EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

Dan Scavino / Wikimedia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com o presidente da China, Xi Jinping

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país foi superando todas as outras grandes economias mundiais. Agora, a situação segura do país também lhe dá vantagem na guerra comercial que mantém com os Estados Unidos.

De acordo com dados oficiais da alfândega, a segunda maior economia do mundo fechou 2020 com um excedente comercial de 78 mil milhões de dólares.

No ano passado, o excedente geral da China atingiu o recorde de 535 mil milhões de dólares, cerca de 27% a mais do que em 2019. Perante este cenário, as exportações atingiram um recorde histórico.

“No meio de tantas discussões sobre desglobalização, a pandemia acabou por aprofundar ainda mais os laços entre a China e o resto do mundo”, escreveu Larry Hu, economista da Macquarie Capital na China, num relatório de pesquisa.

Louis Kuijs, diretor de economia asiática da Oxford Economics, atribuiu os ganhos da China em grande parte à gestão do país em relação à pandemia, que eclodiu na cidade chinesa de Wuhan há pouco mais de um ano. O especialista acredita que Pequim beneficiou de uma grande procura por equipamentos de proteção e eletrónicos, já que grande parte da população mundial se encontrava em trabalho remoto.

Assim, e num cenário de ascensão crescente, a relação comercial da China com os Estados Unidos, tornou-se mais desequilibrada, uma vez que o excedente comercial de Pequim com Washington subiu cerca de 317 mil milhões de dólares em 2020, um aumento de 7% em relação ao ano anterior e o segundo maior valor já registado, segundo Iris Pang, economista no ING.

Kujis sugere que “a julgar pelo aumento das importações dos EUA à China em 2020, parece justo dizer que a guerra comercial de Trump com o país falhou“.

Os analistas esperam que o crescimento económico da China se recupere ainda mais. De acordo com a Reuters, vários economistas esperam que o PIB chinês cresça 2,1%.

“Como a China desempenha um papel crítico em muitas cadeias de abastecimento, e continua a ser um país fundamentalmente muito competitivo para produzir, é muito mais fácil falar do que realmente cortar laços”, disse Kuijs.

Ainda assim, os especialistas sublinham que o futuro da China terá vários desafios, sendo um deles o mandato do presidente eleito Joe Biden, que provavelmente não irá reverter parte da pressão sobre o país depois de assumir o cargo na próxima semana, recorda a CNN.

“A administração de Joe Biden irá adotar uma abordagem diferente, menos competitiva, mas mais firme em relação à China”, considera Kuijs, acrescentando que “mesmo assim, não é possível que Biden remova as tarifas sobre produtos chineses tão cedo”.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …