Forças armadas gregas em alerta máximo devido a crise com a Turquia

2

European Central Bank / Flickr

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis

À medida que crescem as tensões entre a Turquia e a Grécia, em consequência da disputa pela exploração de zonas do Mar Egeu e do Mar Mediterrâneo, aumenta também a vigilância por parte das forças armadas gregas.

Fontes do Ministério da Defesa grego, citadas pelo VOA, indicaram que o crescimento repentino no fluxo de refugiados que chegam à Grécia vindos da Turquia, bem como o aumento de incêndios florestais em locais remotos ou em ilhas no Mar Egeu – que os turcos querem ver desmilitarizada -, podem originar uma crise entre os dois países.

Contudo, embora as ações recentes da Turquia sejam preocupantes, os analistas acreditam que um conflito armado é pouco provável. Para o general reformado Leonidas Tzoumis, ambos os países perdem com um confronto militar, mas alertou que as forças armadas gregas devem estar vigilantes.

Na sua opinião, a Grécia enfrenta o que o general classifica como uma abordagem clássica da Turquia, na qual as provocações recorrentes podem desencadear um incidente sério o suficiente para forçar a Grécia a negociar questões como a disputa pelo Mar Egeu ou direitos territoriais.

Além das questões relacionados com os dois mares – que há décadas separam os países -, os atritos entre ambos se estendem também à área do armamento.

Turquia detém o segundo maior exército da NATO

De acordo com o artigo, os Estados Unidos (EUA) estão relutantes em vender a  Ancara um novo lote de caças F-16, necessários para os conflitos com os separatistas curdos, no norte do país. O receio é que uma Turquia com mais armas possa representar uma ameaça para a Grécia e outros países na região.

Na semana passada, o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan afirmou ter cortado relações com o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, devido a um discurso que o líder grego fez ao Congresso dos EUA, apelando a que a venda dos caças F-16 continuasse bloqueada.

Contudo, e apesar de em março Erdogan e Mitsotakis se terem reunido e concordado em evitar “provocações” enquanto decorre a guerra na Ucrânia, a verdade é que este último também selou um acordo para adquirir caças F-35.

Desde então, as violações turcas do espaço aéreo grego aumentaram, tal como o fluxo de refugiados. Esta semana, Ancara contestou abertamente a soberania grega sobre 23 ilhas, muitas povoadas e algumas conhecidas destinos turísticos.

Mitsotakis advertiu que qualquer ameaça séria por parte da Turquia não ficará sem resposta. Numa tentativa de obter apoio, tem reunido com os principais líderes europeus, apresentando-lhes um relatório de inteligência onde estão compiladas as ações turcas.

Na terça-feira, durante uma conferência de imprensa, Mitsotakis declarou que provocações não serão e não devem ser toleradas, especialmente por parte de um país que se quer juntar à União Europeia.

  ZAP //

2 Comments

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.