Famílias portuguesas devem mais de 25 mil milhões aos bancos

Enquanto que o crédito às empresas continua em queda, desde 2013 que o total das dívida no crédito ao consumo não era tão elevado.

De acordo com os dados do Banco de Portugal, em 2017 foi registado o valor mais alto em quatro anos de empréstimos concedidos, com o stock a subir em 983 milhões de euros e a chegar aos 25,14 mil milhões de euros.

A notícia é avançada pelo Diário de Notícias, esta quarta-feira, que refere que as famílias portuguesas devem neste momento aos bancos mais de 25 mil milhões de euros. Desde o final de 2013 que o montante total em dívida aos bancos não era tão elevado.

Segundo o jornal, os bancos têm concedido, em média, 350 milhões por mês em crédito ao consumo, o único segmento em que o ritmo de novos empréstimos superou o das amortizações. Esta prática reflete uma maior confiança na economia assim como na disponibilidade da banca.

“O consumidor é sempre muito reativo, pela positiva, à oferta de crédito, sobretudo em contextos de maior confiança, como é o caso. Portanto, é fácil de explicar por esta via o aumento do stock de crédito ao consumo”, diz Filipe Garcia, economista da IMF, ao DN.

O economista da IMF alerta, no entanto, que “há espaço para os mesmos erros do passado com os portugueses a arriscar situações de sobre-endividamento“.

Em contraste, no que concerne às empresas, o stock dos empréstimos a empresas privadas desceu 3,24 mil milhões de euros, atingindo 71 mil milhões.

//