Estão a chegar aos hospitais pessoas em condições sociais difíceis

Rodrigo Gatinho / portugal.gov

Ministro da Saúde, Paulo Macedo

Ministro da Saúde, Paulo Macedo

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, admitiu esta segunda-feira que há casos de pessoas a chegar aos hospitais em condições sociais “difíceis”, em consequência do “tempo difícil” que o país atravessa.

Paulo Macedo comentava uma notícia divulgada hoje pela rádio Antena 1, segundo a qual há cada vez mais grávidas a chegar com fome às urgências do Hospital Amadora-Sintra e bebés a não receberam alta porque as famílias não tem condições para os acolher.

Confrontado pelos jornalistas sobre esta situação, à margem de uma cerimónia de inauguração de serviços de medicina nuclear do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, o ministro afirmou: “chegam-nos, de facto, pessoas em condições difíceis, próprio do tempo difícil em que estamos”.

Paulo Macedo lembrou que os casos sociais nos hospitais existem há muitos anos, mas a situação tem vindo a ser melhorada.

“Há três anos os hospitais tinham múltiplas camas de cuidados de agudos, ocupadas por pessoas que, por razões familiares, não lhes permitiam dar alta“, adiantou o ministro.

A situação tem vindo a ser combatida, mas Paulo Macedo defendeu que “a articulação com a rede de cuidados continuados” precisa de ser melhorada.

“À medida que temos aberto novas camas, também temos [feito] uma revisão da legislação para todos os casos de carácter social poderem ser tratados (…) na esfera social e não na esfera da saúde”, sustentou.

Contactada pela Lusa, a presidente da Associação dos Profissionais de Serviço Social, Fernanda Rodrigues, disse que tem havido “um aumento muito significativo dos problemas sociais“.

“Estamos num período de grande alastramento das dificuldades”, sustentou Fernanda Rodrigues, sublinhando o caso das grávidas e das crianças é “uma dessas manifestações, mas não é única”.

A associação tem reportadas situações várias ligadas à saúde, mas também a outras áreas, onde “as condições sociais que as pessoas vivem estão a aparecer traduzidas de múltiplas formas”.

“Hoje estamos a falar da questão das crianças e de grávidas com carências alimentares, mas também poderíamos falar dos idosos e das grandes dificuldades de que muitas das pessoas que vivem em habitação social estão a viver para satisfazer os seus compromissos”, acrescentou.

Estas situações estão associadas, em primeiro lugar, ao desemprego, mas também ao emprego precário e à redução das prestações sociais, explicou.

Estas pessoas socorrem-se inicialmente do apoio da família, mas quando este se esgota recorrem às instituições, algumas das quais “já estão no limite das suas possibilidades”.

“Se chegamos ao fim da linha das possibilidades que muitas pessoas têm, das possibilidades que as redes familiares e as instituições particulares de solidariedade social têm, julgo que se justifica um reforço das políticas públicas”, defendeu.

Para a presidente da associação, “o grande problema” é se está a haver “respostas proporcionais à dimensão dos problemas”, reflectido num aumento na procura dos serviços entre os 15 e os 25%.

“A ideia que se recolhe de muitos serviços de atendimento da linha da frente é que continuamos a viver uma desproporção entre os problemas, que são maiores, e os recursos encaminhados para eles, que não são suficientes”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia com tendência decrescente nos serviços de saúde e na mortalidade

Portugal regista uma situação pandémica de “intensidade moderada”, mas com uma tendência decrescente da pressão sobre os serviços de saúde e na mortalidade associada à covid-19, refere o relatório das “linhas vermelhas” hoje divulgado. Segundo a …

Vacinas da gripe vão ser dadas nos centros de vacinação covid-19

Os centros de vacinação usados para administrar as vacinas contra a covid-19 vão também passar a ser usados para vacinar contra a gripe. Numa nota enviada às redações, a task force anunciou que os centros de …

Irmã de Kim Jong-un diz que acabar com a Guerra da Coreia é uma "ideia admirável"

Esta sexta-feira, Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un, disse que o país está disposto a retomar as conversações com a Coreia do Sul se o vizinho não provocar o Norte com políticas hostis. Ri …

"Que se lixe o Congresso", diz líder do CDS

O líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos disse não estar "minimamente preocupado" nem "concentrado em táticas para congressos internos". O presidente do CDS disse esta sexta-feira que não está “minimamente preocupado” com a próxima reunião magna …

Detidos CEO e chairman do grupo HNA, antigo acionista da TAP

Chen Feng e Tan Xiangdon, o chairmain e o CEO do grupo HNA, que já deteve uma participação na TAP, foram detidos esta sexta-feira.  O chairmain e o CEO do grupo HNA terão sido detidos na …

OMS inclui mais dois medicamentos nas recomendações para tratamento

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acrescentou na quinta-feira dois medicamentos à lista de fármacos admitidos para tratamento da covid-19 e pediu à farmacêutica que os produz para baixar os preços e levantar as patentes. O …

Puigdemont em liberdade, mas com proibição de sair da Sardenha

O Tribunal de Recurso de Sassari decidiu, esta sexta-feira, deixar em liberdade o ex-presidente catalão Carles Puigdemont. Enquanto decorrer o processo judicial, não pode sair da ilha italiana. Carles Puigdemont saiu em liberdade esta sexta-feira, depois …

Centenas de pessoas protestam em Barcelona contra a prisão de Puigdemont em Itália

Centenas de pessoas reuniram-se próximo do consulado italiano em Barcelona em protesto contra a prisão de Carles Puigdemont. Centenas de pessoas reuniram-se esta sexta-feira próximo do consulado italiano em Barcelona, guardado por um forte dispositivo da …

Portugal com mais 9 mortes e 757 casos de covid-19

Portugal registou 757 novos casos e nove mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou, nas últimas …

EUA comprometem-se a tomar medidas concretas para resolver diferenças com França

Os Estados Unidos continuam a tentar resolver as diferenças com a França na sequência da crise dos submarinos, com o secretário de Estado a admitir que Washington terá de tomar medidas concretas para reconquistar a …