Ex-refugiada afegã substitui Claudia Schiffer como “cara da Alemanha”

Ao fugir com a família da violência dos talibans no Afeganistão, em 1999, a então adolescente Zohre Esmaeli não poderia imaginar que se tornaria, quase 20 anos mais tarde, o novo rosto da Alemanha para o mundo.

A modelo, designer e escritora afegã Zohre Esmaeli, de 32 anos, foi escolhida para substituir a top model Claudia Schiffer na campanha “Alemanha – País das Ideias“, criada pelo governo federal alemão e pela Federação da Indústria alemã em 2006 para promover a imagem do país no exterior.

“Aceitei a proposta sem pensar muito. É um orgulho emprestar o meu rosto para a campanha, depois da Claudia Schiffer. Além disso, assim posso agradecer à Alemanha, o país que me ofereceu a oportunidade de construir uma nova vida e no qual me sinto em casa”, afirma a modelo.

Não apenas a beleza, mas a história da modelo também pesou na escolha dos organizadores da campanha. Segundo a presidente da iniciativa, Ute Weiland, a jovem Esmaeli, que também tem cidadania alemã, personifica uma sociedade aberta à diversidade, à inovação e disposta a ajudar o próximo.

No auge da crise migratória na Europa, em 2015, a Alemanha recebeu quase um milhão de refugiados. Apesar de críticas, a sociedade alemã em geral mostrou-se receptiva e apoiou a decisão da chanceler Angela Merkel de abrir as fronteiras do país.

Nesse contexto, a escolha de Esmaeli para substituir Claudia Schiffer como novo rosto da Alemanha pode ser interpretada também como um posicionamento político dos organizadores da campanha.

Fuga e adaptação

Nascida em Cabul, Esmaeli passou a infância no Afeganistão. Aos 13 anos, os pais decidiram fugir da guerra civil que assolava o país, governado pelo regime taliban – movimento que surgiu no início dos anos 1990 e que defende uma versão radical da Sharia, a lei islâmica.

Depois de vender tudo o que tinha, a família começou a sua jornada rumo à Europa.

Durante seis meses, Esmaeli, os pais e dois irmãos percorreram a pé e de comboio, sempre com medo de serem apanhados, os mais de 5 mil quilómetros que separam o Afeganistão da Alemanha. A chegada ao destino, porém, não significou o fim das dificuldades enfrentadas pela família.

zohreesmaeli / Facebook

Zohre Esmaeli

Aos 13 anos, os pais de Esmaeli decidiram fugir da guerra civil que assolava o Afeganistão

“Quando chegamos à Alemanha, há 18 anos, tínhamos enfrentado uma fuga longa, com situações horríveis, e aqui sentimo-nos muito sozinhos. Não havia ninguém para nos explicar as regras e como as coisas funcionavam”, conta. Durante quase dois anos, a família viveu num abrigo para requerentes de asilo em Kassel, no centro da Alemanha.

A modelo lembra que, na altura, passou por muitas situações desagradáveis e chegou a sofrer discriminação, sobretudo no colégio – por diferenças culturais que poderiam ter sido minimizadas se a família tivesse recebido orientação sobre essas questões.

Esmaeli passou então a observar o mundo que a rodeava para descobrir como as coisas funcionavam. “Para mim foi importante despedir-me da maneira antiga de pensar, mas sem renegar o meu país de origem, além de deixar de lado preconceitos e medos e estar aberta a outra cultura.”

Conflitos familiares

Com a integração na nova cultura, no entanto, surgiram os primeiros conflitos entre Esmaeli e a família. A adolescente decidiu parar de usar o hijab, véu usado pelas mulheres muçulmanas para cobrir o cabelo, e enfrentou a resistência dos pais.

Aos 17 anos, Esmaeli, que sonhava tornar-se engenheira electrotécnica no sector da aviação, foi descoberta por uma agente de modelos enquanto fazia compras numa loja de roupas. Imaginando a reacção dos pais, foi à agência em segredo – e também não disse a ninguém, quando fez as primeiras fotos pelo seu novo emprego.

Quando o segredo foi descoberto, Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família. “Os meus pais não acham a profissão adequada para mim. Resolvi lutar contra toda a resistência, pois era uma oportunidade de tomar o rumo da minha vida nas minhas mãos”, lembra.

(dr) Zohre Esmaeli

-

Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família.

Na altura, a família planeava o casamento de Esmaeli. Para evitar a união com um pretendente que não conhecia e dar prioridade à carreira, fugiu de casa e passou anos sem manter contacto com os pais. Com o tempo, ela voltou a falar com os familiares, mas até hoje a sua profissão é um tabu nas conversas.

Apesar de ter vivido em Paris, Londres e Nova York, Esmaeli jamais esqueceu as dificuldades enfrentadas na infância no Afeganistão e como refugiada na Alemanha. Por isso, há alguns anos que se dedica a projectos voltados a facilitar a integração de requerentes de asilo e a iniciativas de auxílio humanitário na sua terra natal.

Esse empenho rendeu-lhe, em 2014, a indicação para o posto de embaixadora alemã contra a discriminação.

Embora não tenha esquecido o Afeganistão, Esmaeli nunca mais pisou a sua terra natal, em guerra há décadas. A modelo, porém, diz não ter perdido as esperanças de que algum dia a situação no país volte ao normal – e que possa visitar o local onde nasceu e passou sua infância.

// BBC

2 COMENTÁRIOS

  1. Que esta rapariga sirva de exemplo a tantas outras subjugadas ao conservadorismo da cultura muçulmana.
    Soltem esses cabelos, mostrem essas curvas e essas peles!

RESPONDER

O que é que se bebe aqui?

Licor Beirão ganha acção contra Licor Beirinha por imitação da marca

O Tribunal da Relação do Porto deu razão à empresa J. Carranca Redondo, que acusava a concorrente Caves Altoviso de imitar o seu famoso produto Licor Beirão, segundo um acórdão consultado esta segunda-feira pela Lusa. Em …

-

Cientistas descobrem lagarta capaz de decompor sacos de plástico

Cientistas europeus descobriram uma lagarta que come sacos de plástico, o que poderá significar uma maneira de combater a poluição com plástico, um dos materiais mais difíceis de decompor que se conhece. A chamada traça da …

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un

Coreia do Norte ameaça "varrer" EUA da face da Terra

Um site oficial norte-coreano advertiu os Estados Unidos de que serão "varridos da face da Terra" se desencadearem uma guerra na península, no último episódio da troca de ameaças que alimenta as tensões na região. No …

-

PGR abre inquérito à morte de adepto do Sporting

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um inquérito ao caso da morte de um adepto do Sporting, no sábado, nas imediações do Estádio da Luz, em Lisboa. De acordo com informação da PGR, prestada esta segunda-feira …

Travis Kalanick, presidente da Uber

Uber esteve quase para ser expulsa da App Store por espiar clientes

O historial da Uber em empregar táticas duvidosas já é longo e agora descobriu-se que a aplicação esteve quase a ser expulsa da App Store da Apple por usar métodos não aprovados para identificar os …

-

Detida mulher que ateou fogo no quarto onde estava com os filhos

A mulher que, no sábado, terá pegado fogo ao seu apartamento em Mesão Frio, Guimarães, com os dois filhos menores lá dentro, agiu "num quadro de conflitualidade conjugal", informou esta segunda-feira a PJ de Braga. Em …

-

Portugal pode perder milhares de milhões com venda do Novo Banco

A factura do Novo Banco ainda pode sair mais cara aos contribuintes portugueses. O alerta é feito pelo economista José António Girão que critica a venda do banco ao fundo norte-americano Lone Star, considerando que …

Kate e Gerry McCann, os pais de Maddie

O corpo de Maddie poderá ter sido escondido por espiões britânicos

A dias de se assinalar o 10.º aniversário do desaparecimento de Madeleine McCann, há novas teorias sobre o que terá acontecido à menina britânica no fatídico dia 3 de Maio de 2007. A Polícia Judiciária revelou …

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte

Duterte até come um terrorista islâmico, se lhe derem sal e vinagre

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ameaçou "comer" terroristas islâmicos, e garantiu que se sente capaz de ser muito mais duro do que eles, diz a agência Associated Press. "Se vocês querem que eu me torne …

-

Nova vacina contra a malária vai ser testada em três países africanos

A mais avançada vacina contra a malária, mas que tem uma eficácia limitada, vai começar a ser testada em grande escala no Quénia, no Gana e no Malawi, anunciou esta segunda-feira a Organização Mundial da …