França vs Croácia | “Les bleus” conquistam o Mundo

A França conquistou o seu segundo Campeonato do Mundo. Na final frente à Croácia, os gauleses foram felizes na primeira parte, somando dois golos, um na própria baliza por Mario Mandzukic, e outro de penálti, no único remate que realizaram antes do intervalo.

No segundo tempo, apesar do domínio da formação dos Balcãs, os franceses foram muito eficazes no contra-ataque, aproveitando a velocidade de Kylian Mbappé para desequilibrar a defesa contrária e construir um resultado robusto.

A Croácia ainda reduziu, mas não havia forças para mais e a França sucede à Alemanha. Caso para dizer que os “les bleus” aprenderam a lição com o campeão do Euro 2016.

O Jogo explicado em Números

  • A final começou de forma muito táctica, de estudo mútuo. Ambas as equipas tentavam perceber se a outra apresentava alguma surpresa na estratégia inicial. Ainda assim, os croatas não renegaram a sua identidade e, nos primeiros dez minutos, registavam 65% de posse de bola. Um domínio que não permitia situações de ataque aos franceses. Mas os gauleses também não o consentiam.
  • Porém, a França voltou a fazer das suas. Aos 19 minutos, num livre da esquerda apontado por Griezmann, Mandzukic, fez autogolo – o primeiro em finais de Mundiais -, colocando os gauleses na frente quando ainda não registavam qualquer remate. Um tento que ainda ninguém justificara até à altura e que obrigou a Croácia, mais uma vez, a ir atrás do prejuízo.
  • A Croácia sentiu um pouco o tento francês, caindo a posse para 59%, mas não desistiu de pressionar em busca do empate. E conseguiu-o, aos 29 minutos. Num lance de insistência, com muita luta no futebol aéreo, a bola sobrou para Ivan Perisic, este trabalhou bem à entrada da área e rematou cruzado para um grande golo. Um tento que surgiu ao terceiro disparo da formação dos Balcãs, primeiro enquadrado.
  • Contudo, num canto da direita, o próprio Perisic colocou mão na bola na grande área, e o árbitro assinalou grande penalidade para os franceses, após recurso ao VAR. Antoine Griezmann, aos 38 minutos, recolocou os franceses na frente, no primeiro remate que a França conseguiu realizar nesta final.
  • O descanso chegou com a França na frente, mas com a sensação geral de injustiça no marcador. A Croácia esteve sempre por cima, com 67% de posse de bola nesta fase, sete remates, dois deles enquadrados com a baliza de Hugo Lloris.
  • Aliás, os croatas chegavam com alguma facilidade à área gaulesa, faltando alguma tranquilidade na hora de rematar. Os comandados de Didier Deschamps fizeram apenas um remate no primeiro tempo, muito pouco, mas ainda assim deu golo, o 2-1, de penálti.
  • A França chegava a esta fase na frente com alguma fortuna, sem ter feito muito por isso, mas o que conta são mesmo os golos.
  • Apesar de ter sido ele a cometer a grande penalidade, Ivan Perisic era o melhor ao intervalo, com um GoalPoint Rating de 6.1, fruto do golo que marcou, de um passe para finalização e de dois duelos aéreos ofensivos ganhos em três.
  • Melhor a Croácia no arranque do segundo tempo, com muita bola (69% aos 59 minutos), procura de variação de flanco para abrir o jogo e apostar nos cruzamentos. A França colocou Kylian Mbappé bem encostado ao flanco direito, travando as subidas de Strinic e aproveitando o seu eventual desgaste.
  • A velocidade do jogador do PSG começou a fazer-se notar e, precisamente aos 59 minutos, uma arrancada de Mbappé terminou num cruzamento, a bola chegou aos pés de Paul Pogba e este rematou em zona frontal para o 3-1.
  • Um golo ao quinto remate gaulês no segundo tempo, terceiro enquadrado, cinco vezes mais disparos em 14 minutos da segunda parte do que em toda a etapa inicial.
  • O jogo sofreu um golpe quase decisivo, pois o golo de Pogba quebrou a formação croata. E, aos 65 minutos, Mbappé aproveitou a passividade contrária para, em zona frontal, rematar para o 4-1. Cheirava a goleada, mas no futebol, tudo pode ainda acontecer.
  • Mandzukic aproveitou, aos 69 minutos, um erro tremendo de Hugo Lloris para reduzir para 4-2, interceptando uma tentativa de finta do guarda-redes. Isto numa altura em que a Croácia registava ainda 62% de posse de bola e quatro remates, dois deles enquadrados. Lloris, que estava a liderar os ratings, com 6.4, viu-se assim ultrapassado por Pogba, com 6.6.
  • A Croácia nunca desistiu, há que o dizer, mas apesar do domínio e da facilidade de troca de bola, as forças faltavam aos homens dos Balcãs, pelo que a França geriu bem a vantagem até final. Vinte anos depois, os gauleses voltam a ser campeões do Mundo.

O Homem do Jogo

A França é campeã do Mundo e, no jogo decisivo, a estrela de Paul Pogba surgiu finalmente. O médio foi o melhor em campo na final de Moscovo, no triunfo gaulês por 4-2.

Muitas vezes criticado por desaparecer nos momentos decisivos, o jogador do Manchester United apareceu quando foi necessário, realizando uma bela exibição ante uma Croácia dominadora, mas fisicamente desgastada.

Pogba terminou o jogo com um GoalPoint Rating de 6.9, fruto de um golo, dois dribles eficazes em três tentativas, um passe para finalização, quatro desarmes e duas intercepções. Desta vez Pogba também foi um jogador comprometido com as tarefas defensivas.

Jogadores em foco

  • Antoine Griezmann 5.7 – Este não foi um jogo com exibições individuais exuberantes. Os ratings reflectem isso mesmo e Griezmann, o segundo melhor gaulês, teve uma nota discreta. Mas foi um jogador importante na ocupação dos espaços e na forma como soube segurar a bola e esperar pelos colegas de equipa. O avançado fez um golo, de penálti, dois remates, dois passes para finalização e ganhou os três duelos aéreos ofensivos em que participou.
  • Mario Mandzukic 5.6 – Um jogo agridoce para o avançado. Após tornar-se no primeiro jogador a fazer um autogolo numa final de um Mundial, o atleta da Juventus marcou, após um erro de Lloris, e terminou com um passe para finalização e quatro desarmes.
  • Luka Modric 5.6 – Dá gosto ver o médio jogar. O organizador croata voltou a estar muito em jogo, registando 89 acções com bola, apenas atrás das 112 de Brosovic e das 90 de Vrsaljko. Para além disso, registou 90% de eficácia de passe, teve sucesso em dois dribles, fez dois passes para finalização e recuperou a posse de bola em oito ocasiões.
  • Kylian Mbappé 5.4 – O jovem de 19 anos tornou-se no segundo jogador abaixo dos 20 anos a marcar na final de um Mundial, depois de Pelé. Apesar do rating relativamente modesto, o extremo foi muito importante na estratégia gaulesa, em especial no segundo tempo, colado à direita para aproveitar o desgaste de Strinic. Para além do golo que marcou, o atacante completou quatro das oito tentativas de drible.
  • Lucas Hernández 5.2 – O lateral-esquerdo de França foi muito importante, em especial em termos ofensivos. Se na retaguarda não foi além de seis acções defensivas, na frente registou uma assistência para golo e concluiu dois dribles em quatro tentativas.

Resumo

PARTILHAR

RESPONDER

FC Porto, Aves. Benfica disciplinado. 821 pessoas num jogo... Os números da Liga

Um dia antes do início da I Liga 2020/2021, espreitamos o relatório 'Futebol em números', publicado no final de agosto pela própria Liga Portugal. Há muito para ler sobre a época passada, provavelmente a mais …

Presidente da Bielorrússia fecha fronteiras e coloca exército em alerta

O Presidente da Bielorrússia, alvo de seis semanas de protestos em massa exigindo a sua renúncia, anunciou esta quinta-feira que vai colocar as tropas em alerta máximo e fechar as fronteiras do país com a …

É viciado em sol? Não se preocupe, está-lhe nos genes

De acordo com um estudo realizado por investigadores do King's College London, a busca pelo sol está diretamente ligada aos nossos genes. Isso significa que o comportamento das pessoas em relação ao sol é dominado por …

Onda de pedras-pomes fez uma viagem pelo Pacífico (e traz nova vida à costa da Austrália)

Uma "onda" de pedras-pomes está a chegar à Austrália após uma longa viagem pelo Pacífico. As rochas vulcânicas produzidas na fase de ejeção dos gases contidos na lava, podem trazer um presente para o seu …

Não foram as estrelas de neutrões. A origem do ouro do Universo voltou a ser um mistério

Quando a humanidade detetou a colisão entre duas estrelas de neutrões em 2017, confirmou a teoria de longa data que as explosões criam elementos mais pesados do que o ferro. Assim, pensou-se ter a resposta …

Descoberta uma cripta secreta sob uma capela polaca. Pode levar ao lendário Santo Graal

O lendário Santo Graal, que terá sido usado por Jesus durante a Última Ceia para transformar o vinho em sangue, cativou a imaginação dos caçadores de tesouros durante séculos. Embora possamos nunca saber se esta relíquia …

Pedaço de cabelo de Lincoln (e um telegrama ensanguentado) leiloados por 81 mil dólares

Um anónimo pagou mais de 81 mil dólares (cerca de 71 mil euros) por uma mecha de cabelo de Abraham Lincoln. O exemplar foi retirado da cabeça de Lincoln um dia após a sua morte, …

Descobertos novos detalhes em Pietà de Miguel Ângelo

Uma equipa de especialistas estava a fazer trabalhos de limpeza na Pietà de Florença, esculpida pelo artista italiano Miguel Ângelo, quando encontrou detalhes desconhecidos da obra. Uma Pietà é um tema da arte cristã em que …

Microsoft afundou um data center em 2018. Dois anos depois, revela o que descobriu

Em 2018, a Microsoft aproveitou a tecnologia de submarinos para afundar um data center que poderia fornecer ligação à Internet durante anos na costa de Orkney. Agora, foi recuperado e os investigadores estão a testá-lo …

"James Bond da Filantropia". Bilionário cumpre sonho e doa toda a sua fortuna

Chuck Feeney cumpriu o seu sonho e está oficialmente falido. O empresário e filantropo queria doar toda a sua fortuna antes de morrer e assim o fez. Chuck Feeney é um empresário norte-americano de ascendência irlandesa …