Ex-refugiada afegã substitui Claudia Schiffer como “cara da Alemanha”

Ao fugir com a família da violência dos talibans no Afeganistão, em 1999, a então adolescente Zohre Esmaeli não poderia imaginar que se tornaria, quase 20 anos mais tarde, o novo rosto da Alemanha para o mundo.

A modelo, designer e escritora afegã Zohre Esmaeli, de 32 anos, foi escolhida para substituir a top model Claudia Schiffer na campanha “Alemanha – País das Ideias“, criada pelo governo federal alemão e pela Federação da Indústria alemã em 2006 para promover a imagem do país no exterior.

“Aceitei a proposta sem pensar muito. É um orgulho emprestar o meu rosto para a campanha, depois da Claudia Schiffer. Além disso, assim posso agradecer à Alemanha, o país que me ofereceu a oportunidade de construir uma nova vida e no qual me sinto em casa”, afirma a modelo.

Não apenas a beleza, mas a história da modelo também pesou na escolha dos organizadores da campanha. Segundo a presidente da iniciativa, Ute Weiland, a jovem Esmaeli, que também tem cidadania alemã, personifica uma sociedade aberta à diversidade, à inovação e disposta a ajudar o próximo.

No auge da crise migratória na Europa, em 2015, a Alemanha recebeu quase um milhão de refugiados. Apesar de críticas, a sociedade alemã em geral mostrou-se receptiva e apoiou a decisão da chanceler Angela Merkel de abrir as fronteiras do país.

Nesse contexto, a escolha de Esmaeli para substituir Claudia Schiffer como novo rosto da Alemanha pode ser interpretada também como um posicionamento político dos organizadores da campanha.

Fuga e adaptação

Nascida em Cabul, Esmaeli passou a infância no Afeganistão. Aos 13 anos, os pais decidiram fugir da guerra civil que assolava o país, governado pelo regime taliban – movimento que surgiu no início dos anos 1990 e que defende uma versão radical da Sharia, a lei islâmica.

Depois de vender tudo o que tinha, a família começou a sua jornada rumo à Europa.

Durante seis meses, Esmaeli, os pais e dois irmãos percorreram a pé e de comboio, sempre com medo de serem apanhados, os mais de 5 mil quilómetros que separam o Afeganistão da Alemanha. A chegada ao destino, porém, não significou o fim das dificuldades enfrentadas pela família.

zohreesmaeli / Facebook

Zohre Esmaeli

Aos 13 anos, os pais de Esmaeli decidiram fugir da guerra civil que assolava o Afeganistão

“Quando chegamos à Alemanha, há 18 anos, tínhamos enfrentado uma fuga longa, com situações horríveis, e aqui sentimo-nos muito sozinhos. Não havia ninguém para nos explicar as regras e como as coisas funcionavam”, conta. Durante quase dois anos, a família viveu num abrigo para requerentes de asilo em Kassel, no centro da Alemanha.

A modelo lembra que, na altura, passou por muitas situações desagradáveis e chegou a sofrer discriminação, sobretudo no colégio – por diferenças culturais que poderiam ter sido minimizadas se a família tivesse recebido orientação sobre essas questões.

Esmaeli passou então a observar o mundo que a rodeava para descobrir como as coisas funcionavam. “Para mim foi importante despedir-me da maneira antiga de pensar, mas sem renegar o meu país de origem, além de deixar de lado preconceitos e medos e estar aberta a outra cultura.”

Conflitos familiares

Com a integração na nova cultura, no entanto, surgiram os primeiros conflitos entre Esmaeli e a família. A adolescente decidiu parar de usar o hijab, véu usado pelas mulheres muçulmanas para cobrir o cabelo, e enfrentou a resistência dos pais.

Aos 17 anos, Esmaeli, que sonhava tornar-se engenheira electrotécnica no sector da aviação, foi descoberta por uma agente de modelos enquanto fazia compras numa loja de roupas. Imaginando a reacção dos pais, foi à agência em segredo – e também não disse a ninguém, quando fez as primeiras fotos pelo seu novo emprego.

Quando o segredo foi descoberto, Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família. “Os meus pais não acham a profissão adequada para mim. Resolvi lutar contra toda a resistência, pois era uma oportunidade de tomar o rumo da minha vida nas minhas mãos”, lembra.

(dr) Zohre Esmaeli

-

Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família.

Na altura, a família planeava o casamento de Esmaeli. Para evitar a união com um pretendente que não conhecia e dar prioridade à carreira, fugiu de casa e passou anos sem manter contacto com os pais. Com o tempo, ela voltou a falar com os familiares, mas até hoje a sua profissão é um tabu nas conversas.

Apesar de ter vivido em Paris, Londres e Nova York, Esmaeli jamais esqueceu as dificuldades enfrentadas na infância no Afeganistão e como refugiada na Alemanha. Por isso, há alguns anos que se dedica a projectos voltados a facilitar a integração de requerentes de asilo e a iniciativas de auxílio humanitário na sua terra natal.

Esse empenho rendeu-lhe, em 2014, a indicação para o posto de embaixadora alemã contra a discriminação.

Embora não tenha esquecido o Afeganistão, Esmaeli nunca mais pisou a sua terra natal, em guerra há décadas. A modelo, porém, diz não ter perdido as esperanças de que algum dia a situação no país volte ao normal – e que possa visitar o local onde nasceu e passou sua infância.

// BBC

2 COMENTÁRIOS

  1. Que esta rapariga sirva de exemplo a tantas outras subjugadas ao conservadorismo da cultura muçulmana.
    Soltem esses cabelos, mostrem essas curvas e essas peles!

RESPONDER

Guia de descontos para uma Black Friday em grande

O conceito começou por ser uma referência ao colapso da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. Mas a Black Friday como hoje a conhecemos só surgiu nos anos 60, quando o setor do …

Morreu o actor João Ricardo

O actor e encenador João Ricardo, 53 anos, morreu esta quinta-feira, em Lisboa, disse à Lusa a agência do actor. O actor João Ricardo, conhecido pelo seu trabalho na televisão, no teatro e no cinema, nasceu …

Chegou à Finlândia o pão feito com farinha de grilo

Uma das maiores empresas de produtos alimentares da Finlândia vai começar a vender pão de insetos, no qual grilos comuns são moídos e acrescentados à farinha normal, representando cerca de 3% do peso de cada …

39 anos por um crime que não cometeu. Finalmente livre

Craig Coley, agora com 70 anos, cumpria pena de prisão perpétua pela autoria de dois homicídios em 1978. No entanto, 39 anos depois, a sua inocência foi provada e o norte-americano foi libertado. O governador da …

Neutralidade da Internet em jogo nos EUA. Portugal é mau exemplo

A administração Trump quer reverter o princípio do livre acesso a qualquer tipo de conteúdo na Internet. Jornais internacionais apontam Portugal como exemplo de falta de neutralidade. Os Estados Unidos da América vão votar o fim …

Trabalhadores do privado voltam a receber subsídios de Natal e de férias por inteiro

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no setor privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de …

O milionário que matou o Gawker quer os restos do cadáver

Os advogados do vingativo milionário Peter Thiel apresentaram, esta semana, uma ação para contestar uma previdência cautelar que o impede de comprar os ativos do já "adormecido" Gawker. Em causa, estão os arquivos de 14 …

Governo quer terrenos privados limpos até 15 de março

Os proprietários privados têm "até 15 de março" para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se não o fizeram, os municípios terão "até ao final de maio" para proceder a …

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …