Firerisk, a app de fogos de Castelo Branco, foi escolhida pelo Simplex. Mas fracassou

Filipe Farinha / Lusa

No ano passado, Castelo Branco era notícia por ter uma aplicação de alerta de incêndios, que fez parte do Simplex. O projeto terminou este ano por falta de dinheiro.

A Firerisk era uma aplicação criada em 2015, em Castelo Branco, por quatro portugueses. Um ano depois de ter sido desenvolvida, foi uma das apps escolhidas pelo concurso startup Simplex, da agência para a Modernização Administrativa, por ser uma “proposta de valor ligada à área do risco, ambiente, sustentabilidade e participação do cidadão”.

Em 2018, o primeiro passo foi dado pelo município albicastrense que contratou o serviço pela primeira vez, numa aposta “na prevenção [de incêndios] e alerta às populações, através do uso das novas tecnologias”. Mas o projeto teve uma vida curta e acabou em 2019.

Na sequência dos incêndios que deflagram noutros concelhos do distrito, Teresa Fonseca, a fundadora, disse ao Observador que “não podemos continuar a utilizar as mesmas estratégias e as mesmas ferramentas porque vemos que, ano após ano, as coisas falham”.

“Quando lançámos a aplicação e fomos validados no startup Simplex, tivemos contactos com a GNR e, na altura, propusemos a solução de integrar a rede viária e de, antecipadamente, o cidadão poder ser alertado, por exemplo, para não seguir por uma determinada via. Isto antes dos incêndios de Pedrógão, atenção. Nós não fomos reativos na nossa proposta. Já tínhamos pensado nela antes de esta tragédia acontecer. Portanto, o que é que posso dizer? É tudo uma questão de decisão institucional e de saber usar devidamente essa ferramenta”, afirmou a responsável.

“Ela não pode ser só adquirida e dizer que têm. Não. É preciso fazer um trabalho sério de sensibilização e que as pessoas reconheçam que aquela aplicação lhes é útil”, resumiu Teresa Fonseca.

Em março, o projeto encerrou definitivamente, como foi divulgado na página oficial do Facebook. O objetivo da aplicação era envolver entidades públicas e cidadãos para, com o serviço, referenciar-se zonas de riscos de incêndios e rapidamente a informação de alertas poder chegar a quem tinha a aplicação instalada.

De acordo com os dados avançados pelo diário, houve mais de 10 mil downloads, e a Firerisk só estava disponível para o sistema operativo Android.

No entanto, acabaram por surgir problemas que fizeram com que a Firerisk não conseguisse sobreviver. O primeiro objetivo “foi tentar vender ou criar uma parceria com a autoridade nacional de proteção civil”, que seria “um parceiro privilegiado”. Com o reconhecimento do programa Simplex e tendo sido uma das startups escolhidas do programa europeu Finodex, tudo parecia estar a correr bem, mas “apenas um município aderiu à aplicação”: Castelo Branco.

“Fomos desenvolvendo algumas ideias de negócio paralelas. O caminho foi fazendo-se assim. Ganhámos alguns prémios de reconhecimento. Mas, na verdade, a sustentabilidade do projeto não se conseguiu realizar”, conta Teresa Fonseca.

Ao que o Observador apurou, alguns municípios criticaram o funcionamento da plataforma, motivo pelo qual não contrataram o serviço. Mesmo assim, em 2018, a autarquia de Castelo Branco contratou o serviço da startup e, com esta parceria, o concelho teve “a integração da cartografia de risco e a disponibilização de um back office que permitia ao município emitir alertas municipais”.

Para Teresa Fonseca, a aplicação “surgiu demasiado cedo”. “Enquanto estivemos a gerir o risco e a emergência muito fechados naquilo que são as responsabilidade estatais e o cidadão não for devidamente envolvido, ferramentas como é o Firerisk ou outras que possam surgir nunca vão ter o sucesso devido”, disse ainda.

Ao mesmo jornal, João Pina – o programador que criou o fogos.pt para ajudar amigos bombeiros que se queixava que o site da Proteção Civil era pouco acessível – afirmou que a “Proteção Civil está focada em ferramentas de combate aos incêndios”, mas diz que entidade “está a mudar o paradigma e a fazer para mudar isso dentro das suas possibilidades”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Portugal no seu melhor, país faz de conta … fazem uma festa na apresentação, dizem que vai ser o futuro ate que …passado uns meses morre …as pessoas esquecem o poder politico ja nao quer saber porque não da votos e pronto …é como os parques publicos e jardins criam grandes zonas verdes fazem grande festa entretanto passa o tempo e vira matagal de silvas sem manutenção…

RESPONDER

Será que os cães conseguem farejar uma gravidez?

Já ouvimos falar de cães a farejar bombas e de cães a farejar cancro. E quanto à gravidez, o que poderá o nariz de um cão dizer? Há várias mulheres grávidas a relatar que o cão …

Quatro mortos em manifestações na Bolívia. São 23 desde o final de outubro

Comissão Interamericana de Direitos Humanos registou pelo menos 122 feridos desde sexta-feira. Já houve 23 vítimas mortais desde o final de Outubro, início da crise social e política na Bolívia. Quatro pessoas morreram no sábado em …

UE acusada de pagar aos próprios traficantes para travar imigração

A União Europeia conta com um processo no Tribunal Penal Internacional interposto por Omer Shatz e Juan Branco. A UE é acusado de pagar aos próprios traficantes para parar a imigração. Omer Shatz, advogado e professor …

Governo quer ter a primeira refinaria de lítio da Europa

O Governo quer abrir a primeira refinaria de lítio no continente europeu. No entanto, João Galamba refere que tudo depende dos resultados do estudo de impacto ambiental das minas. Sem confirmar que venha a haver minas …

Cientistas desvendam novas pistas sobre o maior macaco que já existiu

O mítico "Bigfoot" é uma criatura lendária mas, durante milhões de anos, o verdadeiro — um símio com o dobro do tamanho de um ser humano adulto — percorreu as florestas do Sudeste Asiático, antes …

Preço do tabaco pode aumentar. Decisão cabe ao Governo

Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um aumento do preço do tabaco, e a decisão depende agora do Governo. Os responsáveis do Programa Nacional para a Prevenção do Tabagismo propuseram um …

Derrocada em Borba. Um ano depois, ainda é uma ferida aberta e problemas continuam

Um ano depois do acidente na pedreira de Borba, o sindicato que representa os trabalhadores garante que os perigos persistem, enquanto a associação Assimagra salienta que foi um caso “isolado” e está a avançar com …

Caracóis estão a ficar amarelos para se adaptarem às alterações climáticas

Nas áreas urbanas, os caracóis estão a ficar com as cascas amarelas para se adaptarem às alterações climáticas. Os cientistas vão agora analisar os padrões das penas dos pássaros, para perceberem se também há uma …

Os terrenos contaminados de Fukushima vão tornar-se num centro de "energia verde"

Fukushima, local que sofreu um dos maiores desastres nuclear do mundo, vai reinventar-se e tornar-se num centro de energia renovável. Depois de ser atingido por um terramoto e um tsunami de 15 metros em 2011, três …

Cientistas identificaram neurónios específicos que mapeiam memórias

Neurocientistas descobriram um aspeto curioso de como a nossa memória funciona: Quando o cérebro precisa de recuperar informação relacionada com um lugar específico, neurónios individuais podem atingir memórias específicas. De acordo com o estudo publicado na …