Firerisk, a app de fogos de Castelo Branco, foi escolhida pelo Simplex. Mas fracassou

Filipe Farinha / Lusa

No ano passado, Castelo Branco era notícia por ter uma aplicação de alerta de incêndios, que fez parte do Simplex. O projeto terminou este ano por falta de dinheiro.

A Firerisk era uma aplicação criada em 2015, em Castelo Branco, por quatro portugueses. Um ano depois de ter sido desenvolvida, foi uma das apps escolhidas pelo concurso startup Simplex, da agência para a Modernização Administrativa, por ser uma “proposta de valor ligada à área do risco, ambiente, sustentabilidade e participação do cidadão”.

Em 2018, o primeiro passo foi dado pelo município albicastrense que contratou o serviço pela primeira vez, numa aposta “na prevenção [de incêndios] e alerta às populações, através do uso das novas tecnologias”. Mas o projeto teve uma vida curta e acabou em 2019.

Na sequência dos incêndios que deflagram noutros concelhos do distrito, Teresa Fonseca, a fundadora, disse ao Observador que “não podemos continuar a utilizar as mesmas estratégias e as mesmas ferramentas porque vemos que, ano após ano, as coisas falham”.

“Quando lançámos a aplicação e fomos validados no startup Simplex, tivemos contactos com a GNR e, na altura, propusemos a solução de integrar a rede viária e de, antecipadamente, o cidadão poder ser alertado, por exemplo, para não seguir por uma determinada via. Isto antes dos incêndios de Pedrógão, atenção. Nós não fomos reativos na nossa proposta. Já tínhamos pensado nela antes de esta tragédia acontecer. Portanto, o que é que posso dizer? É tudo uma questão de decisão institucional e de saber usar devidamente essa ferramenta”, afirmou a responsável.

“Ela não pode ser só adquirida e dizer que têm. Não. É preciso fazer um trabalho sério de sensibilização e que as pessoas reconheçam que aquela aplicação lhes é útil”, resumiu Teresa Fonseca.

Em março, o projeto encerrou definitivamente, como foi divulgado na página oficial do Facebook. O objetivo da aplicação era envolver entidades públicas e cidadãos para, com o serviço, referenciar-se zonas de riscos de incêndios e rapidamente a informação de alertas poder chegar a quem tinha a aplicação instalada.

De acordo com os dados avançados pelo diário, houve mais de 10 mil downloads, e a Firerisk só estava disponível para o sistema operativo Android.

No entanto, acabaram por surgir problemas que fizeram com que a Firerisk não conseguisse sobreviver. O primeiro objetivo “foi tentar vender ou criar uma parceria com a autoridade nacional de proteção civil”, que seria “um parceiro privilegiado”. Com o reconhecimento do programa Simplex e tendo sido uma das startups escolhidas do programa europeu Finodex, tudo parecia estar a correr bem, mas “apenas um município aderiu à aplicação”: Castelo Branco.

“Fomos desenvolvendo algumas ideias de negócio paralelas. O caminho foi fazendo-se assim. Ganhámos alguns prémios de reconhecimento. Mas, na verdade, a sustentabilidade do projeto não se conseguiu realizar”, conta Teresa Fonseca.

Ao que o Observador apurou, alguns municípios criticaram o funcionamento da plataforma, motivo pelo qual não contrataram o serviço. Mesmo assim, em 2018, a autarquia de Castelo Branco contratou o serviço da startup e, com esta parceria, o concelho teve “a integração da cartografia de risco e a disponibilização de um back office que permitia ao município emitir alertas municipais”.

Para Teresa Fonseca, a aplicação “surgiu demasiado cedo”. “Enquanto estivemos a gerir o risco e a emergência muito fechados naquilo que são as responsabilidade estatais e o cidadão não for devidamente envolvido, ferramentas como é o Firerisk ou outras que possam surgir nunca vão ter o sucesso devido”, disse ainda.

Ao mesmo jornal, João Pina – o programador que criou o fogos.pt para ajudar amigos bombeiros que se queixava que o site da Proteção Civil era pouco acessível – afirmou que a “Proteção Civil está focada em ferramentas de combate aos incêndios”, mas diz que entidade “está a mudar o paradigma e a fazer para mudar isso dentro das suas possibilidades”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Portugal no seu melhor, país faz de conta … fazem uma festa na apresentação, dizem que vai ser o futuro ate que …passado uns meses morre …as pessoas esquecem o poder politico ja nao quer saber porque não da votos e pronto …é como os parques publicos e jardins criam grandes zonas verdes fazem grande festa entretanto passa o tempo e vira matagal de silvas sem manutenção…

RESPONDER

UE quer 78% da população empregada até 2030. 35% dos trabalhadores pretendem mudar de emprego no próximo ano

Um estudo publicado recentemente mostra que 35% dos trabalhadores pretendem mudar de emprego no próximo ano. A Comissão Europeia vai propor uma meta de ter 78% da população da União Europeia (UE) empregada até 2030. De …

Príncipe Filipe “melhorou ligeiramente”, mas já há protocolo em caso de óbito real

Numa altura em que está prestes a completar 100 anos de idade, o marido da Rainha Isabel II encontra-se internado desde 16 de Fevereiro. Esta semana o duque de Edimburgo foi transferido de hospital devido …

Pedrógão Grande. Associação de Vítimas diz que relatório confirma que nada mudou na floresta

O relatório da comissão eventual de inquérito parlamentar sobre Pedrógão Grande confirma as preocupações da Associação de Vítimas relativamente à falta de ação na floresta da região. “[O relatório] confirma a evidência que já tínhamos de …

Nova Zelândia atingida por sismo de 7,2 na escala de Richter

Um sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter abalou, esta quinta-feira, a costa nordeste da Nova Zelândia. A proteção civil emitiu um alerta de tsunami, pedindo aos habitantes que se afastassem da costa, que …

Partido de extrema-direita alemão AfD colocado sob vigilância

A Alternativa para a Alemanha (AfD), partido de extrema-direita alemão, foi colocado sob vigilância a 25 de fevereiro pelo serviço de segurança interna do país, revelou na quarta-feira o Süddeutsche Zeitung. De acordo com o Expresso, …

Caso BES está parado há 8 meses (por causa de uma tradução para francês)

O caso BES está parado há oito meses. O atraso deve-se a uma tradução para francês das quatro mil páginas do processo, necessária para notificar três arguidos suíços. De acordo com o Jornal de Notícias, que …

Lopetegui continua interessado em Corona

O treinador dos espanhóis do Sevilha, Julen Lopetegui, continua interessado na contratação de Tecatito Corona, que alinha pelo FC Porto.  De acordo com o jornal La Razón, o treinador espanhol continua interessado na contratação do jogador mexicano …

Tem de haver "solidariedade estratégica" na pervensão de fogos. Costa oferece bonsai a Marcelo

O Presidente da República foi convidado especial do último Conselho de Ministros do seu primeiro mandato, dedicado às florestas, onde se discutiu o Programa Nacional de Ação do Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais. …

Bolsonaro volta a criticar os media. "Para a imprensa o vírus sou eu"

O Presidente brasileiro voltou a criticar a imprensa e, num momento de descontrolo da pandemia no país, afirmou que para os jornalistas o vírus é o próprio chefe de Estado. "Estamos a fazer o dever de …

Miguel Duarte foi ilibado da acusação de auxílio à imigração ilegal, "mas não foi feita justiça"

Miguel Duarte que, juntamente com outros ativistas, estava a ser acusado pela justiça italiana de ajuda à imigração ilegal, foi "ilibado", mas "o caso segue para tribunal com uma acusação aos restantes membros". A revelação foi …