Há evidências de que um planeta do nosso sistema solar foi destruído

JPL-Caltech/ NASA

Investigadores encontraram compostos comuns aos diamantes da Terra. Esta é a primeira vez que este tipo de componentes são encontrados num corpo extraterrestre.

Em 2008, um asteróide atingiu o deserto do Sudão e dispersou pela região inúmeras rochas espaciais, que provavelmente se formaram há milhares de milhões de anos dentro do embrião de um planeta hoje dizimado. Segundo os investigadores, esse planeta perdido era do tamanho de Mercúrio ou talvez de Marte.

Nas rochas espaciais, ou meteoritos, os investigadores encontraram compostos comuns aos diamantes da Terra, como sulfatos de cromita, fosfato e ferro-níquel. É a primeira vez que estes componentes de diamante são encontrados num corpo extraterrestre, constata o novo estudo, publicado recentemente na Nature Communications.

Esta descoberta fornece mais informações sobre os primórdios do nosso sistema solar, há cerca de 4,4 mil milhões de anos, quando, perto do Sol, havia vários embriões planetários. Muitos deles se fundiram nos planetas que conhecemos hoje, enquanto outros foram ejetados para o espaço interestelar.

Os meteoritos foram formados depois de um asteróide ter explodido 37 quilómetros acima do Deserto de Núbia, no Sudão. Essa explosão, de um corpo celeste com 13 metros de comprimento, disparou fragmentos por todo o deserto. Os cientistas recolheram cerca de 50 fragmentos, que variavam entre 1 a 10 centímetros.

Estes minúsculos meteoritos foram recolhidos numa coleção chamada “Almahata Sitta“, uma palavra árabe que significa “Estação Seis”, uma estação de comboios próxima do lugar onde ocorreu a queda do meteorito, entre Wadi Halfa e Cartum.

Depois de recolher os meteoritos, os investigadores descobriram nano diamantes dentro deles. No entanto, as origens dos diamantes escaparam aos cientistas.

Os nano diamantes formam-se a partir da pressão estática “normal” dentro de um corpo grande como a Terra, mas existem outras teorias de origem. Colisões de alta energia entre mundos no espaço podem deixar tais diamantes para trás, assim como a deposição por vapor químico, de acordo com a Federal Polytechnic School of Lausanne, na Suíça.

No entanto, o novo estudo revelou que os diamantes só se poderiam ter formado sob pressões superiores a 20 gigapascals (GPa). Esta é uma forma extremamente alta de pressão que os seres humanos podem gerar com certos explosivos.

“Esse nível de pressão interna só pode ser explicado se o corpo parental planetário fosse um embrião planetário do tamanho de Mercúrio a Marte”, dependendo da camada na qual os diamantes foram formados “, explicou Farhang Nabiei, líder da investigação, em comunicado.

Segundo os cientistas, este embrião planetário terá sido destruído por colisões violentas.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. No dia 5 de Maio celebra-se o dia da Lingua Portuguesa. Tão perto e ainda continuamos a dar “facadas” nela… “Há evidências de que um planeta do nosso sistema solar foi destruído” Evidências? Evidências? Evidências? EVIDÊNCIAS??? PROVAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Mas que mania das traduções do Google Translate!… Ah, não foi… Foi mesmo azelhice de um “jornalista”. Não haverá “aí” um/a funcionário/a brasileiro/a? É que eles costumam dizer e escrever “evidências”. A chatice é que estamos em Portugal e, aqui, ainda se fala (cada vez pior) português.
    Nota: Já não é a primeira vez que a ZAP faz isto. Numa delas, (notícias) até chegou a emendar para “provas” após o meu protesto. Prova, mais uma vez, que: Entra por um lado e sai pelo outro (bem mais depressa!).

    • Caro leitor,
      Efectivamente, não é a primeira vez e não será a última que o ZAP usa o termo “evidências”.
      No contexto dos artigos de ciência, “evidências” não são “provas” – motivo pelo qual usamos o termo “evidências”.

      “Um vício de linguagem muito comum, tanto de cientistas quanto de leigos, é utilizar o termo ‘prova’ para se referir a alguma evidência que dê suporte a alguma teoria. O uso descuidado desse termo, na minha opinião, faz muito mal, e contribui para uma série de desentendimentos comuns que se tem sobre ciência”. in Provas ou Evidências?

      • Pois… Mas neste caso aplica-se o termo “provas”! Mas vocês ficam sempre com a última palavra não é?
        De qualquer forma, quem é o Daniel? Alguém que dispõe da verdade e total conhecimento da lingua portuguesa?
        Mais outra: Ao encontrarem “compostos comuns aos diamantes da Terra” isso não é uma prova? “Esta descoberta fornece mais informações sobre os primórdios do nosso sistema solar” Uma descoberta não é uma prova?
        Pois é… É um “Um vício de linguagem muito comum”…
        Eu até acredito que o termo “evidências” (?) possa ser usado em situações (científicas) muito específicas (embora não perceba porquê porque acaba por dar ao mesmo – manias de cientistas) mas este termo não se aplica aqui! A menos que os cientistas (malucos!) não tenham encontrado nada! Talvez tenham indicios que pudesse haver algo… Nesse caso a notícia afirmaria uma mentira. Não me parece ser o caso.
        Vamos lá então, concordar em descordar.

RESPONDER

"Dirty Dancing" está de volta e conta com Jennifer Grey

John Feltheimer, CEO da Lionsgate, confirmou ao The Guardian que a produtora está a desenvolver uma sequela de Dirty Dancing. O clássico dos anos 80 que agora regressa foi protagonizado originalmente por Patrick Swayze e …

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …