EUA. Recluso no corredor da morte pede adiamento da execução para poder doar rim

(dr) Death Penalty Action

Um homem condenado à morte no estado do Texas, nos Estados Unidos (EUA), pediu que a sua execução, agendada para daqui a duas semanas, fosse adiada de forma a poder doar um rim.

A execução de Ramiro Gonzales, de 39 anos, está marcada para 13 de julho. O recluso já apresentou alguns pedidos formais para adiar a sua execução, com o objetivo de doar um rim para alguém que precise urgentemente de transplante.

A ideia para a doação surgiu quando começou a trocar correspondência com Michael Zoosman, antigo capelão da prisão e ativista contra a pena de morte, em janeiro de 2021 informou o Independent.

Numa das cartas, o ex-capelão falou-lhe de uma mulher da sua comunidade que estava à procura de um doador. Mas Gonzales, que tem um tipo de sangue raro (B), acabou por não ser compatível. Apesar disso, a sua condição sanguínea torna-o “num excelente candidato para doação”, declarou Thea Posel, uma das suas advogadas.

“Esperamos que tenha a oportunidade [de doar]. É realmente importante para ele, da sua perspetiva religiosa. É uma oportunidade de expiação e pode ser uma maneira de fazer algum tipo de reparação. Acho que seria uma farsa impedir que isso acontecesse”, acrescentou.

À Associated Press, Zoosman referiu igualmente: “não tenho dúvidas de que o desejo de Ramiro de ser um doador de rim não é motivado por uma tentativa de última hora de parar ou atrasar a sua execução”. Gonzales que encontrar “uma forma de salvar uma vida”, indicou ainda ao Independent.

Na semana passada, a jornalista Keri Blakinger, do Marshall Project, que há cinco anos cobre casos no corredor da morte, visitou Gonzales. “Como posso devolver a vida [que tirei]? Esta é uma das coisas mais próximas de o fazer. Não quer dizer que estou a salvar a vida, mas estou a impedir que alguém morra”, disse-lhe o recluso.

O departamento de justiça criminal do Texas permite aos reclusos doar órgãos e tecidos. Essa entidade, contudo, recusou um pedido submetido por Gonzales no início do ano, como indicou à Associated Press a porta-voz do departamento, Amanda Hernandez, sem avançar com uma justificação para essa decisão.

O conselho de indultos e liberdade condicional do Texas vai votar sobre o pedido de Gonzales a 11 de julho. O recluso está no corredor da morte após ser condenado pelo homicídio de Bridget Townsend, de 18 anos, crime que terá cometido em 2001.

Em 1995, Steven Shelton, condenado por assassinato no estado de Delaware, doou um rim para a mãe. Em 2013, a execução de Ronald Phillips, no Ohio, foi adiada para que o seu pedido de doação de um rim, também para a mãe, pudesse ser revisto. O pedido foi recusado e recluso executado em 2017.

Nos EUA, 13 pessoas morrem diariamente à espera de um rim, revelou a National Kidney Foundation.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.