Franco-portuguesa convertida ao Islão denuncia “islamofobia” em França

m1key-me / Flickr

-

“Shérine” é o nome de conversão de Cristina Gomes, filha de pais portugueses e nascida em França há quase 27 anos. Shérine usa o niqab, o véu que deixa apenas visíveis os olhos, e abraçou o Islão há dois anos, tal como mais dois irmãos.

“Os meus pais aceitaram porque o meu irmão tinha aberto o caminho. Mas, é verdade que, ao princípio, o meu pai ficou desiludido porque dizia que não serviu de nada ter-nos educado com a fé cristã porque a acabámos por trocar. Só que não era a nossa escolha, submetemo-nos simplesmente à religião que eles nos deram”, conta.

Aos 15 anos, Cristina tinha pensado em ser freira, passou mesmo algum tempo num convento e usou a touca de freira, “como hoje usa o niqab”, precisa. Leu “a Bíblia, os Evangelhos, o primeiro e o segundo testamento”, mas tinha muitas dúvidas que se acumularam quando foi vítima de violência doméstica durante o primeiro casamento, tendo deixado de acreditar em Deus.

“Quando comecei a interessar-me pelo Islão, voltei a acreditar em Deus”. E foi como muçulmana que voltou a casar, garantindo que não foi o segundo marido que a influenciou porque se convertera um ano antes de voltar a dar o nó.

A jovem, residente na periferia de Paris, é taxativa quando afirma que “há imensa islamofobia em França“, garantindo que “não se sente em segurança”, por exemplo, quando vê a circular mensagens nas redes sociais para “espancar as mulheres que usem véu“.

A culpa, diz, é dos meios de comunicação social que “exageram”, levando a que os franceses ponham “toda a gente no mesmo saco”.

“Não se deve misturar o que se passa com muçulmanos em outros países com o que se passa em França. Se todos os muçulmanos fossem como os media os mostram, a França já teria sido atacada há muito tempo e a sharia [lei islâmica] já estaria cá. Há bons e maus muçulmanos como há bons e maus cristãos, judeus, ateus ou ortodoxos”, completa.

Ainda assim, Shérine já foi abordada, nas redes sociais, para ir para a Síria, admitindo que é algo recorrente porque “há muitos estrangeiros que vão para a Síria fazer a jihad, sem falar árabe, sendo difícil encontrar uma mulher” e “os franceses procuram mulheres que estão em França, muçulmanas e dispostas a juntar-se a eles“.

“Fui contactada por dois irmãos que estavam na Síria e que procuravam uma mulher disposta a trocar a França por um país muçulmano. Eles combatiam na jihad e a mulher ficaria num lugar da Síria livre a para tomar conta das crianças e de casa. Rejeitei porque nunca se sabe o que realmente se passaria quando lá chegasse”, diz.

Por outro lado, Cristina faz questão de sublinhar que “a jihad só se faz quando um país muçulmano é atacado”, apontando que “muitos a veem como um jogo e partem para se exibirem como heróis sem saberem o que é realmente a jihad”.

Quanto às ações do grupo Estado Islâmico, a jovem fala em “seita” que “nada tem a ver com o Islão”, lamentando que os muçulmanos sejam “julgados por atos aos quais eles próprios se opõem”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Colocações no ensino superior adiadas para o final de setembro

Na sequência do adiamento nos calendários dos exames nacionais do ensino secundário, o acesso às licenciaturas é também atrasado. O calendário de acesso ao ensino superior vai ser atrasado em cerca de três semanas. Os resultados …

Rangel e outros 13 eurodeputados do PPE pedem expulsão de partido húngaro

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel e outros 13 chefes de delegação do Partido Popular Europeu (PPE) pediram na terça-feira a expulsão do partido húngaro Fidesz, exigindo ao líder parlamentar daquela família política, Manfred Weber, …

Milhares pediram o cancelamento do TV Fest. Festival foi suspenso

O Ministério da Cultura criou um festival televisivo exclusivamente dedicado à música portuguesa em parceria com a RTP, mas o formato e os critérios estão a causar forte polémica no meio. Uma petição pública online …

Comércio internacional pode cair para níveis da Grande Depressão

A Organização Mundial do Comércio referiu na quarta-feira que o arrefecimento do comércio internacional provocado pela Covid-19 pode chegar aos níveis registados nos anos 30 devido à Grande Depressão. Segundo noticiou o Observador, na melhor das …

Loja de telemóveis apanhada a vender álcool gel com lucro até 400%

Os inspetores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) encontraram, em Lisboa, uma loja de reparação e venda de acessórios para telemóveis a vender frascos de gel desinfetante de 500 ml a 24,95 euros …

Em Portimão, uma sirene toca quando alguém sai de casa sem justificação

A sirene do quartel dos Bombeiros de Portimão vai passar a tocar sempre que alguém sair de casa e andar na rua sem justificação. O anúncio foi feito pela Câmara Municipal de Portimão em comunicado. De …

Short Selling - ou como vender ações emprestadas para ganhar muito dinheiro

Vender ações da bolsa que não são suas é uma forma de ganhar bastante dinheiro. Esta forma de negociação, denominada short selling, é muito lucrativa mas implica algum risco, pelo que é prudente aconselhar-se junto …

"Nem mais um abuso". Grupo no Whatsapp servia para planear ataques à polícia em Espanha

Dois homens de 25 e 30 anos, os dois criadores de um grupo de Whatsapp que servia para planear ataques à polícia espanhola, foram detidos esta terça-feira. De acordo com o jornal espanhol El País, o …

Trabalhadores independentes que reduziram descontos da Segurança Social terão apoio mais baixo

Os trabalhadores independentes que optaram por reduzir em 25%, de forma fictícia, o rendimento sobre o qual incidem as contribuições, e que por isso descontaram menos, verão refletida essa diminuição no apoio que podem receber …

Secretas alertaram a Casa Branca para o perigo do coronavírus em novembro

Os serviços de inteligência dos Estados Unidos alertaram o Pentágono e a Casa Branca, no fim de novembro, que o novo coronavírus estava a espalhar-se em Wuhan, avisando que o vírus estaria a mudar o …