Estado perdeu mais de 68 mil funcionários em quatro anos e meio

SXC

-

O Estado perdeu mais de 68 mil funcionários públicos entre dezembro de 2011 e junho de 2016, o que representa uma quebra de 9,4% nos últimos quatro anos e meio.

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público, divulgada hoje pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a 30 de junho de 2016, o emprego no setor das administrações públicas situava-se em 659.149 postos de trabalho, mostrando uma quebra de 9,4% face a 31 de dezembro de 2011 (correspondente a uma redução de 68.024 postos de trabalho).

No entanto, numa comparação com o período homólogo de 2015, registou-se um aumento do emprego de 0,7%, correspondente a mais 4.585 postos de trabalho.

A administração central é o subsetor que revela a maior diminuição de emprego face ao final de 2011, com uma redução de 49 mil pontos de trabalho, que traduzem, em termos percentuais, uma quebra de 8,9%.

Já em comparação com o final do trimestre anterior, os dados da DGAEP indicam que o emprego nas administrações públicas caiu em 2.952 postos de trabalho (-0,5%) no segundo trimestre deste ano, em resultado da redução do número de trabalhadores da administração central (menos 3.343 correspondente a uma quebra de 0,7%).

Esta queda é justificada pela “cessação, no final do ano letivo, de contratos a termo de trabalhadores nos estabelecimentos de ensino básico e secundário, em particular, técnicos superiores para atividades de enriquecimento escolar e docentes”.

Por outro lado, registou-se um aumento de emprego de 1,6% no trimestre em análise, no Ministério da Administração Interna, que “decorre principalmente de novos contratos a termo de vigilantes da floresta na GNR, para as operações de prevenção de incêndios durante o verão”.

A 30 de junho de 2016, o emprego por subsetores nas administrações públicas apresenta uma estrutura igual à do final de 2015, com 76,2% dos trabalhadores em entidades da administração central, 16,7% na administração local e 5,6% na administração regional autónoma.

Com um peso na população total de 6,4%, o emprego no setor das administrações públicas representava, a 30 de junho último, cerca de 12,8% da população ativa e de 14,4% da população empregada.

A 30 de junho, em cada dez trabalhadores das administrações públicas, seis eram mulheres, representando 15,7% da população ativa.

Quanto ao valor da remuneração média mensal dos trabalhadores a tempo completo nas administrações públicas, este era de 1.431,7 euros, correspondendo a uma variação global média de 1,1% face ao mês de referência do trimestre anterior (janeiro).

/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

      • Pois pagam, mas entre os 100€ que recebem e os 10€ que pagam de impostos, há 90€ de défice, cuja utilidade seria bastante maior se aplicados correctamente, por exemplo no SNS. Já agora, os privados pagam também o SNS com os seus impostos. SNS ao qual de resto os funcionários públicos e os politicos, por exemplo, não recorrem e preferem o privado. Deve ser por o SNS ser óptimo…

        • Os impostos são pagos em proporção com o que se recebe. É básico. Estar aí a revelar mentiras é próprio de ignorantes ou de quem tem fundamentos.
          O privado o que desconta é para a Segurança Social, 11%, para efeitos de subsídio de desemprego e reforma, não é para o SNS.
          Enquanto isso os funcionários públicos descontam 11% para a aposentação (CGA), e 3,5% para a ADSE (saúde). Quando vão aos hospitais ou Centro de Saúde pagam taxas moderadoras e é a ADSE que paga o restante ao SNS.
          Além de que, depois de aposentados, continuam a descontar para a saúde, o que não acontece no privado. Eu e muitos fp recorrem aos hospitais públicos. Também o SNS tem acordos com o privado.
          Como vê somos (FP) mais penalizados. Informe-se e não diga mentiras que lhe fica muito mal.

  1. Cara Ana Gonçalves, vou responder pela ultima vez, uma vez que quando se entra no campo do insulto não cale a pena insistir.
    Como lhe disse, mas talvez não tenha entendido, o IRS é pago por todos (de acordo com o que recebem) e é daí, na sua maioria, que é pago o SNS. Os fp e os privados, pagam 11% para as reformas e assistência social, nada de mais natural. Opcionalmente, os fp pagam 3,5% para a ADSE, tal como os privados podem fazer o seu seguro de saude (aqui é menos natural que os privados não possam aceder à ADSE, mas enfim não é por aí).
    O que gerou o meu post inicial e a sua resposta, nada tem que ver com isto. Tem a ver com o facto de existirem demasiados fp em Portugal, que custam enorme fatia do orçamento estado e portanto consomem valor desnecessário, porque se podia ter os mesmos serviços publicos (pagos com o IRS dos fp e dos privados) por muito menos dinheiro. Esse valor poderia ser aplicado no SNS, ou na educação, ou … no que se entendesse em cada momento.
    Julgo ter ficado mais explicito agora e já agora bom carnaval, que é mais uma regalia exclusiva dos fp em Portugal…

RESPONDER

Empresário de Casillas condenado a quatro anos de prisão

Santos Márquez, o agente que mediou a transferência do futebolista Iker Casillas para o FC Porto, foi condenado esta quinta-feira a quatro anos de prisão, escreve o jornal espanhol El Confidencial.  O Tribunal Provincial de Palma …

Islândia está a tentar trazer de volta árvores cortadas pelos Vikings

Numa tentativa de reflorestar o país, a Islândia está a tentar trazer de volta as árvores derrubadas pelos Vikings no passado. É o país menos florestado da Europa. As árvores na Islândia são tão raras e …

Parlamento encerra trabalhos com reunião-maratona de sete ou oito horas

O parlamento encerra, na sexta-feira, a legislatura com uma reunião plenária que começa às 09:00, para vários debates e uma “maratona” de votações, e deverá prolongar-se, no total, sete a oito horas, até às 17:00. A …

EUA. Florida recruta insetos para matar plantas invasoras

A Florida, nos Estados Unidos (EUA), está a importar insetos para travar as espécies invasoras que estão a destruir as plantas do Parque Nacional de Everglades. Estes insetos parecem ser menos prejudiciais do que as …

Falcao colocado na órbita do FC Porto

O avançado do Mónaco está a ser apontado pela imprensa francesa como possível reforço do FC Porto. De acordo com o portal Le10Sport, os dragões estão no mercado a tentar garantir a contratação de Radamel Falcao, internacional …

TAP deu prémios em ano de prejuízos quando era totalmente pública

O presidente executivo da TAP disse que os prémios atribuídos relacionam-se com a melhoria de indicadores e que não é a primeira vez que a companhia paga prémios em ano de prejuízos, incluindo quando era …

MP pede à Hungria extensão do Mandado de Detenção Europeu de Rui Pinto

O Ministério Público (MP) pediu à Hungria o alargamento do Mandado de Detenção Europeu (MDE) de Rui Pinto para assim poder acusar o colaborador do Football Leaks por novos factos apurados na investigação relacionada com …

Alcochete. Bruno de Carvalho está na lista internacional de terroristas

Juntamente com os outros 43 arguidos do processo do ataque à Academia de Alcochete, Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting CP, está na lista internacional de terroristas. A advogada de Fernando Mendes, antigo líder da …

O primeiro golfinho boto-branco ibérico visitou praias de Matosinhos e Porto. Chama-se Gaspar

O primeiro golfinho boto-branco registado na Península Ibérica tem visitado as praias do Porto e de Matosinhos e, além de ser bastante "sociável", os pescadores acreditam tratar-se de uma fêmea por já o terem avistado …

Centro nos EUA com condições "cruéis e ilegais" mantém quase 2 mil crianças detidas

A Amnistia Internacional (AI) denunciou nesta quinta-feira as condições "cruéis e ilegais" em que vivem quase duas mil crianças migrantes, a maior parte desacompanhada, num centro de detenção em Homestead, na Florida, Estados Unidos (EUA), …