FMI duvida da força da economia global para enfrentar tensões comerciais

International Monetary Fund / Flickr

Christine Lagarde, diretora-geral do FMI

Esta quarta-feira, a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou duvidar da capacidade da economia global para enfrentar a atual escalada de tensões comerciais e as divergências monetárias entre as economias avançadas e emergentes.

À margem da assembleia anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, que decorre até domingo, em Bali, na Indonésia, Christine Lagarde, diretora do FMIR, disse que “a economia é forte, o crescimento é forte, mas será a economia suficientemente forte? Eu não tenho certeza disso, o crescimento está a estagnar e está distribuído de forma desigual”.

Em conferência de imprensa, a responsável do FMI indicou que a combinação entre a incerteza sobre o quadro regulamentar do comércio internacional, os elevados custos de financiamento nos países emergentes e a normalização da política monetária nos Estados Unidos envolvem riscos “sem precedentes”.

Christine Lagarde insistiu na necessidade de reduzir as tensões comerciais, especialmente entre os EUA e a China, argumentando que uma escalada da tensão será prejudicial para vários países. Lagarde deixou um conselho, dividido em três partes: “Abrandem a escalada da tensão. Consertem o sistema. Não o destruam”.

A responsável disse acreditar que até agora não se registou “um contágio” e grandes danos causados pelas tarifas sobre as exportações impostas por Pequim e Washington, mas sublinhou existir o risco de se prejudicarem “atores internacionais passivos”.

Na terça-feira, o FMI publicou as novas projeções macroeconómicas, que apontam para uma redução na expansão da economia global (3,7% em 2018 e 2019), como consequência das dúvidas provocadas pelas tensões económicas entre Washington e Pequim.

Também à margem desta assembleia anual, o presidente do Banco Mundial (BM) afirmou estar a trabalhar com os países em desenvolvimento para se prepararem para uma possível deterioração do conflito comercial. Se as taxas continuarem a subir haverá uma “clara desaceleração da economia e o impacto nos países em desenvolvimento será maior”, avisou Jim Yong Kim.

“O comércio é fundamental porque foi isso que tirou as pessoas da pobreza extrema”, argumentou o responsável. “Eu sou um globalista. Esta é a nossa única alternativa para acabar com a pobreza extrema. Precisamos de mais comércio e não menos comércio”, concluiu.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Matteo Salvini considera que pode ser candidato à Comissão Europeia

Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana disse que deveria ser candidato à presidência da Comissão Europeia caso se verifique a vitória de "uma coligação soberanista" nas próximas eleições europeias. “É verdade. Amigos de diferentes países europeus …

Ryanair revela vídeo. Fotografia de tripulantes a dormir no chão foi encenada

Um vídeo divulgado pela Ryanair confirmou que a fotografia dos tripulantes portugueses a dormir no chão foi encenada. A imagem foi denunciada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC). De acordo com …

Jornalista saudita. Arábia transferiu 100 milhões para os Estados Unidos

A Arábia Saudita transferiu 100 milhões de dólares para os EUA nesta terça-feira, no mesmo dia em que o secretário de estado norte-americano Mike Pompeo chegou à capital Riade para discutir os contornos da morte …

Benfica contratou russos para investigar e-mails

O Benfica contratou uma empresa de cibersegurança e um escritório de advogados russos para identificar os responsáveis das empresas onde estão alojados os e-mails confidenciais divulgados pelos blogues anónimos. De acordo com a página de jornal …

Demissão de Rovisco Duarte terá sido imposta por novo ministro da Defesa

Rovisco Duarte apresentou a sua demissão ao ministro da Defesa, tendo sido João Gomes Cravinho quem o "empurrou" para a saída, avança o Observador. Esta quarta-feira de manhã, o Chefe de Estado Maior do Exército, Rovisco …

Centeno pode ter mais 150 milhões para aumentos na função pública

O ministro das Finanças já disse e repetiu que só tem 50 milhões de euros para aumentar os salários da função pública em 2019. No entanto, esta verba faz plano de um plano mais generoso, …

Governo muda as regras do jogo. Reforma antecipada só para quem aos 60 tem 40 anos de descontos

O Governo quer limitar, a partir de outubro do próximo ano, o acesso à reforma antecipada aos trabalhadores que começaram a descontar para a Segurança Social antes dos 20 anos. O Governo vai alterar o regime …

Vistos Gold representam um "sério risco de segurança" para a União Europeia

A comissária europeia da Justiça, Vera Jourova, criticou esta terça-feira os Estados-membros que têm a prática de atribuir 'vistos gold' a cidadãos extracomunitários ricos, instando-os a assegurar que a cidadania europeia não é concedida a …

Espanha em alerta vermelho por uma das piores tempestades da última década

Espanha está em alerta vermelho por causa da aproximação de duas tempestades, uma oriunda do Mediterrâneo e outra do Atlântico. O instituto de meteorologia espanhol prevê acumulação de chuva que pode ultrapassar os 100 litros …

Governo quer substituir manuais gratuitos depois de três utilizações

Os manuais escolares gratuitos, que no próximo ano serão distribuídos a um 1,2 milhões de alunos do 1.º ao 12.º ano, deverão ser utilizados três vezes e depois substituídos por novos, afirmou o secretário de …