Mario Gómez: “O futebol é como a roupa, é de modas”

Comentário do antigo internacional alemão sobre as funções do ponta-de-lança atual. Mario não tem saudades dos relvados.

Mario Gómez García, o homem que veio de Riedlingen, na República Federal da Alemanha, para marcar muitos golos. Figura do Estugarda, do Bayern Munique (entre outros clubes) e da seleção alemã, deixou de ser futebolista profissional há praticamente um ano.

Mas não tem saudades dos relvados: “Não tenho saudades dos grandes jogos ou da sensação de marcar golos. Vivi tudo muito intensamente, ao longo da minha carreira. E tive sempre muita consciência do que fazia”.

“Foi um período maravilhoso, um sonho com os seus altos e baixos, mas a vida é assim: fecha um capítulo, começa outro. E eu queria muito que este capítulo chegasse, sobretudo a parte de passar tempo com a minha família. Agora vejo os jogos tranquilamente, com familiares e amigos. São noites muito agradáveis”, contou, em entrevista ao jornal El País.

O “super Mario” era um avançado muito eficaz, um pouco ao estilo de Mário Jardel, daqueles que tinham como função principal ver a bola a chegar à área e atirar para dentro da baliza. No futebol atual, ver esse tipo de avançado é “pouco frequente”, analisou.

“Agora são pouco frequentes os pontas-de-lança que se dedicam a cabecear a bola que lhes é servida pelo ar. Mas o futebol está sujeito a mudanças constantes. É um pouco como a roupa: a qualquer momento as coisas voltam e tornam-se moda outra vez. Mas acho que, no futebol, fará sempre falta um avançado clássico“, continuou o alemão.

Mario Gómez, ao lado de Jürgen Klinsmann, é o maior goleador de sempre da Alemanha em fases finais de Europeus (cinco golos cada). No primeiro jogo do Euro 2020, faltou golo aos alemães, que perderam por 1-0 contra a França.

Faltará um desses avançados clássicos? “Esse debate tem surgido na Alemanha. Mas a Alemanha tem opções muito boas para essa posição: Gnabry, Werner, Volland, Müller, Sané. Acho que a seleção alemã não tem de ficar preocupada com os remates à baliza”, respondeu.

A Alemanha, que vai defrontar Portugal no próximo sábado, já sabe que vai mudar de selecionador depois do Europeu 2020. Mario Gómez não vê qualquer desvantagem no facto de os jogadores já saberem que Joachim Löw vai sair em julho: “Não vejo qualquer perigo nisso. Esta seleção tem miúdos fantásticos que querem chegar ao mais alto possível”.

Apesar de estar no “grupo da morte” e de ter perdido na estreia, a seleção alemã continua a ser favorita no Europeu 2020? “Veremos…”.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE