Galp e REN vão mesmo ter que pagar contribuição extraordinária

PSD / Flickr

O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva

O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, lamentou que a REN e a Galp Energia tenham decidido não pagar a contribuição extraordinária sobre o setor energético e avisou que as autoridades fiscais avançarão para a execução fiscal.

Em declarações aos jornalistas em Viseu, esta terça-feira, o ministro frisou que “a lei é para aplicar a toda a gente“, seja aos cidadãos que pagam IRS, às empresas que pagam IRC, a estas empresas que tinham uma contribuição extraordinária e também aos cidadãos e aos pensionistas “que tiveram de enfrentar contribuições extraordinárias”.

Na segunda-feira, a REN e a Galp Energia comunicaram ao mercado que não tinham pago a contribuição extraordinária sobre o setor energético relativa a 2014, cujo prazo de liquidação terminou a 15 de novembro.

No caso da REN está em causa um valor de cerca de 25 milhões de euros e no da Galp de 35 milhões de euros.

“Estas empresas tomaram a decisão e agora esta é matéria que a área fiscal, a autoridade tributária, desenvolverá“, tal como acontece em caso de incumprimento por parte de um cidadão ou de uma empresa, referiu.

O governante considerou que “a lei é muito clara” e que, quando um cidadão ou empresa falha determinado prazo na área fiscal, “existem juros de mora, penalizações, uma execução fiscal”.

“Essa é matéria que está prevista na lei e a lei é para ser aplicada a toda a gente. Aos pequenos empresários, aos grandes e aos cidadãos a título individual. Ninguém está isento das suas responsabilidades fiscais”, sublinhou.

Jorge Moreira da Silva lamentou a decisão destas empresas especialmente por se tratar de “uma contribuição que tinha por objetivo alargar o esforço de sacrifício, repartir os sacríficos por mais entidades”.

“Esta é uma decisão das empresas. O dever do Governo, do Estado, é assegurar o cumprimento da lei”, realçou, acrescentando que nenhum português “se pode dar ao luxo de ter estados de alma quando paga o IRS ou o IRC”.

O ministro lembrou que “esta contribuição extraordinária de 150 milhões de euros foi concretizada numa altura em que o Governo necessitava de cumprir um determinado objetivo orçamental” e optou por avançar com ela “para evitar um aumento de impostos aos cidadãos ou uma penalização adicional dos pensionistas”.

“Entendemos que tinha chegado a altura de, além de todos os cortes nas rendas excessivas que o Governo já tinha vindo a realizar, e que ainda agora concretiza, também seria importante, em especial num setor em que as empresas beneficiam de um regime próprio (nomeadamente operarem sob concessão), que fossem alvo deste contributo num momento difícil para todos os portugueses e para o país”, explicou.

Neste âmbito, lamentou que “as empresas tenham decidido não cumprir as suas obrigações legais”, mas também que, “numa matéria em que se promovia a equidade na repartição de esforços e de encargos, não formular uma decisão solidária com o momento que o país vivia e ainda vive”.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Quem manda é GALP, EDP, REN, Banco Portugal etc que é onde aterram os boys, por isso essas taxas são para esquecer, se calhar ainda tem que pagar uma indmenização e já não era a primeira por incomodarem os senhoritos disto tudo.

  2. Isto bateu mesmo no fundo..
    O governo perdeu a autoridade e o respeito por parte das pessoas empresas e instituições.
    Seria bom que este caso fosse acompanhado de perto por todos os cidadãos, pois caso se prove que este é um imposto ilegal, todos devem sr ressarcidos do dinheiro que nos foi retirado, e se assim não for, não estamos perante um Estado, mas sim de uma quadrilha terrorista que usa os meios que tem, policia tribunais etc para violentamente retirar os bens ao cidadão.

  3. Embora ache muito mal estas taxas e taxinhas e impostos para tudo e mais alguma coisa, a verdade é que temos de ser todos a pagar e porque eu sou obrigado a pagar quer queira quer não, porque é que estes capitalistas do país querem ficar de fora, têm tanta ou mais obrigação de contribuir do que eu, afinal fazem parte do mesmo capitalismo selvagem junto com os governos que se instalaram em Portugal e são eles os verdadeiros culpados da ruína em que nos encontramos hoje. Que os façam pagar sem dó nem piedade.

  4. Eu acredito que estes tubarões, que vendem seus produtos e serviços pelo preço que querem e têm lucros fabulosos, não venham a pagar um centimo sequer desta taxa. E tem mais; se o Estado os pressiona, deslocalizam a sede das suas empresas para outros países da Europa e até o IRC deixam de pagar. Não seriam os primeiros. Já outros ratos abandonaram este navio que navega à vista, em mar revolto e com um comandante que não sabe sequer o mar em que se encontra.

RESPONDER

"Sem dúvida". Montenegro diz que era capaz de derrotar Costa

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro, que é agora candidato à liderança do partido, afirmou, em entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, que era capaz de derrotar António Costa.  "Acho que era …

Rússia quer legalizar comércio de 'diamantes de sangue' africanos

Os diamantes exportados da República Centro-Africana estão associados à corrupção, à violência, à guerra civil, a violações e assassinatos. Agora, Moscovo anunciou que quer o fim do embargo internacional, buscando legalizar na totalidade a sua …

Economia abrandou, mas ainda é possível cumprir meta de crescimento

O Produto Interno Bruto cresceu 0,3% no terceiro trimestre, face aos três meses anteriores, metade do registado no segundo trimestre, mantendo o ritmo de crescimento, de 1,9%, na comparação com o mesmo período de 2018. Segundo …

Sporting vai avançar com ação de despejo das claques

A SAD leonina vai avançar com uma ação de despejo para que as claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI deixem os espaços que ocupam no Estádio José Alvalade, avança A Bola esta quarta-feira. De …

"Ninguém quer trabalhar" na Casa Pia. Pais em protesto devido à falta de pessoal

Os pais e encarregados de educação do Centro Educativo e Desenvolvimento D. Maria Pia, em Lisboa, vão entregar na segunda-feira um abaixo-assinado à tutela para pedir a abertura de concursos externos para reforço de pessoal …

Trump elogiou Erdogan, depois de uma reunião que descreveu como "maravilhosa e produtiva"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, elogiou na quarta-feira o seu relacionamento com o homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan. Os dois líderes encontraram-se para tentar superar várias diferenças, incluindo a situação na Síria e a compra …

MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas …

Imunidade diplomática deixa em liberdade suspeito de tentar matar com ácido sulfúrico

O suspeito de homicídio, na forma tentada, ficou em liberdade depois de ter apresentado o passaporte diplomático às autoridades, que impede que seja detido ou constituído arguido. De acordo com a TVI24, um alto responsável da …

Zivkovic quer rescindir contrato com o Benfica

O extremo sérvio quer chegar a acordo com o Benfica para ficar livre a ano e meio do final do seu contrato mas, pelos vistos, a SAD encarnada nem quer ouvir falar dessa hipótese. De acordo …

Cigarros eletrónicos. Primeiro duplo transplante de pulmões feito em jovem de 17 anos em situação de "morte iminente"

Em risco de "morte iminente" por lesões causadas pelo uso de cigarros eletrónicos, um jovem de 17 anos foi submetido a um duplo transplante de pulmões, no estado norte-americano do Michigan. Este caso é considerado …