Ex-refugiada afegã substitui Claudia Schiffer como “cara da Alemanha”

Ao fugir com a família da violência dos talibans no Afeganistão, em 1999, a então adolescente Zohre Esmaeli não poderia imaginar que se tornaria, quase 20 anos mais tarde, o novo rosto da Alemanha para o mundo.

A modelo, designer e escritora afegã Zohre Esmaeli, de 32 anos, foi escolhida para substituir a top model Claudia Schiffer na campanha “Alemanha – País das Ideias“, criada pelo governo federal alemão e pela Federação da Indústria alemã em 2006 para promover a imagem do país no exterior.

“Aceitei a proposta sem pensar muito. É um orgulho emprestar o meu rosto para a campanha, depois da Claudia Schiffer. Além disso, assim posso agradecer à Alemanha, o país que me ofereceu a oportunidade de construir uma nova vida e no qual me sinto em casa”, afirma a modelo.

Não apenas a beleza, mas a história da modelo também pesou na escolha dos organizadores da campanha. Segundo a presidente da iniciativa, Ute Weiland, a jovem Esmaeli, que também tem cidadania alemã, personifica uma sociedade aberta à diversidade, à inovação e disposta a ajudar o próximo.

No auge da crise migratória na Europa, em 2015, a Alemanha recebeu quase um milhão de refugiados. Apesar de críticas, a sociedade alemã em geral mostrou-se receptiva e apoiou a decisão da chanceler Angela Merkel de abrir as fronteiras do país.

Nesse contexto, a escolha de Esmaeli para substituir Claudia Schiffer como novo rosto da Alemanha pode ser interpretada também como um posicionamento político dos organizadores da campanha.

Fuga e adaptação

Nascida em Cabul, Esmaeli passou a infância no Afeganistão. Aos 13 anos, os pais decidiram fugir da guerra civil que assolava o país, governado pelo regime taliban – movimento que surgiu no início dos anos 1990 e que defende uma versão radical da Sharia, a lei islâmica.

Depois de vender tudo o que tinha, a família começou a sua jornada rumo à Europa.

Durante seis meses, Esmaeli, os pais e dois irmãos percorreram a pé e de comboio, sempre com medo de serem apanhados, os mais de 5 mil quilómetros que separam o Afeganistão da Alemanha. A chegada ao destino, porém, não significou o fim das dificuldades enfrentadas pela família.

zohreesmaeli / Facebook

Zohre Esmaeli

Aos 13 anos, os pais de Esmaeli decidiram fugir da guerra civil que assolava o Afeganistão

“Quando chegamos à Alemanha, há 18 anos, tínhamos enfrentado uma fuga longa, com situações horríveis, e aqui sentimo-nos muito sozinhos. Não havia ninguém para nos explicar as regras e como as coisas funcionavam”, conta. Durante quase dois anos, a família viveu num abrigo para requerentes de asilo em Kassel, no centro da Alemanha.

A modelo lembra que, na altura, passou por muitas situações desagradáveis e chegou a sofrer discriminação, sobretudo no colégio – por diferenças culturais que poderiam ter sido minimizadas se a família tivesse recebido orientação sobre essas questões.

Esmaeli passou então a observar o mundo que a rodeava para descobrir como as coisas funcionavam. “Para mim foi importante despedir-me da maneira antiga de pensar, mas sem renegar o meu país de origem, além de deixar de lado preconceitos e medos e estar aberta a outra cultura.”

Conflitos familiares

Com a integração na nova cultura, no entanto, surgiram os primeiros conflitos entre Esmaeli e a família. A adolescente decidiu parar de usar o hijab, véu usado pelas mulheres muçulmanas para cobrir o cabelo, e enfrentou a resistência dos pais.

Aos 17 anos, Esmaeli, que sonhava tornar-se engenheira electrotécnica no sector da aviação, foi descoberta por uma agente de modelos enquanto fazia compras numa loja de roupas. Imaginando a reacção dos pais, foi à agência em segredo – e também não disse a ninguém, quando fez as primeiras fotos pelo seu novo emprego.

Quando o segredo foi descoberto, Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família. “Os meus pais não acham a profissão adequada para mim. Resolvi lutar contra toda a resistência, pois era uma oportunidade de tomar o rumo da minha vida nas minhas mãos”, lembra.

(dr) Zohre Esmaeli

-

Esmaeli foi obrigada a escolher entre a carreira e a família.

Na altura, a família planeava o casamento de Esmaeli. Para evitar a união com um pretendente que não conhecia e dar prioridade à carreira, fugiu de casa e passou anos sem manter contacto com os pais. Com o tempo, ela voltou a falar com os familiares, mas até hoje a sua profissão é um tabu nas conversas.

Apesar de ter vivido em Paris, Londres e Nova York, Esmaeli jamais esqueceu as dificuldades enfrentadas na infância no Afeganistão e como refugiada na Alemanha. Por isso, há alguns anos que se dedica a projectos voltados a facilitar a integração de requerentes de asilo e a iniciativas de auxílio humanitário na sua terra natal.

Esse empenho rendeu-lhe, em 2014, a indicação para o posto de embaixadora alemã contra a discriminação.

Embora não tenha esquecido o Afeganistão, Esmaeli nunca mais pisou a sua terra natal, em guerra há décadas. A modelo, porém, diz não ter perdido as esperanças de que algum dia a situação no país volte ao normal – e que possa visitar o local onde nasceu e passou sua infância.

// BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Que esta rapariga sirva de exemplo a tantas outras subjugadas ao conservadorismo da cultura muçulmana.
    Soltem esses cabelos, mostrem essas curvas e essas peles!

RESPONDER

Sporting vs Boavista | Leão ruge pela margem mínima

Sporting não vacilou na luta pelos primeiros lugares da Liga NOS e venceu o Boavista em casa por 1-0. Num jogo nem sempre bem disputado, mas de praticamente sentido único, faltou algum poder de fogo aos …

Tribunal reacende polémica da selfie do macaco Naruto

Um Tribunal de Apelação, nos Estados Unidos, acaba de reacender a polémica do processo da selfie do macaco Naruto. O órgão garante que ainda irá julgar uma decisão final sobre o assunto, mesmo que já tenha havido …

A pessoa mais velha do mundo morreu aos 117 anos

A mulher mais velha do mundo morreu este sábado à noite, no Sul do Japão, com 117 anos de idade. De acordo com a Associated Press (AP), Nabi Tajima, aquela que era considerada a pessoa mais …

Correntes oceânicas intensas podem ser criadas por insetos ridiculamente pequenos

Uma investigação recente concluiu que pequenos organismos marinhos podem desempenhar um papel significativo nas correntes oceânicas. Cientistas demonstraram agora que algumas das menores criaturas do oceano podem ter um impacto descomunal nas ondas do oceano, com …

Antibiótico para a artrite manchou os olhos de um norte-americano de azul

Um norte-americanos, de 70 anos, viu os seus olhos ficarem completamente manchados de azul, graças a um antibiótico para a artrite inflamatória. Olhos azuis são muito comuns, mas a parte branca dos nossos olhos - a …

Atrizes de "Smallville" envolvidas em seita de tráfico sexual. "Chloe" detida

Allison Mack, conhecida pelo seu papel na série televisiva "Smallville", foi detida e acusada de tráfico sexual pela sua alegada ligação à seita Nxivm. Allison Mack, de 35 anos, atriz da série "Smallville", deverá comparecer em …

Naturopata tratou criança de 4 anos com saliva de cão raivoso

Uma naturopata canadiana tratou um criança hiperativa de 4 anos com saliva de um cão raivoso. O anúncio surpreendeu a comunidade médica internacional, que reagiu de forma negativa. Uma naturopata canadiana assumiu no seu blogue pessoal …

Ilha troca de país a cada seis meses

No meio do rio Bidasoa, entre França e Espanha, há uma ilha que vai alternando de nacionalidade de seis em seis meses. A ilha mede apenas 38 metros de largura e 215 de comprimento, medidas que lhe …

Cientistas criam implante vaginal que promete proteger as mulheres do VIH

O novo dispositivo desenvolvido por cientistas na Universidade de Waterloo, no Canadá, faz com que o número de células do VIH que se fixam no trato genital feminino diminua. Já há um implante que protege as …

Mais de 20 mortos em protestos na Nicarágua

Mais de duas de dezenas de pessoas, entre as quais um jornalista, morreram durante os protestos na Nicarágua contra a reforma da segurança social do Governo de Daniel Ortega. A Associated Press (AP) relata que num …