proximidade“, aponta ainda a acusação.

“Estes arguidos sabiam, igualmente, que lhes estava vedado aceitar quaisquer ofertas de entidades privadas”, já que isso colocaria em causa a imparcialidade devida ao desempenho das suas funções públicas, “nomeadamente, no que respeitava a empresas do grupo Galp”, acrescenta a acusação.

O MP pede, assim, que os arguidos que exerciam funções públicas à altura dos factos sejam impedidos de voltar a desempenhá-las. Além disso, solicita que os valores das ofertas sejam devolvidos ao Estado – no total, prevê-se uma verba de cerca de 40 mil euros.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Professor detido por violar aluna menor dentro de escola em Faro

Um professor de 55 anos foi detido, nesta quarta-feira, por suspeitas de ter violado uma aluna de 14 anos no interior de uma escola do concelho de Vila Real de Santo António, no distrito de …

Governo vira-se para Rio para mudar a lei e garantir o novo aeroporto

O Governo está a preparar uma alteração à Lei para evitar que o projecto do novo aeroporto do Montijo seja chumbado. Uma medida que passará, necessariamente, pela necessidade de um entendimento entre PS e PSD …

"Entretenimento saudável". Santa Casa desvaloriza estudo sobre raspadinhas

O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa desvalorizou a investigação da Universidade do Minho que aponta para o vício das raspadinhas. Esta sexta-feira, um artigo científico publicado na The Lancet alertou para …

"Diga-lhe para ligar ao FBI". Autocarro com a cara do príncipe André circula em Londres

Um autocarro escolar, com a cara do príncipe André, andou a circular por Londres, esta sexta-feira, numa campanha da advogada Gloria Allred para pressionar o filho da Rainha a falar com o FBI. Esta sexta-feira, um autocarro …

Suspeito de terrorismo ouvido em tribunal (com o juiz a recusar ver os seus vídeos por não ter Internet)

O arguido Rómulo Costa, um dos oito portugueses acusados por financiamento ao terrorismo e recrutamento, adesão e apoio ao Estado Islâmico, foi interrogado, esta sexta-feira, na fase de instrução do processo que vai decorrer no …

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O FC Porto vai recorrer do castigo de um jogo à porta fechada, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por ofensa a um agente desportivo. "O FC Porto vai recorrer …

Moita Flores investigado por corrupção. Antigo PJ fala em "coincidência" com empréstimo aos filhos

Francisco Moita Flores, antigo inspector da Polícia Judiciária e ex-presidente da Câmara de Santarém, está a ser investigado por suspeitas de corrupção. Há transferências de dinheiro de uma construtora para empresas a que esteve ligado …

SOS Animal vai constituir-se assistente no processo contra João Moura

A SOS Animal anunciou, esta sexta-feira, que se vai constituir assistente no processo criminal contra o cavaleiro tauromáquico detido, na quarta-feira, por suspeitas de maus-tratos a cães em Monforte, no distrito de Portalegre. Em comunicado, a SOS …

SMS de Rangel revelam teia de corrupção na Relação de Lisboa. Juiz Vaz das Neves tem empresa contra a lei

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Luís Vaz das Neves, que foi constituído arguido na Operação Lex, tem uma empresa que se dedica à arbitragem extrajudicial de conflitos, o que constitui uma violação …

Presidente da PwC esteve em Lisboa para controlar danos do Luanda Leaks

O presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC) esteve em Lisboa, há duas semanas, para controlar os danos provocados pelo caso Luanda Leaks. Bob Moritz, presidente mundial da PricewaterhouseCoopers (PwC), esteve em Lisboa, há duas semanas, para perceber até …