França disposta a reconhecer erros do passado colonial na Argélia

Cugnot Mathieu / EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron.

O Presidente francês Emmanuel Macron vai adotar “atos simbólicos” destinados a reconhecer os erros da era colonial francesa na Argélia, mas não está a considerar um pedido de “desculpas” oficial pretendido por Argel, indicou esta quarta-feira o seu gabinete.

Para o Eliseu, que pretende melhorar a complexa relação entre os dois países, o importante consiste em “sair do não dito e da negação” sobre a guerra da Argélia (1954-1962), que continua a dividir as duas margens do Mediterrâneo, noticiou a agência Lusa. A declaração surge como reação a um relatório do historiador francês Benjamin Stora.

Trata-se de uma “iniciativa de reconhecimento” da verdade, mas “está fora de questão um arrependimento” ou “apresentar desculpas”, disse o Eliseu, numa referência ao relatório que cita como exemplo o precedente das desculpas apresentadas pelo Japão à Coreia do Sul e à China sobre a Segunda Guerra Mundial, que não reconciliaram estes países.

A Argélia está presente nas memórias familiares de milhões de pessoas em França, os colonos repatriados pieds-noirs, os harkis locais que combateram pelo país, e os imigrantes argelinos. Nesta nação, a memória da guerra cimentou o sentimento nacional após a independência e deu ao poder uma legitimidade na qual ainda se apoia, passados 60 anos.

Macron participará em três comemorações simbólicas no âmbito do 60.º aniversário do fim da guerra da Argélia: o dia nacional dos harkis em 25 de setembro, a repressão de uma manifestação de argelinos no dia 17 de outubro de 1961 em Paris e os Acordos de Evian em 19 de março de 1962 impuseram um cessar-fogo na Argélia, precisou a Presidência.

O Presidente francês deverá estudar diversas propostas do relatório Stora, designadamente o reconhecimento do assassínio pelo exército francês do dirigente nacionalista argelino Ali Boumendjel em 1957, e a entrada no Panteão, que acolhe os heróis da história de França, da advogada anticolonialista Gisèle Halimi, que morreu em 28 de julho de 2020.

Stora, um reconhecido especialista da história contemporânea da Argélia, entregou esta quarta-feira a Macron o relatório, que lhe foi solicitado em julho. O documento de 150 páginas, destinado a “fornecer uma abordagem justa e precisa do caminho percorrido pela França sobre a memória da colonização e da guerra da Argélia”, será depois divulgado.

Macron, o primeiro Presidente francês a nascer após esta guerra, tem manifestado a intenção em apaziguar e desbloquear este complexo dossiê, e tentar reforçar as voláteis relações bilaterais entre dos dois países, particularmente agravadas desde a conquista e a colonização em 1830 à Guerra da independência.

Em 2017, antes de ser eleito em maio, denunciou em Argel a colonização como “um crime contra a humanidade”, uma declaração muito criticada pelos repatriados e pela extrema-direita, mas que “não lamenta”, sublinhou o Eliseu.

Para a Presidência, trata-se de “olhar a História de frente” e de “uma forma serena e tranquila”, para “construir uma memória da integração”, uma “iniciativa de longo prazo” e não forçosamente com gestos diplomáticos imediatos.

O Eliseu também assegurou que “nos próximos meses” vão ocorrer “palavras e atos”, precisando que será iniciado “um período de consultas”.

Entre diversas medidas, o autor do documento referiu-se a propostas “simples e práticas”, e que incluem a abertura de arquivos, identificação de locais, ou busca dos restos dos desaparecidos.

Na Argélia, o Presidente Abdelmadjid Tebboune encarregou o diretor dos arquivos nacionais, Abdelmadjid Chikhi, de trabalhar na questão da recuperação da memória em consonância com Stora, após uma iniciativa comum dos dois chefes de Estado.

Taísa Pagno // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …