Gado na UE produz 704 milhões de toneladas de CO2 (mais do que todos os transportes juntos)

(dr) Envato Elements

De acordo com uma nova análise da Greenpeace, animais de criação como vacas, porcos e outros, estão a emitir mais gases com efeito de estufa na Europa do que todos os transportes juntos.

Na última década, o aumento da produção de carne e de laticínios na Europa fez com que a agricultura se tornasse numa fonte muito maior de emissões. Embora alguns países tenham priorizado a energia renovável e o transporte nas suas políticas climáticas, as iniciativas para reduzir o impacto da alimentação e da agricultura no clima ficaram descuradas.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, em 2018, o gado da União Europeia foi responsável pelo equivalente a cerca de 502 milhões de toneladas de dióxido de carbono, sobretudo devido ao metano que libertam. Estes números são comparáveis com os 656 milhões de toneladas de dióxido de carbono libertados pelos transportes que circulam na Europa no mesmo ano.

De acordo com estes números, até parece que os transportes são mais poluidores, mas quando as emissões indiretas dos gases provenientes da pecuária são calculadas, os números totais aumentam e são equivalentes a 704 milhões de toneladas de dióxido de carbono. Os cálculos são apresentados num novo relatório da Greenpeace intitulado Farming for Failure, publicado no dia 22 de setembro.

A produção de carne e laticínios na União Europeia aumentou 9,5% entre 2007 e 2018, o que de acordo com o Greenpeace se traduziu num aumento nas emissões anuais de 6%, ou seja, cerca de 39 milhões de toneladas – o que é equivalente a colocar 8,4 milhões de novos carros na estrada.

Se estes aumentos continuarem, a UE tem pouca probabilidade de cumprir as suas obrigações de reduzir os gases de efeito estufa, de acordo com o que está estipulado no acordo de Paris. Na semana passada, a UE reforçou as suas metas de redução de emissões, anunciando uma meta de cortes de 55% até 2030.

Marco Contiero, diretor de política agrícola da Greenpeace, disse que os países devem controlar as emissões da pecuária ou correm o risco de enfrentar uma grande falha nas metas de redução. “A ciência é clara, os números também. A única maneira de reduzir as emissões aos níveis necessários é diminuir o número de animais”.

Um corte de metade da pecuária intensiva iria reduzir cerca de 250 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono por ano – revela o The Guardian.

A Greenpeace apela ao fim dos subsídios públicos para a criação de animais em grande escala, que são entregues aos produtores no âmbito da política agrícola comum da União Europeia – a organização defende que este seria um grande passo a dar neste problema.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Fim dos subsídios para criação de animais?? Pois deveriam era acabar com os animais para esses senhores da Grinprise passar a comer erva. Quero dizer *erd@!

  2. É preciso as pessoas começarem a perceber que o corpo humano funciona melhor com dieta vegetariana (vejam o documentário Netflix “the game changer”). Para além disso, a redução do consumo de carne tem impactos favoráveis no meio ambiente e na descarbonizacão que o planeta precisa nesta fase. Não adianta andarmos armados em macacões a atacar quem tem juízo.

António Mexia e Manso Neto vão deixar gestão da EDP

Os presidentes executivos da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e Manso Neto, ambos suspensos de funções, manifestaram-se indisponíveis para voltar a integrar os órgãos sociais do grupo num novo mandato. Em comunicado à Comissão …

João Ferreira desafia Marcelo a assumir candidatura "o quanto antes"

  João Ferreira, candidato comunista às presidenciais, acredita, como os "todos" os portugueses, que Marcelo Rebelo de Sousa será recandidato, mas desafiou-o esta segunda-feira a dizê-lo "quanto antes", por "uma questão de transparência". “Já todos perceberam o …

Irão. Líder Supremo pede punição pela morte de cientista que liderou programa nuclear

O líder supremo do Irão, o Ayatollah Ali Khamenei, exigiu no sábado punição pela morte do cientista Mohsen Fakhrizadeh, que liderou o programa nuclear de Teerão, enquanto a República Islâmica culpa Israel pelo assassinato. Israel, há muito …

Portugal é o país da UE mais próximo de atingir metas climáticas para 2030

Portugal é o país da União Europeia (UE) mais perto de atingir as suas metas climáticas de redução de emissões até 2030, relativamente aos níveis de 2005, segundo um relatório esta segunda-feira publicado pela Comissão …

Novos casos aumentam mais de 50% em oito concelhos do Norte

O número de novos casos de infeção no Norte aumentou mais de 50% em oito concelhos da região, seis dos quais no distrito de Vila Real e dois em Bragança, segundo o relatório da Administração …

União Europeia convida Joe Biden para cimeira presencial durante presidência portuguesa em 2021

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, convidou o Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para uma cimeira presencial no primeiro semestre de 2021, durante a presidência portuguesa da União Europeia. Fontes europeias informaram que …

Maior controlo nas fronteiras não foi eficaz para conter o vírus, diz Cabrita

O ministro da Administração Interna considerou esta segunda-feira que o maior controlo nas fronteiras internas do espaço Schengen, durante os primeiros meses da pandemia, não foi eficaz para conter o novo coronavírus. “Ao nível das fronteiras …

Hospitais de Coimbra estão "muito próximos" do limite de capacidade

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) está "muito próximo do limite de capacidade" de resposta à covid-19, devido à falta de recursos humanos, disse esta segunda-feira o presidente do conselho de administração da …

Médico de Maradona apresenta-se voluntariamente às autoridades judiciais

O médico Leopoldo Luque apresentou-se esta segunda-feira voluntariamente às autoridades judiciais para explicar as circunstâncias em que ocorreu a morte do ex-futebolista Diego Maradona, depois de a sua casa e o seu consultório terem sido …

Itália mantém recolher obrigatório no Natal e Ano Novo

O ministro dos Assuntos Regionais italiano anunciou esta segunda-feira que o recolher obrigatório se vai manter durante o Natal e Ano Novo, no mesmo dia em que o Governo aprovou um novo plano de apoio …