Ferro Rodrigues não aceita projeto de lei do Chega por inconstitucionalidade

Tiago Petinga / Lusa

O projeto de lei do Chega para limitar o cargo de primeiro-ministro e outros governantes apenas a portadores de nacionalidade portuguesa originária foi rejeitado pela Assembleia da República devido a inconstitucionalidade.

O despacho do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, em que se anuncia ao deputado do Chega, André Ventura, a não aceitação do projeto, e a que a Lusa teve acesso, tem a data de 25 de setembro.

Ferro Rodrigues argumentou que o projeto não reúne os requisitos de admissibilidade por violar a alínea a) do número 1 do artigo 120.º do Regimento da Assembleia.

Esse artigo, sobre os limites de uma iniciativa, dispõe que “não são admitidos projetos e propostas de lei ou propostas de alteração que infrinjam a Constituição ou os princípios nela consignados”.

Eduardo Ferro Rodrigues invocou, ainda, no seu despacho um parecer nesse sentido da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais em que se considerou inconstitucional a proposta do Chega por violar o artigo 50.º que define que “todos os cidadãos têm o direito de acesso, em condições de igualdade e liberdade, aos cargos públicos”.

No seu despacho, o presidente do parlamento recorda o que prevê o projeto de lei do deputado do Chega, que apenas possam ser membros do Governo cidadãos portugueses com nacionalidade originária, a exemplo do que acontece com o Presidente da República e que pediu um parecer sobre a admissibilidade à comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias

Em seguida, cita esse parecer, da autoria da deputada Mónica Quintela, do PSD, que concluiu pela inconstitucionalidade do projeto. O parecer foi aprovado por unanimidade na comissão, na ausência de André Ventura, que não esteve na reunião, e concluiu que o projeto de diploma viola pelo menos dois artigos da Constituição da República.

O primeiro é o artigo 50.º, n.º 1, que garante que “todos os cidadãos têm o direito de acesso, em condições de igualdade e liberdade, aos cargos públicos”.

O segundo é artigo 18.º, no seu n.º 2, segundo o qual uma lei “só pode restringir os direitos, liberdades e garantias nos casos expressamente previstos na Constituição, devendo as restrições limitar-se ao necessário para salvaguardar outros direitos ou interesses constitucionalmente protegidos”.

Todos a favor do parecer

Na reunião de 23 de setembro da comissão, todos os grupos parlamentares presentes (PS, PSD, BE, PCP e CDS) se manifestaram a favor do parecer e pela inconstitucionalidade da lei proposta pelo Chega. “Padece de uma desconformidade constitucional”, segundo Cláudia Santos, do PS, é de “inconstitucionalidade grosseira e intransponível” na discussão na especialidade, de acordo com José Manuel Pureza, do BE, e de “inconstitucionalidade irremediável”, nas palavras de António Filipe, do PCP.

Ao contrário do que já aconteceu com outros projetos, que levantaram dúvidas de constitucionalidade, e foram admitidos, neste caso Mónica Quintela, com o apoio das restantes bancadas, considerou que o problema não é passível de ser resolvido numa eventual discussão na especialidade, argumento repetido no despacho de Ferro Rodrigues.

Porque o objeto do diploma é, por si, a fonte do problema de constitucionalidade – limitar o exercício dos cargos de primeiro-ministro, ministros e secretários de Estado “apenas a indivíduos portadores de nacionalidade portuguesa originária”, a exemplo do que acontece com o Presidente da República.

Na comissão estão ainda pendentes os pareceres de duas iniciativas do Chega, que igualmente levantaram dúvidas de contitucionalidade ais deputados.

O primeiro é um projeto de lei que estabelece “um número máximo de ministros no Governo”, uma competência exclusiva do executivo, e o segundo é um projeto de resolução pela realização de um referendo para a redução do número de deputados à Assembleia da República.

Ferro Rodrigues pede parecer sobre projeto de revisão constitucional

O presidente da AR pediu também um parecer sobre a constitucionalidade do projeto de revisão da lei fundamental apresentado pelo deputado do Chega, André Ventura. A nomeação do autor do parecer já figura na agenda da reunião de quarta-feira de manhã da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

O parecer, segundo a agenda da comissão divulgada no site da Assembleia da República, tem por objectivo avaliar “a constitucionalidade do Projeto de Revisão Constitucional n.º 3/XIV/2.ª (CH)”, a pedido do presidente do parlamento.

O projeto de revisão constitucional do Chega, anunciado em 22 de Setembro, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a lei fundamental.

Segundo a iniciativa do partido, a Constituição da República Portuguesa passaria a permitir a “pena coerciva de castração química ou física a indivíduos condenados pelos tribunais portugueses por crimes de violação ou abuso sexual de menores, abuso sexual de menores dependentes e atos sexuais com adolescentes”, assim como a “pena de prisão perpétua para crimes especialmente graves, a definir em legislação especial”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Ferro Rodrigues fez muito bem em solicitar parecer sobre o projeto de revisão constitucional; a violação e abuso de menores constitui matéria particularmente delicada e, como tal, deve merecer-lhe particular acuidade.

  2. Nao podemos aceitar no pais e assistir a pessoas na politica insenciveis a difrentes realidades do pais… nao podemos assistir a degradacao da assembleia da republica…por mim Fechava por ‘e aberracao e rasgava a constituicao e toca escrever novas leis como deve de ser…. aquilo por la ‘e so manipulacao, um franezim de anciedade por manipulacao constante….pais nao avanca, aquela gente nao entende o pais nem tao pouco as gentes…. sera dificil entender… a coisas na constituicao muito aberrantes para nossos tempos…. ora para os querem que tudo fique na mesma a beneficiar e a usufruir de bens e servicos da nacao teem de ter e ser acusados de laxismos e de associacao criminosa porque tempo passa e nao se ve nada a mudar… tempos sao exigentes entao temos de viver com aquilo que produzimos e nao andar de mao estendida… porque um dia UE chateiam se e vamos assistir a gravicimos consequencias…

    Nao metem cabeca a areia e dizer que esta tudo bem… amahanha ‘e outro dia… mas amaha ja’e tarde.

    Quem vai pagar, Novas Geracoes… e voce morrera de remorcos ou de ignorancia….’e isso que querem para Futuro…

RESPONDER

Costa diz que estado de emergência é "prematuro" e põe de lado o recolhimento obrigatório

Numa altura em que o número de infetados não pára de subir em Portugal, o Governo prefere manter a situação de calamidade para dar resposta à pandemia, o que permite tomar medidas como o confinamento …

22-0: a soma de dois jogos, no mesmo dia

Com claro destaque para o que aconteceu nos Países Baixos: 13-0, vitória do Ajax. Recorde no campeonato holandês, cinco golos de um jogador, um guarda-redes a querer marcar uma grande penalidade... O que aconteceu no sábado, …

Aminoácido produzido no cérebro pode prevenir ataques epiléticos

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Florida descobriu que um aminoácido produzido pelo cérebro pode desempenhar um papel crucial na prevenção de um tipo de ataque epilético. As crises epiléticas do …

Ir à escola, viajar e assistir a espetáculos. As exceções à proibição de circulação entre concelhos

No final do último Conselho de Ministros, na semana passada, o Governo anunciou a proibição de circulação entre concelhos entre as 0h de 30 de outubro e as 6h de 3 de novembro, englobando o …

País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França "perdeu o controlo"

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu …

"Dia histórico". Senado confirma nomeação de Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos EUA

O Senado norte-americano confirmou segunda-feira à noite a juíza Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, o que representa uma vitória política para o Presidente Donald Trump a poucos dias das eleições …

Os olhos das corujas podem ter uma "lente" que melhora a visão noturna

As corujas capturam as suas presas durante a noite. Uma nova investigação sugere que há algo de especial na forma como as moléculas de ADN nos olhos das corujas estão acondicionadas, uma característica que lhes …

Os extraterrestres podem estar a observar-nos à distância (em mais de 1.000 estrelas diferentes)

Da mesma forma que nós, da Terra, já detetámos vários milhares de planetas ao redor de outras estrelas, uma hipotética civilização alienígena poderia ter detetado a nossa presença. Mas de que posições no Espaço isso seria …

Afinal, o buraco negro mais próximo da Terra pode não ser um buraco negro

Um objeto identificado no início deste ano como o buraco negro mais próximo da Terra pode, afinal, não o ser. Depois de reanalisar os dados, diferentes equipas de cientistas concluíram que o sistema HR 6819 …

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …