“Guerra” comercial EUA-China. Trump fala em acordo épico e histórico, “se acontecer”

Erik S. Lesser / EPA

Antes de se reunir com o vice-presidente chinês, Donald Trump estimou que um acordo poderia surgir nas próximas quatro semanas. No entanto, há “algum caminho a fazer”.

Donald Trump anunciou, esta quinta-feira, que os Estados Unidos e a China concordaram em “muitos dos pontos mais difíceis” na disputa comercial entre as duas potências, sublinhando, contudo, que há “algum caminho a fazer”.

Em declarações na Casa Branca, antes de se reunir com o vice-presidente chinês, Liu He, o Presidente dos Estados Unidos estimou que um acordo poderia surgir nas próximas quatro semanas.

Segundo Trump, um acordo comercial estará próximo, mas ainda não há planos para uma cimeira com o seu homólogo Xi Jinping. “Este é um acordo épico e histórico – se acontecer. Vamos ver se acontece. Há uma boa probabilidade de acontecer“, disse. Do lado chinês, Xi, citado pela agência estatal de notícias Xinhua, falou em progressos substanciais.

De acordo com o Expresso, os pontos críticos nas negociações incluem a rapidez com que as tarifas alfandegárias são revertidas, assim como a forma como será aplicado o possível acordo entre os Estados Unidos e a China. Na ausência de um entendimento, afirmou Trump, será difícil que os EUA permitam que as relações comerciais com a China continuem.

No final do ano passado, ambas as partes acordaram uma trégua de 90 dias nesta “guerra” comercial para negociações. Em caso de ausência de acordo, os Estados Unidos voltariam a impor, a partir de 1 de março, um aumento de tarifas, de 10% para 25%, em aproximadamente 200 mil milhões de dólares (cerca de 175 mil milhões de euros) de produtos importados da China. No entanto, houve um prolongamento do prazo.

Em dezembro, durante a cimeira do G20 na Argentina, Trump e Xi concordaram avançar nas negociações sobre as questões estruturais do diferendo comercial, incluindo “transferências tecnológicas, proteção da propriedade intelectual, ciberintrusão, serviços e agricultura”, como ficou estipulado num comunicado.

“Novo consenso”

Liu He disse que as negociações comerciais entre Pequim e Washington “chegaram a um novo consenso”, informou esta sexta-feira a agência estatal de notícias Xinhua.

Numa reunião com Donald Trump, na Casa Branca, Liu disse que as equipas negociadoras dos dois países “realizaram reuniões frutíferas e chegaram a um novo consenso em questões importantes como o texto do acordo económico e comercial“.

O vice-primeiro-ministro chinês, que lidera a delegação de Pequim nas negociações que decorrem nos EUA, disse que ambas as partes “continuarão com as consultas para alcançar maiores progressos em questões de interesse mútuo, de forma a concluir as negociações o mais rápido possível”.

Liu He, que estava inicialmente previsto ficar apenas dois dias em Washington, vai prosseguir esta sexta-feira as negociações com o representante norte-americano para o Comércio Robert Lighthizer, indicou fonte próxima do processo. Além de Lighthizer, o chefe da equipa negocial da China reuniu-se na quarta e na quinta-feira com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

Washington, que quer reequilibrar as trocas comerciais com o seu parceiro asiático, exige mudanças “estruturais” do sistema económico chinês, ainda dominado por grupos públicos subvencionados pelo Estado. Trump condena o desequilíbrio comercial entre os dois parceiros: no ano passado, o défice dos Estados Unidos no comércio de mercadorias com a China aumentou novamente 11,6%, para 419,16 mil milhões de dólares.

Há vários meses que o Presidente da principal potência mundial envia sinais contraditórios, ora congratulando-se com os avanços feitos nas conversações, ora brandindo a ameaça de não assinar um acordo. “É preciso que seja um bom acordo. Se não for um bom acordo, não assinaremos”, advertiu mais uma vez na quinta-feira, antes da reunião.

O chefe da equipa de negociadores norte-americana, Lighthizer, considerou, por sua vez, que ainda há “grandes pontos” de litígio para resolver, mas sem fornecer mais pormenores.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …