Praticar exercício físico pode ser uma ajuda valiosa no combate ao cancro

É de conhecimento geral que o exercício é bom para a mente e para o corpo e, durante anos, os investigadores observaram uma correlação entre a prática de exercício físico e baixas taxas mais de incidência de cancro. Agora, isso pode ter uma explicação.

Um estudo liderado por especialistas do Karolinska Institutet na Suécia, revela como é que praticar exercícios com regularidade pode aumentar a capacidade de matar certas células do sistema imunológico.

O cancro é uma doença com altas taxas de letalidade, mas um novo estudo parece trazer uma nova esperança. A questão que se coloca é: como é que praticar exercício físico pode melhorar a capacidade do corpo de recolher e destruir células cancerígenas?

O estudo destaca uma célula imunológica específica chamada célula T citotóxica. Também conhecidas como células T assassinas, que são os agentes que “matam” o cancro no corpo. Assim, a prática de exercício físico produz certos metabólitos que aumentam a função dessas células que conseguem eliminar o cancro.

Através de uma série de testes em animais, o novo estudo revela que essas células são de facto influenciadas positivamente pelo exercício. Uma experiência transferiu as células T de ratos exercitados para ratos que não praticaram qualquer tipo de exercício, e observou respostas de redução da doença.

A próxima etapa foi investigar como é que o exercício altera o comportamento das células T. Os investigadores encontraram vários metabólitos produzidos pelos músculos durante o exercício e libertados na corrente sanguínea. Posteriormente, verificou-se que esses metabólitos influenciam significativamente a atividade das células T.

Verificou-se que o lactato – que proporciona uma valiosa fonte de energia química que se acumula como resultado de exercícios físicos intensos –  reforça notavelmente a atividade das células T.

Helene Rundqvist, autora do novo estudo, sublinha que essas descobertas oferecem informações importantes sobre os mecanismos que sustentam os benefícios do exercício para combater o cancro.

Embora essas descobertas sejam interessantes do ponto de vista académico, também oferecem aos cientistas novos caminhos de investigação, avança o New Atlas.

De acordo com a equipa, o desenvolvimento de novas imunoterapias que aproveitem a atividade das células T induzidas pelo exercício, pode apresentar tratamentos novos e poderosos para pacientes  com cancro.

“O nosso estudo mostra que o exercício afeta a produção de várias moléculas e metabólitos que ativam as células imunológicas que lutam contra o cancro e, portanto, inibem o crescimento da doença”, afirma Rundqvist.

A investigadora espera que “estes resultados possam contribuir para uma compreensão mais profunda de como o nosso estilo de vida afeta o sistema imunológico, e informar o desenvolvimento de novas imunoterapias contra esta doença”.

O estudo foi publicado na revista eLife em outubro.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Governo já garantiu 370 camas no setor privado

O Governo já garantiu 370 camas no setor privado, sendo que quase metade, 164, são para doentes covid. Há atualmente 3.338 pacientes infetados com o novo coronavírus internados em hospitais. A informação foi confirmada por fonte …

Covid-19 pode ter chegado aos EUA em dezembro de 2019. País prepara-se para o pior inverno da história

Depois de ter sido confirmado que o novo coronavírus já circulava em Itália desde setembro de 2019, agora surge um relatório que refere que a covid-19 pode ter infetado um pequeno número de pessoas nos …

Maior parte dos médicos aposentados que voltam ao SNS prefere trabalhar em tempo reduzido

A maior parte dos médicos aposentados que regressa ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) opta por trabalhar em tempo reduzido, adianta o Jornal de Notícias. De acordo com o Jornal de Notícias, do total de 216 …

Bruxelas ameaça avançar com Fundo de Recuperação sem Hungria e Polónia

A Comissão Europeia (CE) está a perder a paciência e, caso não haja progressos nas negociações, ameaça avançar com o Fundo de Recuperação europeu sem a 'luz verde' da Hungria e da Polónia. O ultimato foi …

Empresas que reforcem lay-off não podem fechar portas, mas podem reduzir horários a 100%

O chamado “apoio à retoma progressiva” vai permitir que em dezembro as empresas saltem para o escalão seguinte, que garante mais financiamento, mas o Governo exige que mantenham atividade. Contudo, garante que tal não condiciona …

Reunião no Infarmed. Pico foi atingido em 25 de novembro, peritos pedem que não haja medo das vacinas

Especialistas, dirigentes dos partidos políticos e parceiros sociais voltaram esta quinta-feira a reunir-se para analisar a situação epidemiológica da covid-19, em vésperas de nova renovação do estado de emergência e da decisão sobre as medidas …

Governo tem algumas soluções para o Novo Banco (que dispensam o Retificativo)

Apesar do chumbo da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco, o Governo garante que existem algumas soluções para que o contrato seja cumprido. Uma das hipóteses é a …

Giroud entra para a história da Champions ao marcar póquer ao Sevilha

Olivier Giroud tornou-se o jogador mais velho de sempre a marcar um póquer na Liga dos Campeões. É também o único atleta do Chelsea a fazê-lo. O Chelsea venceu o Sevilha, por 4-0, numa partida da …

Governo vai criar uma agência de emprego para pessoas com deficiência

O Governo vai criar uma agência de emprego para deficientes, um programa de investimento de apoio ao trabalho, mas também às empresas que contratem, que será de âmbito nacional e que deverá arrancar no primeiro …

Investigadores espanhóis descobrem nova estirpe do vírus num caso de reinfeção

Uma equipa de investigadores do serviço de Microbiologia e Doenças Infeciosas do Hospital Gregorio Marañón de Madrid descobriu que a reinfeção pelo novo coronavírus numa mulher teve origem numa estirpe diferente do SARS-CoV-2. O estudo baseia-se …