Facebook paga multa recorde de 4,5 mil milhões por violação de privacidade

Anthony Quintano / Wikimedia

Mark Zuckerberg, o criador da rede social Facebook.

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos acordou uma multa recorde de 4,5 milhões de euros para o Facebook devido a várias violações de privacidade dos utilizadores.

“O Facebook, Inc. pagará uma multa recorde de 5 mil milhões de dólares [4,5 mil milhões de euros] e ficará submetido a novas restrições”, lê-se no comunicado oficial da Comissão Federal de Comércio (FTC) divulgado esta quarta-feira. “A empresa violou um pedido da FTC de 2012 enganando os utilizadores sobre a sua capacidade de controlar a privacidade das suas informações pessoais”, acrescentou.

Esta é a maior multa de sempre emitida pela Comissão Federal de Comércio a uma empresa tecnológica. Apesar de o valor parecer estrondoso, para os bolsos de Mark Zuckerberg são meros “trocos”, já que, no ano passado, o Facebook apresentou receitas de 56 mil milhões de euros.

A multa resultou de um acordo entre a empresa e a agência norte-americana, que prevê ainda que Zuckerberg fique encarregue do cumprimento das normas de privacidade impostas, caso contrário pode ficar exposto a penalizações criminais. Apesar do acordo, o Facebook não se considerou culpado de nenhuma das acusações.

“A magnitude da multa de 4,5 mil milhões de euros e o amplo alívio da conduta não têm precedentes na história da FTC”, disse em comunicado o presidente da agência, Joe Simons. Segundo a Associated Press, as novas restrições impostas vão “diminuir a probabilidade de violações de privacidade contínuas”.

“O pedido exige que o Facebook reestruture sua abordagem à privacidade e estabeleça novos mecanismos para garantir que os executivos do Facebook sejam responsáveis pelas decisões que tomam sobre privacidade, e que essas decisões estejam sujeitas a uma supervisão significativa“, lê-se no relatório da FTC.

A multa surge após várias controvérsias em que o Facebook se viu envolvido em torno da violação dos direitos de privacidade dos utilizadores. Ainda assim, o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, disse em março deste ano que pretendia converter o Facebook numa “plataforma de comunicações centrada na privacidade”.

Microsoft e Sony perdem acesso

A Microsoft e a Sony, dois parceiros do Facebook que tinham acesso aos dados dos utilizadores, vão deixar de poder bisbilhotar essa informação. Segundo o Tech Crunch, Zuckerberg assumiu que foi um erro permitir que as duas empresas tivessem acesso às informações privadas dos utilizadores.

No entanto, notou que “não foi encontrada nenhuma evidência de que algum dado foi usado em violação das nossas políticas”.

A Microsoft e a Sony eram as sobreviventes de uma lista de 12 parceiros que tinha acesso às informações, mas com quem o Facebook limitou o acesso no ano passado. Nessa lista figuravam empresas de renome como Yahoo, Spotify, Netflix e Blackberry, que, juntamente com as outras, tinham acesso aos contactos dos utilizadores e a informações relativas a quando era feito um login com o Facebook.

“O nosso código permitia o acesso contínuo a dados para alguns dos nossos parceiros”, disse o vice-presidente de parceiras de produtos do Facebook, Ime Archibong, após ser alertado sobre um bug e ter investigado o código.

“Apesar das repetidas promessas a milhões de utilizadores em todo o mundo de que eles poderiam controlar a forma como as suas informações pessoais são partilhadas, o Facebook solapou as escolhas dos consumidores“, alertou Joe Simmons.

Ainda este mês, o cofundador da Apple, Steve Wozniak, avisou os utilizadores do Facebook para a violação da privacidade que existe na plataforma e disse para saírem da rede social para sempre.

Cambridge Analytica processada

A Comissão Federal de Comércio anunciou também que vai processar a Cambridge Analytica, tendo já chegado a um acordo com o seu antigo CEO, Alexander Nix, e com um dos seus criadores de aplicações, Aleksandr Kogan.

Num outro comunicado oficial emitido pela FTC, a agência alega que a Cambridge Analytica e o criador de aplicações “empregavam táticas enganosas para recolher informações pessoais de dezenas de milhões de utilizadores do Facebook para definição de perfis e segmentação de eleitores”.

A empresa terá usado informações de 50 milhões de perfis do Facebook para ajudar a eleger Donald Trump como presidente dos Estados Unidos. A Cambridge Analytica mentiu aos utilizadores defendendo que não iria recolher o nome ou qualquer outra informação identificável — alegando que apenas estavam interessados na demografia e nos likes.

“A FTC alega que a Cambridge Analytica, Nix e Kogan enganaram os consumidores alegando falsamente que não recolheram nenhuma informação pessoalmente identificável de utilizadores do Facebook que foram solicitados a responder perguntas da sondagem e a compartilhar alguns dos dados dos seus perfis do Facebook”, lê-se no comunicado.

Ficou então acordado que toda a informação pessoal dos utilizadores que foi recolhida deve ser imediatamente apagada. Em maio do ano passado, a empresa anunciou que tinha iniciado um processo de falência e que tinha cessado “todas as atividades”.

DC, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

É a quantidade de alimento que determina quem se torna a abelha-rainha

Um novo estudo sugere que é a quantidade de alimento, e não a sua qualidade, como se pensava até agora, que determina quem se torna a abelha-rainha. Quais são os fatores que determinam qual é a …

Em Miami e Nova Iorque, os polícias ajoelharam-se por George Floyd

Em Miami e em Nova Iorque, alguns agentes da autoridade juntaram-se aos manifestantes por breves momentos, para mostrar o seu respeito pela memória de George Floyd. Nos Estados Unidos, os protestos pela morte de George Floyd …

A Nova Zelândia está em cima de uma enorme bolha de lava

A Nova Zelândia situa-se no topo dos restos de uma pluma vulcânica gigante. Este processo é o responsável pela atividade vulcânica e desempenha um papel fundamental no funcionamento do nosso planeta. Nos anos 70, vários cientistas …

Petição busca estatuto de vítima para crianças em contexto de violência doméstica

Uma petição lançada na sexta-feria que reivindica a criação do estatuto de vítima para as crianças que vivem em contexto familiar de violência doméstica já foi assinada por mais de 1300 pessoas, entre elas personalidades …

Assimétrica e flutuante. A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai "nascer" em 48 horas

A primeira casa impressa em 3D na República Checa vai estar pronta no próximo mês para demonstrar a velocidade e a eficácia de uma técnica de construção que será sete vezes mais rápida e terá …

Anonymous garantem que princesa Diana foi assassinada para abafar caso Epstein

O movimento internacional de ciberativistas Anonymous - ou alguém que alega operar em seu nome - garante que a princesa Diana, que morreu num acidente de viação em agosto de 1997, foi, na verdade, assassinada …

Empresa de mineração pede desculpa por destruir cavernas sagradas aborígenes

A empresa mineira Rio Tinto admitiu que destruiu as cavernas pré-históricas que eram locais de culto para os aborígenes australianos e pediu desculpa. As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 – dois locais de …

Itália exige "respeito": vai abrir fronteiras, mas excluir países que impõem restrições a italianos

Apesar de acredita "no espírito europeu", o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano sublinhou que o país está pronto "para fechar as fronteiras" àqueles que não o respeitem. A Itália vai abrir as suas fronteiras internacionais a …

As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este "inimigo invisível" veio trazer à tona as fragilidades do país. As Forças Armadas da …

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …