EUA criaram universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros e deportá-los

O Governo dos Estados Unidos criou uma universidade falsa para atrair estudantes estrangeiros ilegais no país e, posteriormente, deportá-los.

A Universidade de Farmington apresentou-se como uma instituição nova, rigorosa e seletivas na escolha dos estudantes, mas aceitava candidatos de qualquer parte do mundo. Tinha uma presença ativa nas redes sociais e, como afirmava no seu site, o objetivo era “proporcionar a estudantes de todo o mundo uma experiência educativa única”.

Tinha um emblema e até um slogan — Scientia et Labor (Ciência e Trabalho). Também oferecia programas académicos com todas as certificações e autorizações relevantes.

A entidade exibia o seu aval do Departamento de Assuntos Regulatórios e de Licenciamento de Michigan e da Comissão de Acreditação de Escolas e Faculdades Profissionais. O Programa de Intercâmbio de Estudantes também a avalizou para receber estudantes estrangeiros.

A instituição cobrava por ano quase 12 mil dólares, um custo significativamente inferior ao que muitas outras instituições académicas nos Estados Unidos pedem. Mas nada parece ter levantado suspeitas, nem mesmo a ausência de salas de aula, professores contratados ou aulas ministradas.

University of Farmington

Na realidade, a Universidade de Farmington foi criada por agentes secretos numa operação do Serviço de Controlo e Imigração Aduaneira dos Estados Unidos (ICE) para prender e deportar estrangeiros que já tinham entrado no país com vistos de estudante e permaneciam ilegalmente.

Em janeiro, quando o esquema foi revelado, oito pessoas que supostamente trabalhavam como “recrutadoras” da escola — e atraíram pelo menos 600 estudantes — foram acusadas de conspiração para cometer crimes.

Nos últimos meses, mais de 250 estudantes universitários, principalmente indianos, foram deportados para os seus países de origem; e outros enfrentam pedidos de deportação, confirmou a ICE ao Detroit Free Press.

De acordo com os investigadores, a instituição era “usada por cidadãos estrangeiros” como parte de um esquema de milhares de dólares que apenas oferecia os papéis que permitiam a imigrantes ilegais continuarem a viver e a trabalhar nos Estados Unidos com visto de estudante.

Os documentos apresentados à Justiça indicam que muitos dos estudantes se tinham matriculado na instituição através de um programa chamado Formação Prática Curricular (CPT) que permite trabalhar nos Estados Unidos. Como a instituição atendia a todos os requisitos exigidos por lei, os alunos matriculados nela podiam continuar a viver legalmente nos Estados Unidos.

“Todos sabemos que os estudantes internacionais podem ser um ativo valioso para o nosso país, mas, como este caso demonstra, o bem-intencionado programa de visto de estudante internacional também pode ser explorado de uma forma abusiva“, disse o procurador federal Matthew Schneider, em comunicado à imprensa.

Segundo o site Vox, alguns estudantes dizem, entretanto, que não sabiam que estavam a violar as regras dos seus vistos e chegaram a confirmar que a universidade tinha legitimidade, tanto que a instituição contava com todas as credenciais oficiais relevantes.

Ravi Mannam, advogado especializado em imigração, disse ao jornal americano The New York Times que, embora alguns estudantes soubessem que a universidade servia apenas para manter o status de imigrante, outros acreditavam que estavam a matricular-se num programa académico legítimo com um preço mais acessível.

“O Governo usou métodos muito questionáveis e problemáticos para fazer com que estudantes estrangeiros entrassem na instituição”, disse.

As autoridades, por sua vez, dizem que os alunos sabiam que a escola era uma fraude e que optaram por se inscrever para permanecer legalmente no país.

O que aconteceu ao dinheiro pago?

Um dos pontos mais controversos da operação, além do facto de que os alunos acusados ou deportados chegaram ao país com vistos legítimos, é o destino das centenas de milhares de dólares pagos à instituição forjada pelos agentes secretos.

Estima-se que os custos de um programa de pós-graduação eram de 2.500 dólares por trimestre e os custos médios de licenciatura eram de mil dólares por mês.

Para os advogados de alguns dos acusados, o Governo americano aproveitou-se de “pessoas vulneráveis que só queriam manter o status migratório” nos Estados Unidos, além de ter ficado com milhares de dólares destas pessoas.

Segundo a Procuradoria federal, nenhum acusado ou organização civil apresentou uma reclamação contra o Governo dos Estados Unidos por cobrar aos estudantes pela operação fictícia.

  ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Monumento Pillar of Shame, na Universidade de Hong Kong

Pillar of Shame foi, em tempos, um testemunho da liberdade de Hong Kong. Agora, dizem-lhe adeus

Em tempos, a escultura Pillar of Shame, plantada na Universidade de Hong Kong, foi um testemunho das liberdades da cidade. Agora, está a ser removida. Exposta há mais de 20 anos na Universidade de Hong Kong, …

Arquitetura em nome do amor. Homem constrói casa giratória para que a esposa possa escolher a vista

Na Bósnia, um autodidata de 72 anos construiu uma casa invulgar: a habitação gira 360 graus para mudar de vista. Algumas das mais bonitas obras arquitetónicas do mundo nasceram em nome do amor. É o …

Novo SEF deverá chamar-se Agência para as Migrações e Asilo

Afinal, já não vai haver um Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA) para substituir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), mas sim uma Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA). De acordo com o …

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, com o guarda-redes Diogo Costa

Diogo Costa renova com o FC Porto até 2026

O guarda-redes Diogo Costa renovou contrato com o FC Porto até 2026, anunciaram os dragões, na tarde deste sábado. Diogo Costa, de 22 anos, aproveitou a lesão de Marchesín no início da temporada e assumiu a …

O algoritmo das plataformas de streaming afeta o que vemos (e quem somos)

As plataformas de streaming usam um algoritmo que afeta aquilo que vemos e o que queremos ver, moldando a nossa personalidade. Squid Game, o drama coreano distópico da Netflix, tornou-se a série mais vista lançada pela …

BPN e Banif custam mais do que alívio de IRS e subida de pensões

A despesa prevista no OE2022 para os veículos financeiros dos antigos Banif e BPN supera o valor previsto para medidas como o alívio no IRS e o aumento extra das pensões. Tal como destaca o Dinheiro …

A praia de Katoku, no Japão.

Praia intocada no Japão é uma das últimas do país. A sua pureza está a ser violada

A praia em Katoku, no Japão, é parte do Património Mundial da UNESCO. A construção de um paredão está a dividir a população local. Nesta praia cercada por montanhas em Katoku, no Japão, quase não há …

"Amazónia está próxima do ponto de não retorno", alerta ex-ministra brasileira

Ex-ministra brasileira do Meio Ambiente alertou, este sábado, para a aproximação da Amazónia de uma catástrofe ambiental de proporções planetárias, durante um evento da Universidade Estadual da Califórnia, Santa Bárbara (UCSB). "A Amazónia já está próxima …

Estátuas usadas num jardim eram, afinal, relíquias egípcias com milhares de anos

Duas estátuas de pedra, usadas durante muito tempo como simples decoração de jardim, foram vendidas por cerca de 230 mil euros, depois de se ter chegado à conclusão que eram, afinal, relíquias egípcias com milhares …

Pandora Papers são "embaraço também para Portugal". Caso vai ser analisado pelo Fisco

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu que, tal como já aconteceu noutros casos deste género, os Pandora Papers vão ser analisados pela Autoridade Tributária. No início de outubro, uma nova investigação do Consórcio Internacional …