Fezes ancestrais ajudam a descobrir como o microbioma afeta a nossa saúde

Um novo estudo, realizado em Israel e na Letónia, analisou fezes ancestrais e comparou-as com o nosso microbioma para tentar descobrir pistas sobre as doenças modernas.

A equipa de investigadores, que trabalhou enterrada até aos joelhos em latrinas dos séculos 14 e 15, descobriu que o ADN bacteriano de excrementos humanos pode durar séculos e fornecer pistas sobre como o conteúdo do nosso intestino terá mudado desde os tempos medievais.

De acordo com o The Guardian, a análise das duas fossas distintas – uma em Jerusalém e outra na capital da Letónia – poderá ajudar os cientistas a entender se as mudanças no microbioma afetam os problemas de saúde que temos hoje em dia.

O estudo publicado esta semana mostra que essas diferenças podem estar ligadas a muitas das doenças do mundo industrializado, como as doenças inflamatórias intestinais, alergias e mesmo a obesidade.

“No início, não tínhamos certeza se as assinaturas moleculares do conteúdo intestinal sobreviveriam nas latrinas durante centenas de anos”, disse Kirsten Bos, especialista em ADN bacteriano ancestral e coautora do estudo.

“Até agora, muitos dos nossos sucessos na recuperação de bactérias ancestrais vieram de tecidos calcificados, como ossos e tártaro dentário, que oferecem condições de preservação muito diferentes”, acrescentou Bos.

Um dos grandes desafios de trabalhar numa escavação arqueológica foi diferenciar o que eram fezes do que era terra. Mas a equipa de investigadores conseguiu identificar uma ampla gama de bactérias, vermes parasitas e outros organismos conhecidos por habitar o intestino dos humanos.

Kirsten Bos / MPISHH

Mapa que mostra a localização precisa das latrinas, indicadas a vermelho

As latrinas escolhidas teriam sido usadas por muitas pessoas para que fosse possível obter informação sobre a flora intestinal de comunidades inteiras e o estudo descobriu que o conteúdo microbiano dos excrementos medievais era exclusivo dos humanos modernos, incluindo aqueles que viviam como caçadores-coletores.

“Parece que as latrinas são, de facto, fontes importantes tanto para obter informações microscópicas como moleculares”, disse Bos. “Vamos precisar de muitos mais estudos noutros lugares arqueológicos e relativos a outros períodos de tempo para entender completamente como é que o microbioma mudou nos grupos humanos ao longo do tempo”, explicou.

A coautora do estudo considera, no entanto, que foi dado um “passo importante para mostrar que a recuperação de ADN de conteúdos intestinais ancestrais de latrinas antigas pode funcionar”.

Piers Mitchell, um paleopatologista da Universidade de Cambridge que também fez parte do estudo, disse que as latrinas antigas podem tornar-se numa fonte importante de informação biomolecular e permitir que os cientistas expliquem como é que os estilos de vida modernos afetam a saúde humana.

“Se queremos determinar o que constitui um microbioma saudável para as pessoas modernas, devemos olhar para os microbiomas dos nossos ancestrais, que viveram antes dos antibióticos, da fast food e de outras armadilhas da industrialização”, disse.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

A linguagem de Benoit está a morrer. O senegalês quer salvá-la através da música

O senegalês Benoit Fader Keita está a usar o poder da música para salvar a sua linguagem, ménik, que tem apenas 3 mil falantes e está em risco de extinção. Benoit Fader Keita nasceu no Senegal …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

 A doença misteriosa foi identificada, pela primeira vez, em 2015, num doente considerado um "caso isolado e atípico". Há quase dois anos, Roger Ellis desmaiou depois de ter tido uma convulsão durante o 40.º aniversário de …

Estudo sugere que há quatro tipos de Alzheimer

Uma equipa de investigadores sugere que há quatro tipos da doença de Alzheimer, que atacam diferentes zonas do cérebro e têm sintomas distintos. Um novo estudo sugere que o Alzheimer é uma doença bem mais complexa …

Jovens tentam salvar vidas na Índia através do Youtube. Plataforma elimina vídeos por serem "perigosos"

A Índia continua a debater-se com a grave crise sanitária desencadeada pela covid-19. Jovens indianos publicaram no Youtube vídeos a produzir oxigénio em casa, usando processos químicos ensinados nas escolas. A plataforma eliminou-os. De acordo com …

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso. Num email …

Bayern Munique 'festeja' nono título consecutivo com goleada

O Bayern Munique coroou este sábado o seu nono título consecutivo na Liga alemã de futebol com uma goleada no triunfo diante do Borussia Moenchengladbach (6-0), num jogo com um hat-trick de Lewandowski. Antes de pisar …

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …