Estranho mamífero consegue sobreviver 18 minutos sem oxigénio

Smithsonian's National Zoo / Flickr

Heterocephalus glaber, também conhecido por rato-toupeira-nu

Heterocephalus glaber, também conhecido por rato-toupeira-nu

O rato-toupeira-nu, batizado com o nome científico Heterocephalus glaber, é um dos mamíferos mais estranhos do mundo, mas é também por isso que tem tantas características raras.

Este roedor de sangue frio, oriundo do leste de África, corre para trás com a mesma facilidade com que anda para a frente, come os seus próprios excrementos, não tem olfato e é imune a doenças como o cancro.

Agora, os cientistas descobriram mais uma habilidade que torna este rato-toupeira-nu ainda mais excepcional: é capaz de sobreviver até 18 minutos sem oxigénio, uma circunstância que, no geral, leva à morte de outros mamíferos.

Como é que consegue fazer isso? Segundo os investigadores, este animal faz entrar em ação um sistema metabólico que só é encontrado em outra espécie completamente diferente: as plantas.

Quando o oxigénio se esgota, explicam os autores do estudo publicado na revista Science, que estes roedores deixam de queimar a glucose como fonte de energia e passam a usar a frutose.

Sem danos

O ar que respiramos tem normalmente cerca de 21% de oxigénio. Se nos submetermos a um processo de adaptação, podemos sobreviver com um nível de cerca de 10%. Abaixo disso, o corpo deixa de funcionar bem. Com 5%, o nosso organismo para.

Thomas Park, professor da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, e co-autor do estudo, colocou um grupo destes animais num ambiente com 5% de oxigénio. Resultado: passadas cinco horas, os roedores não demonstravam qualquer tipo de problema.

O nível foi reduzido então a zero. Para surpresa dos cientistas, os animais entraram num estado de animação suspensa por pouco mais de 18 minutos “sem nenhum dado neurológico”, como explica Jane Reznick, bióloga do Centro de Medicina Molecular Max Delbrück em Berlim, na Alemanha, co-autora da pesquisa.

Capacidade latente

Ainda que os cientistas soubessem que estes mamíferos vivem em colónias subterrâneas, onde o oxigênio é escasso, nunca antes tinham testado o seu limite de sobrevivência.

Nas experiências, mediante a redução do nível de oxigénio, os animais fecharam os olhos, pararam de se movimentar e diminuíram as pulsações e o ritmo respiratório de uma forma drástica.

Para sobreviver, desligaram um sistema metabólico, baseado em glucose, e ativaram outro, que usa a frutose e dispensa o oxigénio para funcionar. Não se trata de um método muito eficiente, mas permite produzir energia de uma forma estável.

Os investigadores acreditam que estes animais desenvolveram uma estratégia singular para se adaptar ao estilo de vida nas colónias subterrâneas onde habitam.

Entender como ocorre esta troca metabólica pode ajudar os cientistas a criar tratamentos para pacientes que sofram com uma crise de falta de oxigénio como, por exemplo, em ataques cardíacos ou problemas cerebrais. O próximo passo da pesquisa é averiguar se os seres humanos têm uma capacidade latente de fazer o mesmo.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pobres bichos! Estranhos mamíferos são as pessoas, que sacrificam animais para chegarem a estas maravilhosas descobertas. Quantos terão sido privados de oxigénio para se chegar a esta brilhante conclusão?

RESPONDER

Flamengo chega a acordo com o Inter por Gabigol

Flamengo e Inter de Milão já chegaram a acordo para a transferência definitiva de Gabigol, jogador que esteve durante a última temporada na equipa brasileira por empréstimo. Segundo o portal brasileiro Globo Esporte, os dirigentes do …

Espanha quer "assaltar" o lugar de Centeno no Eurogrupo

Nadia Calviño, a número dois do Governo Espanhol, assume-se como favorita para assumir a presidência do Eurogrupo, caso o ministro das Finanças português, Mário Centeno, decida não entrar na corrida. A notícia é avançada esta terça-feira …

Dívidas de hospital de Lisboa travam compra de dois medicamentos para cancro

As dívidas do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte, que inclui os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, levaram o Tribunal de Contas (TdC) a chumbar a compra de dois medicamentos para um cancro …

Em 15 dias, foram transferidos 73 milhões da Sonangol para uma empresa de Isabel dos Santos

Em 15 dias, foram transferidos 73 milhões das contas da petrolífera estatal Sonangol no private banking do Eurobic, em Lisboa, para uma empresa de Isabel dos Santos, avança o Correio da Manhã esta terça-feira. …

Livro de John Bolton pode prolongar julgamento de Donald Trump

  Ao segundo dia de defesa dos advogados da Casa Branca no julgamento do impeachment de Donald Trump, caiu uma "bomba" no Senado. O livro escrito por John Bolton, ex-conselheiro de segurança nacional do Presidente dos …

Afinal, Bruno Fernandes pode rumar ao Barcelona (e fazer escala no Valência)

Afinal, o futuro do internacional português Bruno Fernandes pode passar por Espanha e não por Inglaterra, onde foi dado como quase certo. O negócio envolve dois emblemas espanhóis e o avançado ex-Benfica Rodrigo Moreno. De …

Coronavírus já matou 106 pessoas na China. E já chegou à Alemanha

A China elevou para 106 o número de mortos causados pelo coronavírus e o número de infetados já chegou aos quatro mil. Esta segunda-feira, confirmou-se um caso na Alemanha, sendo agora o segundo país da …

Iniciativa Liberal quer privatizar CGD, TAP e RTP

O Iniciativa Liberal quer privatizar a Caixa Geral de Depósitos, a TAP e a RTP. Esta segunda-feira, no Parlamento, o deputado único João Cotrim Figueiredo defendeu ainda a redução do IVA na eletricidade para uma …

PSD convidou BE e PCP para negociar. Teme-se uma "perigosa" coligação negativa no IVA da luz

O PSD está disponível para "conversar" com a esquerda parlamentar para negociar uma solução que permita baixar o IVA da eletricidade. A garantia foi dada por um dos coordenadores do processo orçamental do PSD, Duarte Pacheco, …

Cientistas fazem múmia de 3.000 anos "falar" (e já a podemos ouvir)

Uma equipa de cientistas recriou o som da voz de um antigo padre egípcio com a ajuda de uma múmia com três mil anos e usando uma combinação de tomografias computadorizadas, impressão 3D e uma laringe …