/

Ex-governante de Sócrates lidera reformas da CGA com 6580 euros. Soldado recebe 224 euros por invalidez

5

André Kosters / Lusa

António Castro Guerra, ex-secretário de Estado Adjunto, da Indústria e da Inovação entre 2005 e 2009, na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Electricidade em 2018.

O ex-secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação no Governo de José Sócrates, António Castro Guerra, lidera a lista de aposentados da Caixa Geral de Aposentações (CGA) que foi publicada em Diário da República, com a reforma mais elevada no valor de 6.580 euros.

A Caixa Geral de Aposentações (CGA) divulgou a 8 de Outubro passado a lista de aposentados e reformados com as pensões que entram em vigor a 1 de Novembro próximo.

O nome de António Castro Guerra, ex-secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação no Governo de José Sócrates, destaca-se com o valor de reforma mais elevado, precisamente 6.580 euros.

Além do papel de governante com Manuel Pinho ao leme do Ministério da Economia, Castro Guerra também foi professor, consultor e presidiu a várias empresas e institutos públicos, designadamente o IAPMEI (entre 1996 e 2000).

Também integrou a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), foi administrador da Brisa, presidente do Conselho de Administração da Cimpor por nomeação do Governo de Sócrates, e esteve na presidência do Banco Comercial do Atlântico.

O juiz desembargador Sílvio Teixeira de Sousa surge como o segundo novo aposentado da CGA com a reforma mais elevada, com um valor de 6.393 euros.

O Procurador da República António Manuel Machado que exercia funções no Tribunal Administrativo e Fiscal de Viseu é o terceiro reformado mais bem pago, com uma pensão de 5.636 euros.

Segue-se, depois, o Delegado de Saúde da Unidade Local da Guarda, Lelo Rodrigues, médico assistente graduado de Medicina Geral e Familiar, com uma reforma de 5.559 euros.

A ex-directora do serviço de Neonatologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Rosa Ramalho Alves, tem direito a uma reforma de 5.534 euros e Maria Augusta Guimarães que foi directora do Serviço de Microbiologia do Instituto de Oncologia do Porto reforma-se com 5.156 euros.

No outro extremo da tabela, onde surgem os valores de reforma mais baixos, destacam-se dois soldados e um alferes que foram aposentados do Exército por invalidez. Os soldados recebem 224 euros e 256 euros de reforma, respectivamente, enquanto o alferes tem direito a 245 euros mensais.

Entre as reformas mais baixas destacam-se muitos assistentes operacionais que trabalhavam em Câmaras Municipais ou em Agrupamentos Escolares, com os valores a serem da ordem dos 268 euros e dos 286 euros mensais.

Há ainda uma assistente técnica da Secretaria Geral da Presidência da República que se reforma com uma pensão de 446 euros.

  ZAP //

5 Comments

    • Mas como vê ninguém se indigna, acham normal um deficiente sobreviver com 245 euros.
      Este é o tratamento de agora mas do antecedente, os do tempo da guerra colonial levaram receita igual.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE