Festival “afro-feminista” gera polémica em França

fidh-international-federation-for-human-rights / Flickr

Anne Hidalgo, Presidente da Câmara de Paris

Anne Hidalgo, Presidente da Câmara de Paris

Um festival planeado para este verão em Paris e reservado principalmente às mulheres negras desencadeou uma polémica, com a presidente da Câmara da capital francesa a defender a proibição de um evento “interdito aos brancos”.

Programado para acontecer de 28 a 30 de julho, o Nyansapo apresenta-se como um “festival afro-feminista europeu”. De acordo com o site do evento, é organizado em diversas áreas, incluindo um espaço “não misto mulheres negras (80% do festival)”, outro “não misto pessoas negras” e um “aberto a todos”.

“Exijo a proibição deste festival,” disse a presidente da capital francesa numa mensagem no Twitter. Anne Hidalgo advertiu também que pondera acusar “os promotores deste festival de discriminação” e condenou “firmemente a organização em Paris deste evento ‘interdito a brancos’”.

Apoiando esta posição, a organização antirracista SOS Racismo considerou este festival como uma “falha – senão uma abominação – porque se baseia na separação étnica”.

A associação Licra também se pronunciou, considerando que Rosa Parks, a mulher negra que se recusou a ceder o lugar no autocarro a um homem branco e que foi símbolo da defesa dos direitos dos negros, “deve estar a dar voltas ao caixão”, cita a AFP.

A polémica começou depois de, na sexta-feira passada, Wallerand de Saint-Justum, membro do partido de extrema-direita Frente Nacional, ter questionado a presidente da Câmara de Paris sobre o evento.

A coletividade Mwasi, que organiza o festival, reagiu dizendo que está a ser “alvo de uma campanha de desinformação e falsas notícias orquestrada pela extrema direita” e argumenta que “o festival é aberto a todos”, só que “alguns workshops é que são não mistos”.

“Estamos tristes por ver certas associações anti-racismo serem manipuladas desta forma”, lê-se num comunicado publicado no site da La Generale, centro cultural onde se vai realizar o evento.

Nas redes sociais, já surgiu a hashtag #JeSoutiensMwasi para defender a realização deste festival.

Esta segunda-feira, a autarca da capital francesa escreveu no Twitter que, “graças à sua intervenção”, foi encontrada uma “solução clara” com os organizadores do evento. “O festival será num local público e, por isso, aberto a todos. Os ateliês não mistos serão realizados num ambiente estritamente privado”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …