“Factos alternativos” de Trump fazem disparar as vendas de “1984”, de George Orwell

(dr) Virgin Films

“1984”, de George Orwell

O romance “1984”, de George Orwell, subiu ao primeiro lugar das vendas da Amazon, depois de declarações incorretas ou improváveis proferidas pelo presidente norte-americano Donald Trump terem sido descritas como “factos alternativos” por assessores da Casa Branca.

O livro de George Orwell, publicada em 1949, retrata uma sociedade que vive sob um regime político totalitário e repressivo e é frequentemente recordado por ter previsto um mundo onde os cidadãos estavam sob constante vigilância. No entanto, há uma particularidade que por vezes fica de fora das comparações com a atualidade: o facto de o governo do “Big Brother” tentar também controlar os pensamentos dos cidadãos.

Na obra, Orwell descreve um aparelho de Estado que, através do seu Ministério da Verdade, distorce os factos e reescreve partes da História – alterando mesmo os arquivos dos jornais para apagar pessoas das fotografias e “corrigir” previsões económicas – que não se adaptam mais às narrativas do Governo, incentivando também os cidadãos a um “duplopensar” – acreditar em mais do que uma versão dos factos simultaneamente.

Os alarmes soaram a todos os que leram a obra de George Orwell quando Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca, afirmou aos jornalistas que a cerimónia de tomada de posse do presidente dos EUA foi a mais vista de sempre, embora as imagens digam o contrário. No dia seguinte, Kellyanne Conway, conselheira de Trump, argumentava que Sean Spicer ofereceu “factos alternativos” às notícias veiculadas.

A postura foi imediatamente caracterizada como “Orwelliana” pela forma como tenta explicitamente distorcer a verdade. O entrevistador Chuck Todd sublinhou à conselheira de Trump que “factos alternativos” são “falsidades“.

“‘Factos alternativos’ é uma expressão de George Orwell”, recordou Karen Tumulty, do Washington Post. “Isto traz-nos ao duplopensar de ‘1984’, onde guerra é paz, onde fome é fartura. É o que está a acontecer aqui”, acrescentou o historiador político Allan Lichtman, também na CNN.

A editora Penguin anunciou ter já mandado mandou imprimir, esta semana, 75 mil cópias do livro, para dar resposta à súbita procura.

O aumento de vendas também se verificou no ensaio “As origens do totalitarismo” (1951), de Hannah Arendt, no romance “It Can’t Happen Here“(1935), de Sinclair Lewis, sobre a eleição de um presidente autoritário, e no clássico distópico “Admirável Mundo Novo” (1932), de Aldous Huxley.

(dr) Virgin Films

"1984", de George Orwell

“1984”, de George Orwell

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Claro!
    Este livro distópico é uma analogia aos regimes socialistas do século passado, com uma figuração que levou estes regimes a um governo globalista, o que faz a esquerda com a Nova Ordem Mundial hoje, causa na qual Trump está jogando baldes de água fria.
    Quem sabe o povo esteja comprando estes livros justamente por engajar-se ou sentir-se curioso com estas atitudes anti-globalistas/anti-comunistas do Trump. Caso não seja essa hipótese, nada mais é do que o “doublethink” premonitório de Orwell em plena ação, o povo é mesmo manipulado/idiota.

  2. Concordo plenamente..

    .. é um facto que as pessoas são parciais julgando saber aquilo, que por sua suposta autoria, nada mais é o que a “máquina” lhes dá como alimento. A verdade é que alguns nasceram para ser “ovelhas” e outros para serem “lobos”.. não se iludam que existe algo mais que isto.

RESPONDER

Helicóptero do INEM avariou durante missão. Vítima que ia socorrer acabou por morrer

Um helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), localizado em Loulé, teve uma avaria a meio de uma missão de socorro, sendo obrigado a abortar a viagem que visava ajudar uma mulher de 22 …

Águas do Porto alerta para cobranças fraudulentas porta a porta

A empresa municipal Águas do Porto alertou, esta segunda-feira, para uma fraude que está a ser cometida em seu nome com falsos funcionários que tentam fazer cobranças à porta. De acordo com a Águas do Porto, …

Um terço dos universitários de Lisboa já sofreu violência sexual física

Um terço dos estudantes universitários da área metropolitana de Lisboa já foi vítima de violência sexual física pelo menos uma vez, mas são muitos poucos os que denunciam as agressões, raramente o fazendo à …

OE2020: Esquerda vai negociar "até ao último minuto". PSD não comenta eventual traição madeirense

O Governo apresentou, nesta terça-feira, na Assembleia da República, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) aos partidos com representação parlamentar. Dos encontros, não saiu fumo branco, com o Bloco …

Turismo fez subir o custo de vida dos portugueses. Salários continuam estagnados

O crescimento do turismo em Portugal fez crescer o custo de vida dos portugueses, especialmente nos que vivem nas grandes cidades, apesar de estes continuarem com os salários estagnados, escreve o Jornal de Notícias. Entre 2013 …

Contrato público. Amazon apresenta queixa em tribunal contra Trump

A Amazon revela que os "insistentes ataques públicos e de bastidores" de Donald Trump contra Jeff Bezos causaram "pressão" que levou à perda de contrato público com o Departamento de Defesa.  A Amazon apresentou uma queixa …

Empurrões, insultos e (talvez) um murro: Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro perderam as estribeiras no túnel do Jamor

Os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro, desentenderam-se no túnel de acesso ao relvado do Estádio Nacional, ao intervalo do jogo em que as duas equipas empataram a uma bola. …

Acordo entre Rússia e Ucrânia para cessar-fogo até ao final do ano

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, chegaram na segunda-feira à noite a um acordo de cessar-fogo que deverá ter efeito até ao final do ano de 2019. "As partes …

Nova Zelândia abre investigação. Erupção do Whakaari já fez pelo menos 13 mortos

Pelo menos cinco pessoas morreram e oito continuam desaparecidas, na sequência da erupção do vulcão Whakaari, na Nova Zelândia. As autoridades afirmam que há poucas chances de terem sobrevivido. "Diria com forte convicção de que ninguém …

Falhas no acesso a remédios não são exclusivo do SNS. No resto da Europa também há, diz ministra

A ministra da Saúde afirmou que as falhas no acesso a medicamentos não são "um exclusivo nacional", estando em discussão entre os Estados-membros uma "estratégia global para o acesso ao medicamento". A ministra da Saúde afirmou …