Dois meses depois, Félix volta a marcar e diz que não se importa de ficar no banco

2

Mariscal / EPA

João Félix voltou a ver o seu nome na lista de marcadores após quase dois meses. O avançado disse que não se importa de ficar no banco, algo que “já aconteceu no Benfica”.

Embora melhor do que a sua época de estreia, este não está a ser um ano particularmente excecional para João Félix. Em menos 12 jogos, o internacional português já conseguiu igualar os nove golos marcados na temporada passada. Ainda assim, esteve quase dois meses sem fazer as redes da baliza balançar até à noite deste domingo.

No encontro frente ao Valencia, o Atlético Madrid até começou a perder, mas conseguiu dar a volta ao marcador. Félix marcou o golo da igualdade aos 23 minutos, conseguindo ainda embolsar uma assistência para o tento de Luis Suárez, aos 54′. Ángel Correa deu a machadada final aos 72 minutos.

“Começámos a perder, mas somos uma equipa que luta até final. Felizmente conseguimos vencer e estamos felizes por isso”, disse o português no final da partida, que aproveitou ainda momento para elogiar o companheiro Luis Suárez: “É perfeito ter um avançado assim. Já tínhamos o Morata e o Diego e agora temos o Luis, que faz golos e ajuda muito”.

O último golo de João Félix tinha sido frente ao Bayern Munique, a 1 de dezembro, em jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões.

O jovem desvalorizou a seca de golos e disse não se importar se tiver de ficar no banco mais vezes: “Já aconteceu no Benfica e lidei perfeitamente com isso. Sei do que sou capaz. Quando me colocam a jogar, eu limito-me a desfrutar”.

O treinador do ‘Atleti’, Diego Simeone, disse não ter dúvidas sobre a qualidade de João Félix, acreditando no seu potencial independentemente dos minutos de jogo.

“Não está escrito que os jogadores tenham de fazer 90 minutos. Há cinco substituições, para que todos possam ter uma hipótese. O João Félix fez um golo e uma assistência, um bom jogo, e depois entrou o Correa que marcou um golo e esteve perto de fazer outro. O João Félix é importante e precisamos dele, mas há que dar tempo a todos”, explicou o técnico argentino.

  Daniel Costa, ZAP //

2 Comments

  1. Mais um produto das escolas “encarnadas”. Só saem “prodígios” desta escola.

    Mas 1 ou 2 anos e ninguém sabe quem é este “renato”…

  2. Quem ficou tramado com o 126 foi o comprador e em parte não é mal feito, só que se deveria saber de onde surgem tantos milhões para alimentar esta doença da bola.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE