Estado perdeu mais de 68 mil funcionários em quatro anos e meio

SXC

-

O Estado perdeu mais de 68 mil funcionários públicos entre dezembro de 2011 e junho de 2016, o que representa uma quebra de 9,4% nos últimos quatro anos e meio.

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público, divulgada hoje pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a 30 de junho de 2016, o emprego no setor das administrações públicas situava-se em 659.149 postos de trabalho, mostrando uma quebra de 9,4% face a 31 de dezembro de 2011 (correspondente a uma redução de 68.024 postos de trabalho).

No entanto, numa comparação com o período homólogo de 2015, registou-se um aumento do emprego de 0,7%, correspondente a mais 4.585 postos de trabalho.

A administração central é o subsetor que revela a maior diminuição de emprego face ao final de 2011, com uma redução de 49 mil pontos de trabalho, que traduzem, em termos percentuais, uma quebra de 8,9%.

Já em comparação com o final do trimestre anterior, os dados da DGAEP indicam que o emprego nas administrações públicas caiu em 2.952 postos de trabalho (-0,5%) no segundo trimestre deste ano, em resultado da redução do número de trabalhadores da administração central (menos 3.343 correspondente a uma quebra de 0,7%).

Esta queda é justificada pela “cessação, no final do ano letivo, de contratos a termo de trabalhadores nos estabelecimentos de ensino básico e secundário, em particular, técnicos superiores para atividades de enriquecimento escolar e docentes”.

Por outro lado, registou-se um aumento de emprego de 1,6% no trimestre em análise, no Ministério da Administração Interna, que “decorre principalmente de novos contratos a termo de vigilantes da floresta na GNR, para as operações de prevenção de incêndios durante o verão”.

A 30 de junho de 2016, o emprego por subsetores nas administrações públicas apresenta uma estrutura igual à do final de 2015, com 76,2% dos trabalhadores em entidades da administração central, 16,7% na administração local e 5,6% na administração regional autónoma.

Com um peso na população total de 6,4%, o emprego no setor das administrações públicas representava, a 30 de junho último, cerca de 12,8% da população ativa e de 14,4% da população empregada.

A 30 de junho, em cada dez trabalhadores das administrações públicas, seis eram mulheres, representando 15,7% da população ativa.

Quanto ao valor da remuneração média mensal dos trabalhadores a tempo completo nas administrações públicas, este era de 1.431,7 euros, correspondendo a uma variação global média de 1,1% face ao mês de referência do trimestre anterior (janeiro).

/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

      • Pois pagam, mas entre os 100€ que recebem e os 10€ que pagam de impostos, há 90€ de défice, cuja utilidade seria bastante maior se aplicados correctamente, por exemplo no SNS. Já agora, os privados pagam também o SNS com os seus impostos. SNS ao qual de resto os funcionários públicos e os politicos, por exemplo, não recorrem e preferem o privado. Deve ser por o SNS ser óptimo…

        • Os impostos são pagos em proporção com o que se recebe. É básico. Estar aí a revelar mentiras é próprio de ignorantes ou de quem tem fundamentos.
          O privado o que desconta é para a Segurança Social, 11%, para efeitos de subsídio de desemprego e reforma, não é para o SNS.
          Enquanto isso os funcionários públicos descontam 11% para a aposentação (CGA), e 3,5% para a ADSE (saúde). Quando vão aos hospitais ou Centro de Saúde pagam taxas moderadoras e é a ADSE que paga o restante ao SNS.
          Além de que, depois de aposentados, continuam a descontar para a saúde, o que não acontece no privado. Eu e muitos fp recorrem aos hospitais públicos. Também o SNS tem acordos com o privado.
          Como vê somos (FP) mais penalizados. Informe-se e não diga mentiras que lhe fica muito mal.

  1. Cara Ana Gonçalves, vou responder pela ultima vez, uma vez que quando se entra no campo do insulto não cale a pena insistir.
    Como lhe disse, mas talvez não tenha entendido, o IRS é pago por todos (de acordo com o que recebem) e é daí, na sua maioria, que é pago o SNS. Os fp e os privados, pagam 11% para as reformas e assistência social, nada de mais natural. Opcionalmente, os fp pagam 3,5% para a ADSE, tal como os privados podem fazer o seu seguro de saude (aqui é menos natural que os privados não possam aceder à ADSE, mas enfim não é por aí).
    O que gerou o meu post inicial e a sua resposta, nada tem que ver com isto. Tem a ver com o facto de existirem demasiados fp em Portugal, que custam enorme fatia do orçamento estado e portanto consomem valor desnecessário, porque se podia ter os mesmos serviços publicos (pagos com o IRS dos fp e dos privados) por muito menos dinheiro. Esse valor poderia ser aplicado no SNS, ou na educação, ou … no que se entendesse em cada momento.
    Julgo ter ficado mais explicito agora e já agora bom carnaval, que é mais uma regalia exclusiva dos fp em Portugal…

RESPONDER

NASA revela novos fatos espaciais que os astronautas vão levar para a Lua (e são pura ficção científica)

A NASA apresentou na terça-feira, na sua sede, em Washington, Estados Unidos, os novos fatos espaciais que os astronautas da missão Artemis vão usar em 2024, quando voltarem à Lua. Fatos feitos em modelos 3D, à …

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …