“Estado volta a falhar às populações”. Incêndios repetem erros de 2017

Paulo Novais / EPA

O concelho de Vila de Rei está “farto de ver o Estado voltar a falhar às populações” na hora dos incêndios. É o vice-presidente da autarquia quem o diz numa altura em que o fogo está de volta à região centro, repetindo-se os erros de 2017.

O país não aprendeu quase nada com os trágicos incêndios de 2017, desabafam ao Expresso alguns bombeiros que trabalham no terreno a apagar as chamas nos fogos entre Vila de Rei e Mação, em Castelo Branco.

“Pouco foi aprendido dos incêndios de 2017”, lamenta ao semanário o presidente da Federação dos Bombeiros de Castelo Branco, José Neves, considerando que “há muito combate mas falta prevenção”.

“Continuar a evacuar aldeias mostra que não aprendemos a proteger estes aglomerados populacionais”, diz ainda o comandante, frisando que o fogo se encaminha para uma área que já ardeu em 2017 e onde existe ainda “muito material lenhoso que não foi retirado” depois dos grandes incêndios de há dois anos.

O vice-presidente da Câmara de Vila de Rei, Paulo César, junta-se às críticas e lamenta que o concelho “está farto” de “sucessivos incêndios com origem criminosa” e de “ver o Estado voltar a falhar às populações“.

Encontrados artefactos para “potenciar prejuízos”

suspeita de mão criminosa nos incêndios. Os comentários acerca de eventuais causas criminosas são uma constante entre os moradores. O facto de terem surgido vários fogos quase em simultâneo e a poucos quilómetros uns dos outros cria ainda mais desconfianças.

A Polícia Judiciária está a investigar os artefactos incendiários que foram encontrados em várias zonas do concelho de Vila de Rei. Não são artefactos explosivos — o que significa que foram ali colocados para iniciar um fogo. Vários elementos da Diretoria do Centro da PJ estão no local dos incêndios a realizar diligências.

Uma fonte da PJ revela à Rádio Renascença que os alegados incendiários  tiveram um “conhecimento e preocupação significativa”, designadamente quanto aos pontos de colocação dos artefactos e ao momento escolhido, “cerca das 14:40 horas”, de forma “a potenciar prejuízos patrimoniais e até pessoais“.

Chamas dominadas, mas temem-se “reacendimentos graves”

Pedro Nunes, comandante do Agrupamento Distrital do Centro Norte da Proteção Civil, fez esta manhã o ponto da situação a partir da Sertã. O “incêndio está estabilizado”, os meios foram redistribuídos e “90% do incêndio está dominado”.

Ainda assim, os restantes 10% estão a arder e a “carecer de muita atenção”. “[O fogo] tem um perímetro ativo de 10%, com chama. Foi feito um esforço durante a noite por parte de todos os efetivos no teatro de operações. Todo o efetivo está concentrado”.

Não há alterações ao dispositivo de combate aos incêndios, diz ainda Pedro Nunes, sublinhando que os meios aéreos vão-se manter. “Temos capacidade de resposta, quer terrestre, quer aérea, porque todo o foco está nesta operação, não há outros focos de incêndios”, disse, lembrando que nos anos anteriores havia múltiplos cenários de incêndio, sendo que todas as atenções estão concentradas no mesmo teatro de operações.

Cada frente tem um posto de comando de operação – um em Mação, outro em Vila de Rei -, explica, referindo que não há registo de pessoas desalojadas e de habitações ardidas. Questionado sobre quais são as povoações que estão na linha do fogo, no caso de tudo correr mal, Pedro Nunes identificou as povoações de Mação e Proença a Nova.

O comandante Pedro Nunes diz ainda que os meios aéreos estão disponíveis para trabalhar mas a falta de visibilidade não o permite. “A camada limite da atmosfera está muito baixa, o que faz com que o fumo não permita que as aeronaves trabalhem”, disse, sublinhando que o problema deve ser resolvido na próxima meia hora, altura em que as condições atmosféricas, que são idênticas às de uma situação de nevoeiro, deverão melhorar. Há quatro pelotões de rescaldo das Forças Armadas a caminho, diz ainda.

Vamos ter um dia muito difícil pela frente”, resumiu Pedro Nunes, dizendo que o ponto-chave estará na parte da tarde. Para já, a ordem é “fechar grande parte do perímetro com máquinas de arrasto”. “Ao fazermos isso diminuímos a probabilidade de reativações”, diz. O comandante adianta que há dez feridos e que foram assistidas 21 pessoas pelo INEM.

O comandante Pedro Nunes afirma que “os meios terrestres são suficientes”, o problema não está nos meios mas sim nas condições do território para as máquinas de arrasto fazerem o seu trabalho. “Não é uma questão de meios, é uma questão de conseguirmos trabalhar o território, e já sabemos que as máquinas andam a uma velocidade pequena, e a componente de combustíveis também não facilita”.

“É um trabalho moroso, temos de ir devagar e temos de olhar para aquilo que temos, perceber onde estão as dificuldades. As grandes portas estão no flanco esquerdo, porque o problema está no vento de leste, é ai que está a ser concentrado o trabalho”, acrescenta.

No momento, o incêndio está a ser combatido por mais de mil operacionais apoiados por 322 viaturas.

Em declarações à Rádio Observador, o presidente da câmara de Vila de Rei, Ricardo Aires, afirmou que a maior preocupação neste momento é o calor intenso que se espera no dia de hoje, que pode vir acompanhado de vento. “Esperemos que não haja reacendimentos graves devido ao calor e ao vento, e esperemos que os meios não se desmobilizem”, disse.

Não querendo “especular” sobre o número de casas afetadas, o autarca disse que “são algumas, não muitas, umas três ou quatro”, sublinhando que não tem ainda na sua posse o levantamento preciso.

Por precaução, algumas pessoas mais idosas passaram a última noite no lar de apoio, mas “isso não quer dizer que as suas casas tenham sido destruídas”.

Quanto à área ardida no concelho, Ricardo Aires também não quis “especular”, remetendo mais informações para o final de uma reunião que vai ter na câmara ainda esta manhã.

Alguns concelhos dos distritos de Castelo Branco e Santarém, afetados por incêndios desde o fim de semana, apresentam esta segunda-feira um risco máximo de incêndio, temperaturas máximas a rondar os 39 e 40 graus e baixa humidade, segundo o IPMA.

Em declarações à agência Lusa a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Madalena Rodrigues, adiantou que o dia de hoje vai ser marcado por tempo quente, baixa humidade e vento moderado, situação que não é “favorável ao combate aos fogos”.

“Para as regiões afetadas pelos incêndios que pertencem ao distrito de Castelo Branco estão previstos 39 graus e baixa humidade que pode atingir os 15% durante a tarde. Para amanhã já se prevê uma pequena descida da temperatura máxima e uma ligeira recuperação da humidade relativa nas regiões do interior norte e cento”, explicou.

Entre os quase 40 concelhos esta segunda-feira em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Vila de Rei e Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, e Mação e Sardoal, em Santarém. Há também vários concelhos dos 18 distritos de Portugal continental em risco muito elevado e elevado de incêndio.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém. O incêndio de Vila de Rei e Mação é o único que continua por controlar e tem mobilizado várias centenas de operacionais e de meios de combate.

Um civil ficou ferido com gravidade neste incêndio e está internado no hospital de São José, em Lisboa. Há ainda nove feridos ligeiros e mais de duas dezenas de pessoas foram assistidas no terreno pelas equipas do INEM.

As chamas também já atingiram habitações, num número ainda não quantificado pelas autoridades, depois de durante a tarde de domingo as chamas terem ameaçado dezenas de aldeias, segundo autarcas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

19 COMENTÁRIOS

  1. os anos passam e as situações repetem-se e o GOVERNO NADA FEZ ou FAZ.
    Deem-lhe a maioria então é que NADA vai fazer em qualquer setor.

    • Não. Câmara não é Estado. O amigo está confundido. Vá ver a definição de Estado e perceberá o disparate que diz.

    • O Samorinha tem razão.
      Os particulares limpam os seus terrenos?
      Alguns sim, outros não, e os que não o fazem, são os primeiros a reclamar.
      O Estado pode vigiar a criminalidade incendiária?
      Só se colocasse o exército rodeando as floresta portuguesas, e enforcasse imediatamente os criminosos nas árvores que acabaram de incendiar.
      O Estado tem impedido o desordenamento florestal e a plantação de eucaliptos em vez de preservar ou incentivar a floresta nativa?
      Possivelmente não o suficiente, porque a ganância do ganho rápido se sobrepõe á razão.
      É o Estado que atira beatas a arder pela janela dos carros?
      Só se for no “estado” de pura irresponsabilidade daqueles que ainda o fazem.
      Etc. Etc.
      O Estado somos todos nós, ou deveríamos ser, na prevenção desta calamidade.

  2. Será que o problema da prevenção vem só do governo?
    O que é que as populações (proprietários) fazem por si mesmos?
    Acho que isto é um problema que toca a todos e no meio disto tudo o mexilhão é o mais interessado, só limpa depois de ser multado?

  3. O estado somos todos…

    Não conheço a realidade destes incêndios mas apesar da alteração da lei continua a ver-se muita coisa mal. onde está a limpeza? o corte de arvores a 50 metros das aldeias, etc…
    O estado é culpado por não legislar devidamente depois vem as demais entidades e os proprietários dos terrenos por não cumprirem com a lei.
    é obvio que muitos não tem culpa até porque não podem limpar o que é dos “outros”…

    Quanto ao Vice presidente que falou se calhar devia era estar calado pois com as recentes alterações uma das entidades que mais responsabilidades assumiu foram os municípios.
    A titulo de exemplo compete aos municípios ter um Plano Municipal de Emergência que contemple entre outros aspetos incêndios, compete aos municípios ter um PDM atualizado que designe a utilização a dar aos solos e acima de tudo compete ao município fazer cumprir as leis relacionadas com o ordenamento do território.
    Se os munícipes não cumprem compete ao município atuar em conformidade… e não depois da catástrofe chutar as responsabilidades para o lado…

  4. Gostava que repetissem uma entrevista que o Sr. Presidente da Câmara de Mação deu à ca de 2/3 anos a um canal de televisão em que se gabava do seu conselho ser o único do País que cumpria as regras contra incêndios, pois tinha as faixas de 50 m , não deixava construir sem cumprirem as distâncias exigidas, etc.etc………..

    Só campanha, agora atira a culpa para os outros. Enfim………………………..

  5. Nos Incendios os Incendiarios sao os culpados,
    Na Saude são os Médicos
    Na Educação são os Professores

    Só o Costa não é culpado de nada!

  6. Só duas observações:
    A 1ª tem que ver com o que o Vice-Presidente da autarquia de Vila de Rei disse, acusando o Estado – talvez quisesse antes referir-se ao Governo – de voltar a falhar…
    Ora é caso para perguntar em que é que o Estado falhou. Quererá o dito Vice que seja o Estado a programar os incêndios em função das possibilidade que tem de os combater?
    Em vez dessa infeliz acusação, seria bem mais sensato conhecer o concelho que dirige e assumir-se como dos primeiros responsáveis pelo que aconteceu.
    A segunda observação consiste em pretender que se saiba quem são os incendiários e seus mandantes.

  7. Então mas o ministro “boca cheia de farelos” da administração interna, fartou-se de gabar que agora os incêndios seriam imediatamente liquidados pois tinham mais meios aéreos, mais bombeiros e viaturas, mais GNR´s, mais força aérea, mais meios aéreos da própria força área, mais e melhores comandos, mais isto…mais aquilo…e voltaram a fazer a mesma merda este ano ? Muita treta vejo eu nesta gentalha que nos (des)governa. Acho que estes desgraçados deveriam ser responsabilizados criminalmente. Mas o mais triste de tudo isto é que grande maioria dos portugueses está a dizer que eles são uma categoria e que lhes vão dar mais 4 anos de governação. Este país está perturbado mentalmente, e mais tarde ou mais cedo vamos novamente a ser chamados para o tirar do abismo.

  8. Não há volta a dar, basta olhar para as imagens na televisão e é ver terrenos repletos de mato e erva por todo o lado, o falhanço vai desde governo central passando por autarcas e acabando nos proprietários; quanto a mim apenas uma solução poderá remediar a situação, os terrenos serem entregues a grandes empresas obrigadas estas a diversificar o plantio de várias espécies, organizar os terrenos e mantê-los limpos, vigilância apertada dos mesmos através de vários meios hoje disponíveis e o governo pôr o exército dia e noite de vigia dos mesmos, penas pesadíssimas para incendiários. Isto é tudo mais do mesmo e está cada vez mais que comprovado que sem ordenamento e outra forma de exploração o país acabará num deserto total, o Estado por seu lado é ainda mais desleixado que os outros.

  9. O povo tem que se unir e vigiar ele próprio o seu território.
    Formar milícias e fazer churrascos com os incendiários.
    Se as coisas chegarem a esse termo, vão ver os incêndios com mão criminosa a parar e as “soluções” governativas a aparecer.
    Raio de país que beneficia mais os criminosos que os cidadãos de bem.

  10. Povo manso e adormecido, que acredita em Costa e em Cabrita.
    Pela terceira vez, vidas e haveres em perigo, Kamovs sem licença para voar, e aviões em terra. Siresp a falhar novamente, Costa ausente em férias. Nada se aprendeu com os anteriores desastres.
    Mas o Povo gosta de ser maltratado, e volta a votar Costa para ver mais matas a arder, hospitais sem resposta e o ensino em degradação.
    Em Outubro, com o Bloco de Esquerda no governo, tudo será… PIOR !

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …