/

“França está em perigo”. Ex-generais alertam que país pode estar a caminhar para uma guerra civil

12

O governo francês condenou uma carta aberta assinada por soldados ativos que afirmava que o país estava a caminhar para uma “guerra civil” devido ao extremismo religioso.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Cerca de mil militares, incluindo 20 generais aposentados, subscreveram uma carta que culpa “partidários fanáticos” por criar divisões entre as comunidades e que diz que os islâmicos estavam a assumir o controlo de partes inteiras do território do país.

De acordo com a BBC, a carta foi publicada numa revista de direira pela primeira vez em 21 de abril – o 60.º aniversário de um golpe de Estado fracassado.

“A hora é grave, França está em perigo“, escreveram os signatários.

A carta avisa o presidente francês Emmanuel Macron, o seu Governo e parlamentares sobre “vários perigos mortais” que ameaçam França, incluindo “o islamismo e as hordas de banlieue” – os subúrbios de imigrantes empobrecidos que cercam as cidades francesas.

Os signatários continuam a culpar “um certo anti-racismo” por dividir comunidades e procurar criar uma “guerra racial”, atacando estátuas e outros aspetos da história francesa.

Os subscritores também acusam o Governo de tentar usar a polícia “como procurador e bode expiatório” ao reprimir brutalmente os populares “gilets jaunes” – protestos dos Coletes Amarelos dos últimos anos.

“Já não é hora de procrastinar, caso contrário, amanhã a guerra civil acabará com estes caos e mortes crescentes – pelas quais será responsável – com números na casa dos milhares”, conclui a carta.

A líder da extrema direita, Marine Le Pen, candidata às eleições presidenciais do próximo ano, manifestou apoio aos ex-generais e convidou os generais a juntarem-se a ela na “batalha de França”.

Por sua vez, a ministra da tutela das Forças Armadas, Florence Parly, escreveu no Twitter: “Dois princípios imutáveis ​​norteiam a ação dos militares no que diz respeito à política: neutralidade e lealdade”.

Parly alertou ainda que qualquer signatário que ainda esteja a servir nas forças armadas será punido por desafiar uma lei que exige que permaneçam politicamente neutros.

“Para quem violou o dever de reserva, estão previstas sanções, e se houver soldados ativos entre os signatários, pedi ao chefe do Estado-Maior das Forças Armadas que aplicasse as regras… ou seja, sanções”, disse a ministra, em declarações à rádio France Info.

Parly citou o caso de um ex-general da Legião Estrangeira que foi expulso do serviço militar por participar num protesto contra migrantes em Calais.

Já a ministra da Indústria, Agnès Pannier-Runacher, disse “condenou sem reservas” os generais “que pediam uma revolta 60 anos depois do golpe dos generais contra o general de Gaulle”.

O golpe de Estado fracassado envolveu generais que queriam impedir a Argélia – que era então uma colónia francesa – de conquistar a independência.

Recentemente, França propôs um projeto polémico para lidar com o que o presidente Emmanuel Macron descreveu como “separatismo islâmico”. No entanto, alguns críticos na França e no exterior acusaram o governo de ter como alvo o Islão.

  Maria Campos, ZAP //

12 Comments

  1. Brevemente em portugal… Nascem mesquitas por todo o lado, a coberto de serem refugiados estáo a invadir a europa já de si envelhecida.

    Assim que tomarem conta do parlamento e mudarem as leis… já foste. Lá se vai a tua europa “democratica” por agua abaixo.

    Continuem a destruir o que os antigos conquistaram!

  2. A França caminha a passos largos para uma maioria Islâmica, a partir daí os medos da integração da Turquia na união europeia estarão concentrados no centro da Europa com resultados nefastos para os direitos e liberdades conquistadas nestes últimos séculos e também para a economia visto a relação ou influencia asiática ser melhor aceite do que a árabe. No entretanto as esquerdas preferem negar esse futuro problema fechando os olhos aos factos presentes nos países como reino unido , Alemanha e França preferindo rotular quem ousa chamar a atenção para essa futura realidade.

    • Nos censos franceses não questionam a religião, porque é “racista”. Tal como se quer fazer em Portugal. Como resultado não se sabe quantos muçulmanos existem em França, apesar de viverem rodeados deles. Estima-se que os islâmicos são já 10-30% na França e a maioria nalgumas zonas só país. Estima-se que ao ritmo a que se reproduzem, os muçulmanos serão a maioria em 2050, o que levanta a possibilidade de a França virar um estado islâmico em breve, como já aconteceu nalguns países. Na Bélgica, um partido islâmico com assento parlamentar, já com mais de 10% de votos, quer implementar a lei islâmica. Não sejam ingénuos a pensar que os muçulmanos se querem integrar. Para eles, nós vivemos em pecado, e são pouco tolerantes. Um dos seus dogmas, é que o Islão tem de conquistar todo o mundo. Fazem ouvidos moucos de quem alerta para este perigo, chamando de xenófobos e extrema-direita. Nesse cenário sim, terão razões para andar histéricos com o patriarcado, sexismo, xenofobia, homofobia, etc, a juntar-se a toda a opressão dos costumes, mas num país islâmico não se podem queixar como nos verdadeiros países democratas e livres. É assim. Deixam entrar os lobos na capoeira, depois queixam-se.

  3. De que a França está cada vez mais refém da comunidade islâmica disso não tenho dúvidas, por muito que venham políticos de esquerda ou extrema-esquerda tentar convencer que nada se passa e que eles islâmicos é que são as vítimas, cada vez menos convencerão o povo francês e outros de tal aldrabice, quanto mais deixarem avançar o mal não reagindo em nome do ser acolhedor e simpático, menos hipóteses terão de salvar a cultura europeia e sobreviver a uma cultura tão agressiva dentro de sua própria casa, e o grande problema é que cada vez mais eles já são cidadãos franceses. A irresponsabilidade de alguns políticos europeus neste sentido tem sido catastrófica!

  4. Num futuro próximo, nao será dó a França, sera toda a Europa, onde os políticos cobardes e incompetentes abriram as portas livremente a essas hordes de coitadinhos.

  5. Todos com medo dos islamistas . Então que a verdadeira ameaça são os movimentos de extrema direita maioritários nas forças armadas e na policia que querem uma guerra civil! Como não ganham as eleições e são poucos inclinados para a democracia querem levar Marine ao colo. É o mesmo risco que ameaça Portugal com o Ventura.

  6. Costumam dizer por aí, que a França abriu a porta a toda a porcaria. Se afinal a França deu a independência ás ex-colónias, porque também não lhes fechou a porta? E depois, os conflituosos que foram para a França multiplicam-se como ratos e não se adaptam ao país onde estão, nem às leis nem às regras desse pais.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.