Exprimir emoções (mesmo raiva e ódio) deixa-nos felizes

As pessoas são mais felizes quando são capazes de se expressar emocionalmente, mesmo que sejam sentimentos desagradáveis, como raiva e ódio, aponta um novo estudo realizado por investigadores de Israel.

A pesquisa foi realizada com 2300 estudantes universitários do Brasil, Estados Unidos, China, Alemanha, Gana, Polónia, Israel e Singapura.

Os cientistas questionaram os participantes sobre que emoções eles desejavam sentir e o que de facto sentiam. Seguidamente, compararam as respostas com a forma como cada um avaliava os seus níveis de felicidade e satisfação com a vida. E os resultados do estudo indicam que a felicidade “é mais do que simplesmente sentir prazer ou evitar a dor”.

Os investigadores descobriram que, quanto mais as pessoas têm os sentimentos que esperam, maior é a sua satisfação, “mesmo que sejam emoções negativas”, explica à BBC a autora principal do estudo, Maya Tamir, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Surpreendentemente, a pesquisa revelou que 11% dos participantes desejavam sentir menos emoções positivas, como amor e empatia, enquanto 10% queriam ter sentimentos negativos, como ódio e raiva.

“Simplesmente, se uma pessoa não sente raiva quanto lê sobre um caso de abuso infantil, pensa que deveria estar a senti-la, nesse momento, e deseja experimentar essa emoção em ocasiões desse tipo”, explica Tamir.

A cientista dá ainda como exemplo uma mulher que quer deixar um parceiro abusivo e não se sente capaz de o fazer. Nesse caso, ela pode considerar que seria mais feliz se o amasse menos.

(CC0/PD) Alexis / pixabay

10% das pessoas querem ter sentimentos negativos, como ódio e raiva.

Anna Alexandrova, do Instituto de Bem-estar da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, diz por seu turno que a pesquisa coloca em causa o nosso conceito tradicional de felicidade como um equilíbrio entre emoções positivas e negativas.

Mas a pesquisa tem a limitação de só incluir ódio e raiva entre os sentimentos negativos, destaca a investigadora. “O ódio e a raiva podem ser compatíveis com a felicidade, mas não há indícios de que outras emoções desagradáveis, como o medo, a culpa, tristeza e ansiedade, o sejam”, diz Alexandrova.

Os resultados do estudo não se aplicam a quem tem um diagnóstico de depressão. “As pessoas em situação de depressão querem sentir-se mais tristes, menos felizes do que as outras”, diz Maya Tamir.

Segundo a cientista, o estudo lança luz sobre os aspectos negativos de se ter uma constante expectativa de ser feliz. “Nas culturas ocidentais, as pessoas querem ser felizes o tempo todo. Mesmo que se sintam quase sempre bem, parecem pensar que deveriam sentir-se ainda melhor – o que pode torná-las menos felizes“.

// BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Este pôr-do-sol arroxeado foi causado por uma erupção do outro lado do mundo

A erupção do vulcão Raikoke, em junho, fez com que o nascer e o pôr-do-sol no outro lado do mundo, mais concretamente nos Estados Unidos, ficassem anormalmente roxos. Quando o outrora adormecido vulcão Raikoke, nas Ilhas …

Catarina Martins pede "voto útil" dos socialistas que não querem maioria absoluta

Catarina Martins defende que nas eleições legislativas o voto útil dos socialistas que não querem maioria absoluta é no Bloco de Esquerda, considerando que o crescimento do partido que lidera "pode ser o fator decisivo" …

Mudança do Infarmed para o Porto. Costa prometeu, mas não cumpriu

O primeiro-ministro prometeu, mas a Comissão Independente para a Descentralização não recebeu nenhum pedido do Governo para estudar deslocalização do Infarmed para o Porto. A decisão polémica de mudar a localização da Autoridade do Medicamento para …

Podem chover pedras no "lado noturno" dos exoplanetas de Júpiter

De acordo com um "relatório meteorológico astronómico", os lados escuros dos exoplanetas de Júpiter podem ter um clima bastante rochoso. As nuvens espessas de minerais vaporizados podem estar a chover pedras. Uma equipa de astrónomos da …

Boris compara Reino Unido a super-herói. "Quanto mais enfurecem o Hulk, mais forte ele fica"

O primeiro-ministro britânico comparou o Reino Unido ao super-herói da Marvel, que nunca se deixa prender, deixando subentendido o aviso de que pode ignorar a decisão do Parlamento que quer impedir uma saída sem …

Dente de rinoceronte deu aos cientistas a mais antiga informação genética já registada

Cientistas conseguiram extrair de um dente com 1,7 milhões de anos (de um rinoceronte já extinto) aquela que é a informação genética mais antiga alguma vez registada. Entre o período de há 2,5 milhões e 700 mil …

SNS "é âncora para os portugueses e sabe resistir às pressões"

A ministra da Saúde elogiou o Sistema Nacional de Saúde no dia em este cumpre 40 anos. A data só não está a ser assinalada com mais vigor devido à proximidade das eleições, explicou …

Um terço dos diplomados no curso de Aeroespacial vai trabalhar para o estrangeiro

A nota mínima de entrada no curso de Engenharia Aeroespacial do Técnico bateu um novo recorde. As oportunidades e os salários levam os diplomados para o estrangeiro. O único curso de Engenharia Aeroespacial no ensino superior …

Morreu o cantor Roberto Leal

Morreu o cantor Roberto Leal, confirmou o antigo secretário de Estado das Comunidades e da Administração Local. Tinha 67 anos e lutava contra um cancro. A notícia foi avançada pelo antigo secretário de Estado das Comunidades …

Estudo mostra que o canguru gigante tinha uma parecença com os pandas

O já extinto canguru gigante tinha uma característica muito semelhante com o panda-gigante dos dias modernos: grandes mandíbulas que lhe permitiam comer alimentos que outros animais não conseguiam. Há mais de 40 mil anos, o sudoeste …