EUA criaram universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros e deportá-los

O Governo dos Estados Unidos criou uma universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros ilegais no país e, posteriormente, deportá-los.

A Universidade de Farmington apresentou-se como uma instituição nova, rigorosa e seletivas na escolha dos estudantes, mas aceitava candidatos de qualquer parte do mundo. Tinha uma presença ativa nas redes sociais e, como afirmava no seu site, o objetivo era “proporcionar a estudantes de todo o mundo uma experiência educativa única”.

Tinha um emblema e até um slogan — Scientia et Labor (Ciência e Trabalho). Também oferecia programas académicos com todas as certificações e autorizações relevantes.

A entidade exibia o seu aval do Departamento de Assuntos Regulatórios e de Licenciamento de Michigan e da Comissão de Acreditação de Escolas e Faculdades Profissionais. O Programa de Intercâmbio de Estudantes também a avalizou para receber estudantes estrangeiros.

A instituição cobrava por ano quase 12 mil dólares, um custo significativamente inferior ao que muitas outras instituições académicas nos Estados Unidos pedem. Mas nada parece ter levantado suspeitas, nem mesmo a ausência de salas de aula, professores contratados ou aulas ministradas.

University of Farmington

Na realidade, a Universidade de Farmington foi criada por agentes secretos numa operação do Serviço de Controlo e Imigração Aduaneira dos Estados Unidos (ICE) para prender e deportar estrangeiros que já tinham entrado no país com vistos de estudante e permaneciam ilegalmente.

Em janeiro, quando o esquema foi revelado, oito pessoas que supostamente trabalhavam como “recrutadoras” da escola — e atraíram pelo menos 600 estudantes — foram acusadas de conspiração para cometer crimes.

Nos últimos meses, mais de 250 estudantes universitários, principalmente indianos, foram deportados para os seus países de origem; e outros enfrentam pedidos de deportação, confirmou a ICE ao Detroit Free Press.

De acordo com os investigadores, a instituição era “usada por cidadãos estrangeiros” como parte de um esquema de milhares de dólares que apenas oferecia os papéis que permitiam a imigrantes ilegais continuarem a viver e a trabalhar nos Estados Unidos com visto de estudante.

Os documentos apresentados à Justiça indicam que muitos dos estudantes se tinham matriculado na instituição através de um programa chamado Formação Prática Curricular (CPT) que permite trabalhar nos Estados Unidos. Como a instituição atendia a todos os requisitos exigidos por lei, os alunos matriculados nela podiam continuar a viver legalmente nos Estados Unidos.

“Todos sabemos que os estudantes internacionais podem ser um ativo valioso para o nosso país, mas, como este caso demonstra, o bem-intencionado programa de visto de estudante internacional também pode ser explorado de uma forma abusiva“, disse o procurador federal Matthew Schneider, em comunicado à imprensa.

Segundo o site Vox, alguns estudantes dizem, entretanto, que não sabiam que estavam a violar as regras dos seus vistos e chegaram a confirmar que a universidade tinha legitimidade, tanto que a instituição contava com todas as credenciais oficiais relevantes.

Ravi Mannam, advogado especializado em imigração, disse ao jornal americano The New York Times que, embora alguns estudantes soubessem que a universidade servia apenas para manter o status de imigrante, outros acreditavam que estavam a matricular-se num programa académico legítimo com um preço mais acessível.

“O Governo usou métodos muito questionáveis e problemáticos para fazer com que estudantes estrangeiros entrassem na instituição”, disse.

As autoridades, por sua vez, dizem que os alunos sabiam que a escola era uma fraude e que optaram por se inscrever para permanecer legalmente no país.

O que aconteceu ao dinheiro pago?

Um dos pontos mais controversos da operação, além do facto de que os alunos acusados ou deportados chegaram ao país com vistos legítimos, é o destino das centenas de milhares de dólares pagos à instituição forjada pelos agentes secretos.

Estima-se que os custos de um programa de pós-graduação eram de 2.500 dólares por trimestre e os custos médios de licenciatura eram de mil dólares por mês.

Para os advogados de alguns dos acusados, o Governo americano aproveitou-se de “pessoas vulneráveis que só queriam manter o status migratório” nos Estados Unidos, além de ter ficado com milhares de dólares destas pessoas.

Segundo a Procuradoria federal, nenhum acusado ou organização civil apresentou uma reclamação contra o Governo dos Estados Unidos por cobrar aos estudantes pela operação fictícia.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …