EUA criaram universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros e deportá-los

O Governo dos Estados Unidos criou uma universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros ilegais no país e, posteriormente, deportá-los.

A Universidade de Farmington apresentou-se como uma instituição nova, rigorosa e seletivas na escolha dos estudantes, mas aceitava candidatos de qualquer parte do mundo. Tinha uma presença ativa nas redes sociais e, como afirmava no seu site, o objetivo era “proporcionar a estudantes de todo o mundo uma experiência educativa única”.

Tinha um emblema e até um slogan — Scientia et Labor (Ciência e Trabalho). Também oferecia programas académicos com todas as certificações e autorizações relevantes.

A entidade exibia o seu aval do Departamento de Assuntos Regulatórios e de Licenciamento de Michigan e da Comissão de Acreditação de Escolas e Faculdades Profissionais. O Programa de Intercâmbio de Estudantes também a avalizou para receber estudantes estrangeiros.

A instituição cobrava por ano quase 12 mil dólares, um custo significativamente inferior ao que muitas outras instituições académicas nos Estados Unidos pedem. Mas nada parece ter levantado suspeitas, nem mesmo a ausência de salas de aula, professores contratados ou aulas ministradas.

University of Farmington

Na realidade, a Universidade de Farmington foi criada por agentes secretos numa operação do Serviço de Controlo e Imigração Aduaneira dos Estados Unidos (ICE) para prender e deportar estrangeiros que já tinham entrado no país com vistos de estudante e permaneciam ilegalmente.

Em janeiro, quando o esquema foi revelado, oito pessoas que supostamente trabalhavam como “recrutadoras” da escola — e atraíram pelo menos 600 estudantes — foram acusadas de conspiração para cometer crimes.

Nos últimos meses, mais de 250 estudantes universitários, principalmente indianos, foram deportados para os seus países de origem; e outros enfrentam pedidos de deportação, confirmou a ICE ao Detroit Free Press.

De acordo com os investigadores, a instituição era “usada por cidadãos estrangeiros” como parte de um esquema de milhares de dólares que apenas oferecia os papéis que permitiam a imigrantes ilegais continuarem a viver e a trabalhar nos Estados Unidos com visto de estudante.

Os documentos apresentados à Justiça indicam que muitos dos estudantes se tinham matriculado na instituição através de um programa chamado Formação Prática Curricular (CPT) que permite trabalhar nos Estados Unidos. Como a instituição atendia a todos os requisitos exigidos por lei, os alunos matriculados nela podiam continuar a viver legalmente nos Estados Unidos.

“Todos sabemos que os estudantes internacionais podem ser um ativo valioso para o nosso país, mas, como este caso demonstra, o bem-intencionado programa de visto de estudante internacional também pode ser explorado de uma forma abusiva“, disse o procurador federal Matthew Schneider, em comunicado à imprensa.

Segundo o site Vox, alguns estudantes dizem, entretanto, que não sabiam que estavam a violar as regras dos seus vistos e chegaram a confirmar que a universidade tinha legitimidade, tanto que a instituição contava com todas as credenciais oficiais relevantes.

Ravi Mannam, advogado especializado em imigração, disse ao jornal americano The New York Times que, embora alguns estudantes soubessem que a universidade servia apenas para manter o status de imigrante, outros acreditavam que estavam a matricular-se num programa académico legítimo com um preço mais acessível.

“O Governo usou métodos muito questionáveis e problemáticos para fazer com que estudantes estrangeiros entrassem na instituição”, disse.

As autoridades, por sua vez, dizem que os alunos sabiam que a escola era uma fraude e que optaram por se inscrever para permanecer legalmente no país.

O que aconteceu ao dinheiro pago?

Um dos pontos mais controversos da operação, além do facto de que os alunos acusados ou deportados chegaram ao país com vistos legítimos, é o destino das centenas de milhares de dólares pagos à instituição forjada pelos agentes secretos.

Estima-se que os custos de um programa de pós-graduação eram de 2.500 dólares por trimestre e os custos médios de licenciatura eram de mil dólares por mês.

Para os advogados de alguns dos acusados, o Governo americano aproveitou-se de “pessoas vulneráveis que só queriam manter o status migratório” nos Estados Unidos, além de ter ficado com milhares de dólares destas pessoas.

Segundo a Procuradoria federal, nenhum acusado ou organização civil apresentou uma reclamação contra o Governo dos Estados Unidos por cobrar aos estudantes pela operação fictícia.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas perto de provar que microgravidade inibe crescimento de tumores

Cientistas já testaram com sucesso em laboratório que a microgravidade inibe o crescimento de tumores. Agora, os investigadores querem testar em órbita. Onde quer que esteja, Stephen Hawking permanece presente na ciência, e os seus mais …

Vibrações provocadas por "estrelamotos" permitem precisar a idade da Via Láctea

Os tremores estelares registados pelo telescópio espacial Kepler, da NASA, ajudaram a responder a um antigo enigma sobre a idade do "disco espesso" da Via Láctea. Uma equipa de cientistas, liderada por investigadores do Centro de …

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …