“Factos alternativos” de Trump fazem disparar as vendas de “1984”, de George Orwell

(dr) Virgin Films

“1984”, de George Orwell

O romance “1984”, de George Orwell, subiu ao primeiro lugar das vendas da Amazon, depois de declarações incorretas ou improváveis proferidas pelo presidente norte-americano Donald Trump terem sido descritas como “factos alternativos” por assessores da Casa Branca.

O livro de George Orwell, publicada em 1949, retrata uma sociedade que vive sob um regime político totalitário e repressivo e é frequentemente recordado por ter previsto um mundo onde os cidadãos estavam sob constante vigilância. No entanto, há uma particularidade que por vezes fica de fora das comparações com a atualidade: o facto de o governo do “Big Brother” tentar também controlar os pensamentos dos cidadãos.

Na obra, Orwell descreve um aparelho de Estado que, através do seu Ministério da Verdade, distorce os factos e reescreve partes da História – alterando mesmo os arquivos dos jornais para apagar pessoas das fotografias e “corrigir” previsões económicas – que não se adaptam mais às narrativas do Governo, incentivando também os cidadãos a um “duplopensar” – acreditar em mais do que uma versão dos factos simultaneamente.

Os alarmes soaram a todos os que leram a obra de George Orwell quando Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca, afirmou aos jornalistas que a cerimónia de tomada de posse do presidente dos EUA foi a mais vista de sempre, embora as imagens digam o contrário. No dia seguinte, Kellyanne Conway, conselheira de Trump, argumentava que Sean Spicer ofereceu “factos alternativos” às notícias veiculadas.

A postura foi imediatamente caracterizada como “Orwelliana” pela forma como tenta explicitamente distorcer a verdade. O entrevistador Chuck Todd sublinhou à conselheira de Trump que “factos alternativos” são “falsidades“.

“‘Factos alternativos’ é uma expressão de George Orwell”, recordou Karen Tumulty, do Washington Post. “Isto traz-nos ao duplopensar de ‘1984’, onde guerra é paz, onde fome é fartura. É o que está a acontecer aqui”, acrescentou o historiador político Allan Lichtman, também na CNN.

A editora Penguin anunciou ter já mandado mandou imprimir, esta semana, 75 mil cópias do livro, para dar resposta à súbita procura.

O aumento de vendas também se verificou no ensaio “As origens do totalitarismo” (1951), de Hannah Arendt, no romance “It Can’t Happen Here“(1935), de Sinclair Lewis, sobre a eleição de um presidente autoritário, e no clássico distópico “Admirável Mundo Novo” (1932), de Aldous Huxley.

(dr) Virgin Films

"1984", de George Orwell

“1984”, de George Orwell

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Claro!
    Este livro distópico é uma analogia aos regimes socialistas do século passado, com uma figuração que levou estes regimes a um governo globalista, o que faz a esquerda com a Nova Ordem Mundial hoje, causa na qual Trump está jogando baldes de água fria.
    Quem sabe o povo esteja comprando estes livros justamente por engajar-se ou sentir-se curioso com estas atitudes anti-globalistas/anti-comunistas do Trump. Caso não seja essa hipótese, nada mais é do que o “doublethink” premonitório de Orwell em plena ação, o povo é mesmo manipulado/idiota.

  2. Concordo plenamente..

    .. é um facto que as pessoas são parciais julgando saber aquilo, que por sua suposta autoria, nada mais é o que a “máquina” lhes dá como alimento. A verdade é que alguns nasceram para ser “ovelhas” e outros para serem “lobos”.. não se iludam que existe algo mais que isto.

RESPONDER

Prosecco ou prošek? A batalha da UE entre Itália e Croácia por causa de vinho

Prosecco é provavelmente o vinho italiano mais famoso, mas por trás da efervescência deste néctar, a Itália está numa grande disputa sobre se a Croácia pode vender um vinho de sobremesa com o nome de …

China vai limitar abortos. E nada tem a ver com saúde

A China vai reduzir o número de abortos realizados por motivos que não estejam relacionados com a saúde, anunciou o governo esta segunda-feira, avançando que serão também criadas medidas para evitar a gravidez indesejada. As autoridades …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: SL7, arte e paciência

Líder soma e segue. Leões e dragões vencem à justa. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder reina no castelo Vitória SC 1 (Bruno Duarte 78', g.p.) – SL Benfica …

"Atropelamento e fuga." Terra e Vénus cresceram como planetas rebeldes

Planetas como a Terra e Vénus, que residem dentro de Sistemas Solares, são fruto de repetidas colisões. Esta conclusão desafia os modelos convencionais sobre a formação de planetas. Investigadores do Laboratório Lunar e Planetário (LPL) da …

A origem do "Gigante de Segorbe" pode finalmente ter sido esclarecida

Um novo estudo revela que a origem do "Gigante de Segorbe" pode ser bastante mais complexa daquilo que se pensava. O "Gigante de Segorbe", como é conhecido, foi um indivíduo encontrado por arqueólogos numa necrópole islâmica …

Instagram suspende planos de uma versão da aplicação para crianças

Para já, a empresa ainda não fez se se trata de um abandono temporário ou definitivo. Tempestade mediática em torno da influência das redes sociais na saúde mental dos jovens, sobretudo raparigas, pode ter influenciado …

Com todos os votos contados, PS vence com pior resultado que em 2013 e PSD conquista 113 câmaras

PS continua a ser o partido com mais representação autárquica em Portugal, apesar de cair para números anteriores à liderança de António Costa. PSD recupera das hecatombes de 2013 e 2017. Quase 24 horas depois após …

Presidente sul-coreano admite proibir consumo de carne de cão

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, admitiu, esta segunda-feira, a possibilidade de proibir o consumo de carne de cão, costume que se tornou "uma vergonha internacional", segundo fonte do seu gabinete. "Não terá chegado …

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …