Firerisk, a app de fogos de Castelo Branco, foi escolhida pelo Simplex. Mas fracassou

Filipe Farinha / Lusa

No ano passado, Castelo Branco era notícia por ter uma aplicação de alerta de incêndios, que fez parte do Simplex. O projeto terminou este ano por falta de dinheiro.

A Firerisk era uma aplicação criada em 2015, em Castelo Branco, por quatro portugueses. Um ano depois de ter sido desenvolvida, foi uma das apps escolhidas pelo concurso startup Simplex, da agência para a Modernização Administrativa, por ser uma “proposta de valor ligada à área do risco, ambiente, sustentabilidade e participação do cidadão”.

Em 2018, o primeiro passo foi dado pelo município albicastrense que contratou o serviço pela primeira vez, numa aposta “na prevenção [de incêndios] e alerta às populações, através do uso das novas tecnologias”. Mas o projeto teve uma vida curta e acabou em 2019.

Na sequência dos incêndios que deflagram noutros concelhos do distrito, Teresa Fonseca, a fundadora, disse ao Observador que “não podemos continuar a utilizar as mesmas estratégias e as mesmas ferramentas porque vemos que, ano após ano, as coisas falham”.

“Quando lançámos a aplicação e fomos validados no startup Simplex, tivemos contactos com a GNR e, na altura, propusemos a solução de integrar a rede viária e de, antecipadamente, o cidadão poder ser alertado, por exemplo, para não seguir por uma determinada via. Isto antes dos incêndios de Pedrógão, atenção. Nós não fomos reativos na nossa proposta. Já tínhamos pensado nela antes de esta tragédia acontecer. Portanto, o que é que posso dizer? É tudo uma questão de decisão institucional e de saber usar devidamente essa ferramenta”, afirmou a responsável.

“Ela não pode ser só adquirida e dizer que têm. Não. É preciso fazer um trabalho sério de sensibilização e que as pessoas reconheçam que aquela aplicação lhes é útil”, resumiu Teresa Fonseca.

Em março, o projeto encerrou definitivamente, como foi divulgado na página oficial do Facebook. O objetivo da aplicação era envolver entidades públicas e cidadãos para, com o serviço, referenciar-se zonas de riscos de incêndios e rapidamente a informação de alertas poder chegar a quem tinha a aplicação instalada.

De acordo com os dados avançados pelo diário, houve mais de 10 mil downloads, e a Firerisk só estava disponível para o sistema operativo Android.

No entanto, acabaram por surgir problemas que fizeram com que a Firerisk não conseguisse sobreviver. O primeiro objetivo “foi tentar vender ou criar uma parceria com a autoridade nacional de proteção civil”, que seria “um parceiro privilegiado”. Com o reconhecimento do programa Simplex e tendo sido uma das startups escolhidas do programa europeu Finodex, tudo parecia estar a correr bem, mas “apenas um município aderiu à aplicação”: Castelo Branco.

“Fomos desenvolvendo algumas ideias de negócio paralelas. O caminho foi fazendo-se assim. Ganhámos alguns prémios de reconhecimento. Mas, na verdade, a sustentabilidade do projeto não se conseguiu realizar”, conta Teresa Fonseca.

Ao que o Observador apurou, alguns municípios criticaram o funcionamento da plataforma, motivo pelo qual não contrataram o serviço. Mesmo assim, em 2018, a autarquia de Castelo Branco contratou o serviço da startup e, com esta parceria, o concelho teve “a integração da cartografia de risco e a disponibilização de um back office que permitia ao município emitir alertas municipais”.

Para Teresa Fonseca, a aplicação “surgiu demasiado cedo”. “Enquanto estivemos a gerir o risco e a emergência muito fechados naquilo que são as responsabilidade estatais e o cidadão não for devidamente envolvido, ferramentas como é o Firerisk ou outras que possam surgir nunca vão ter o sucesso devido”, disse ainda.

Ao mesmo jornal, João Pina – o programador que criou o fogos.pt para ajudar amigos bombeiros que se queixava que o site da Proteção Civil era pouco acessível – afirmou que a “Proteção Civil está focada em ferramentas de combate aos incêndios”, mas diz que entidade “está a mudar o paradigma e a fazer para mudar isso dentro das suas possibilidades”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Portugal no seu melhor, país faz de conta … fazem uma festa na apresentação, dizem que vai ser o futuro ate que …passado uns meses morre …as pessoas esquecem o poder politico ja nao quer saber porque não da votos e pronto …é como os parques publicos e jardins criam grandes zonas verdes fazem grande festa entretanto passa o tempo e vira matagal de silvas sem manutenção…

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …