A forma como cozinhamos o arroz pode fazer mal à saúde

Preparar um tacho de arroz pode não ser tão inofensivo quanto pensávamos. Novos dados mostram que a forma mais tradicional de cozinhar este alimento pode estar a fazer-nos mal à saúde.

Em causa está o facto de o arroz ter uma alta concentração de arsénio, um elemento químico que traz riscos para a saúde como, por exemplo, problemas cardíacos e cancro.

Esta substância pode contaminar o arroz por causa do uso de toxinas e pesticidas, que permanecem no solo durante décadas. Como o cultivo deste grão envolve irrigação, acaba por absorver mais o arsénio do que outras culturas.

Um caso que prova o seu caráter venenoso ocorreu no Bangladesh, onde uma “epidemia” de cancro foi registada depois de várias pessoas terem bebido água contaminada.

Em declarações à BBC, Andy Meharg, professor de ciências biológicas da Universidade de Belfast, na Irlanda do Norte, e investigador do Instituto para a Segurança Alimentar Mundial, afirma que uma comparação que pode ser feita é com o tabaco.

“Se uma pessoa fumar dois cigarros por dia, corre menos riscos do que se fumar 30 ou 40. Trata-se da dependência da dose – quanto mais se come, maior é o risco“, explicou.

O investigador alerta que comer algumas porções por semana não coloca em risco a saúde de um adulto, mas pode ser perigoso para bebés e crianças, afetando o seu desenvolvimento.

“Sabemos que níveis baixos de arsénio afetam o desenvolvimento da imunidade, têm impacto no crescimento e no desenvolvimento do QI”, afirma Meharg.

Como evitar

A boa notícia é que há formas simples de evitar essa contaminação quando fazemos arroz.

Depois de uma série de experiências, o investigador concluiu que a melhor técnica é deixar o arroz em água durante a noite e, na altura de ser cozinhado, utilizar uma proporção de de cinco chávenas de água para uma chávena de arroz.

Quando comparada com a maneira mais tradicional de fazer arroz, ou seja, sem deixá-lo “de molho” e com uma proporção de duas chávenas de água para uma de arroz, esta técnica reduziu o nível de arsénio em 80%.

De acordo com Meharg, usar a proporção de cinco chávenas para uma (mesmo sem deixar o arroz de molho) também reduz os níveis de arsénio, mas não é tão eficaz como a primeira técnica.

ZAP // BBC

12 COMENTÁRIOS

  1. A ideia é eliminar o arsénio que se deposita na água. Ao cozinhar o arroz este absorve a água da cozedura, consumindo-se na mesma o arsénio. Só é eficaz se se eliminar a água da cozedura, o que é difícil. Mas e a quantidade de produtos cancerígenos que são consumidos actualmente pelas populações modernas através de pesticidas, herbicidas e fungicidas nos alimentos e no ambiente, químicos e perfumes sintéticos em produtos de higiene e limpeza, ambientadores,…? Será que vale a pena preocupar a população com a forma como cozinha o arroz?

    • Maria, em relação à primeira parte do seu comentário: o facto de se juntar mais água (5 chávenas) é exatamente para no fim se eliminar a água da cozedura. Com apenas duas fica um arroz seco, com 5 fica com excesso de água. O problema é: como se faz com o arroz malandrinho, de grelos, etc… comem-se os grelos secos? Acho que ninguém gostaria…
      Em relação ao resto do seu comentário, há de facto muitas outras preocupações mais importantes do que o arsénio do arroz! Tem toda a razão.

      • JG, eu percebi a ideia. Há várias formas de cozinhar arroz, como sabe, e se cozinhar um arroz com legumes, malandrinho, como sugere, com 5 x mais água que o habitual para deitar a água fora no final, está não só a eliminar o arsénio como muitos outros nutrientes do arroz e dos legumes (para além de ficar horrível e sem sabor). Mais vale consumir o possível arsénio ou deixar de comer arroz. O problema existe para as populações que estão a consumir arroz cultivado em águas com elevadas concentrações de arsénio e a consumir essa própria água. É que na cozinha asiática, o consumo de arroz é elevado e este é cozinhado simples na proporção de uma medida de arroz para uma medida e meia de água. Vá lá dizer-lhes para fazer arroz malandrinho de grelos…
        Além disso, nem todo o arroz está contaminado com nível perigosos de arsénio. Depende do local e da forma como é cultivado. E ainda existem outras formas de eliminar os níveis de arsénio do arroz que nem sequer estão referidos neste artigo. E ainda existem outros alimentos contaminados,… e a própria água… enfim, falta muita informação, assim é só alarmismo.

  2. Tangas… tudo faz bem em pequenas quantidades, até esse tal do arsénio, que comemos todos os dias em vários alimentos, e faz mal quando ingerido em grandes quantidades. Comam duas caixas de aspirinas e vão ver como ficam…!!

  3. O MELHOR MÉTODO DE PREPARAR ARROZ E DE DEIXAR UMA NOITE NA AGUA E TIRAR AGUA . AO SEGUIR FERVER NA CINCO VEZES DE AGUA FERVIDA ,TIRAR AGUA ENQUANTO ARROZ ESTA MAL COZIDA ,
    ESTENDER FATIAS DE BATATA POR CIMA DE POCO OLEIO,E ARROZ POR CIMA, COM LUME BAIXA COM TAMPA FECHADA, COZER DURANTE 20 MINUTOS.
    PROVA ISTO COM ARROZ BASMATI, FICA COM ARROZ SOLTA E COZIDA, APROVEITE BTATES FRITOS POR BAIXO DO ARROZ.

  4. Como ensinava o meu professor de bioquímica:
    – Cozer pouco o arroz com bastante água e deitar fora a água;
    – Repetir cinco vezes;
    – Por fim, deitar fora o arroz.

  5. A melhor forma de fazer arroz é pegar num tacho de agua, colocar em proporção de 3 de agua para 1 de arroz, colocar em lume brando ate estar cozido. Depois deita-se o arroz fora e come-se um pacote de batatas fritas

  6. Ahhhhh por isso é que eu ando a pe!dar como um desalmado…
    É por causa do arroz do Arsénio… sabia que isto tinha que ter alguma explicação.

RESPONDER

Bacterias Gram-negativas de Legionella pneumophila

Vítimas do surto de Legionella vão processar o Estado

A associação de apoio às vítimas do surto de legionella de Vila Franca de Xira está inconformada com a acusação do Ministério Público e vai requerer a abertura de instrução e avançar com uma ação …

The Big Bend

Nova Iorque vai ter um incrível arranha-céus em forma de U

O horizonte de Nova Iorque está prestes a receber um dos prédios mais inovadores do mundo. Planos para a construção do primeiro arranha-céu em forma de U do mundo foram oficialmente revelados, e serão um …

O Sol, observado pelo Solar Dynamics Observatory, da NASA, nos dias 27 de Fevereiro e 20 de Março

O Sol está há 3 semanas sem manchas solares

O nosso Sol pode parecer um ponto perfeito de luz intensa, mas raras vezes o é... como tem acontecido nas últimas semanas, em que não têm sido visíveis quaisquer manchas solares. A nossa estrela é bastante …

-

Biquínis enfeitiçados: marca cria coleção inspirada nas princesas da Disney

Com o verão a chegar, a Enchanted acaba de lançar uma nova linha de roupa de banho. A nova colecção de biquínis é inspirada nas princesas da Disney.  A loja e marca de roupa de banho …

Marine Le Pen em comício da Frente Nacional durante a campanha para as presidenciais francesas

Marine Le Pen diz que se ganhar as eleições a União Europeia vai morrer

A candidata da extrema-direita francesa Marine Le Pen afirmou este domingo que se for eleita presidente da França a União Europeia (UE) "vai morrer", porque "as pessoas já não a querem". As afirmações da candidata presidencial …

-

Trump não para de mexer em coisas nas reuniões (entre outras desordens mentais)

O estado mental do novo presidente dos Estados Unidos tornou-se um agitado tema de discussão nas redes sociais, nos meios de comunicação - e até no seio da comunidade científica norte-americana. "Eu não sei o que …

-

Bloco quer preparar com urgência o país para a saída do Euro

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu hoje a urgência de preparar o país para a saída do euro, rejeitando que Portugal fique "no pelotão da frente" de uma Europa que "caminha para o abismo". Em …

O que poderá ser o novo super-carro McLaren BP23, tal como imaginado pela Autocar

Novo McLaren BP23 vai custar 2,3 milhões de euros

Apesar do seu preço exorbitante, todos os 106 unidades que serão produzidas estão já reservadas por clientes que, além de um sinal de cinco dígitos, tem de já ter hoje em casa, pelo menos, um …

-

Tribunal egípcio condena 56 pessoas por naufrágio que vitimou emigrantes

O Tribunal Penal de Rashid, no Egito, condenou hoje 56 pessoas a penas de dois a 13 anos de prisão pelo naufrágio de um barco que provocou a morte de 203 emigrantes em setembro passado, …

-

Físicos provam que é impossível arrefecer um objecto a zero absoluto

Os físicos Lluís Masanes e Jonathan Oppenheim, da Universidade College London, no Reino Unido, derivaram a terceira lei da termodinâmica a partir dos primeiros princípios. Em janeiro, físicos do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA …