Estado perdeu mais de 68 mil funcionários em quatro anos e meio

SXC

-

O Estado perdeu mais de 68 mil funcionários públicos entre dezembro de 2011 e junho de 2016, o que representa uma quebra de 9,4% nos últimos quatro anos e meio.

De acordo com a Síntese Estatística do Emprego Público, divulgada hoje pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a 30 de junho de 2016, o emprego no setor das administrações públicas situava-se em 659.149 postos de trabalho, mostrando uma quebra de 9,4% face a 31 de dezembro de 2011 (correspondente a uma redução de 68.024 postos de trabalho).

No entanto, numa comparação com o período homólogo de 2015, registou-se um aumento do emprego de 0,7%, correspondente a mais 4.585 postos de trabalho.

A administração central é o subsetor que revela a maior diminuição de emprego face ao final de 2011, com uma redução de 49 mil pontos de trabalho, que traduzem, em termos percentuais, uma quebra de 8,9%.

Já em comparação com o final do trimestre anterior, os dados da DGAEP indicam que o emprego nas administrações públicas caiu em 2.952 postos de trabalho (-0,5%) no segundo trimestre deste ano, em resultado da redução do número de trabalhadores da administração central (menos 3.343 correspondente a uma quebra de 0,7%).

Esta queda é justificada pela “cessação, no final do ano letivo, de contratos a termo de trabalhadores nos estabelecimentos de ensino básico e secundário, em particular, técnicos superiores para atividades de enriquecimento escolar e docentes”.

Por outro lado, registou-se um aumento de emprego de 1,6% no trimestre em análise, no Ministério da Administração Interna, que “decorre principalmente de novos contratos a termo de vigilantes da floresta na GNR, para as operações de prevenção de incêndios durante o verão”.

A 30 de junho de 2016, o emprego por subsetores nas administrações públicas apresenta uma estrutura igual à do final de 2015, com 76,2% dos trabalhadores em entidades da administração central, 16,7% na administração local e 5,6% na administração regional autónoma.

Com um peso na população total de 6,4%, o emprego no setor das administrações públicas representava, a 30 de junho último, cerca de 12,8% da população ativa e de 14,4% da população empregada.

A 30 de junho, em cada dez trabalhadores das administrações públicas, seis eram mulheres, representando 15,7% da população ativa.

Quanto ao valor da remuneração média mensal dos trabalhadores a tempo completo nas administrações públicas, este era de 1.431,7 euros, correspondendo a uma variação global média de 1,1% face ao mês de referência do trimestre anterior (janeiro).

/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

      • Pois pagam, mas entre os 100€ que recebem e os 10€ que pagam de impostos, há 90€ de défice, cuja utilidade seria bastante maior se aplicados correctamente, por exemplo no SNS. Já agora, os privados pagam também o SNS com os seus impostos. SNS ao qual de resto os funcionários públicos e os politicos, por exemplo, não recorrem e preferem o privado. Deve ser por o SNS ser óptimo…

        • Os impostos são pagos em proporção com o que se recebe. É básico. Estar aí a revelar mentiras é próprio de ignorantes ou de quem tem fundamentos.
          O privado o que desconta é para a Segurança Social, 11%, para efeitos de subsídio de desemprego e reforma, não é para o SNS.
          Enquanto isso os funcionários públicos descontam 11% para a aposentação (CGA), e 3,5% para a ADSE (saúde). Quando vão aos hospitais ou Centro de Saúde pagam taxas moderadoras e é a ADSE que paga o restante ao SNS.
          Além de que, depois de aposentados, continuam a descontar para a saúde, o que não acontece no privado. Eu e muitos fp recorrem aos hospitais públicos. Também o SNS tem acordos com o privado.
          Como vê somos (FP) mais penalizados. Informe-se e não diga mentiras que lhe fica muito mal.

  1. Cara Ana Gonçalves, vou responder pela ultima vez, uma vez que quando se entra no campo do insulto não cale a pena insistir.
    Como lhe disse, mas talvez não tenha entendido, o IRS é pago por todos (de acordo com o que recebem) e é daí, na sua maioria, que é pago o SNS. Os fp e os privados, pagam 11% para as reformas e assistência social, nada de mais natural. Opcionalmente, os fp pagam 3,5% para a ADSE, tal como os privados podem fazer o seu seguro de saude (aqui é menos natural que os privados não possam aceder à ADSE, mas enfim não é por aí).
    O que gerou o meu post inicial e a sua resposta, nada tem que ver com isto. Tem a ver com o facto de existirem demasiados fp em Portugal, que custam enorme fatia do orçamento estado e portanto consomem valor desnecessário, porque se podia ter os mesmos serviços publicos (pagos com o IRS dos fp e dos privados) por muito menos dinheiro. Esse valor poderia ser aplicado no SNS, ou na educação, ou … no que se entendesse em cada momento.
    Julgo ter ficado mais explicito agora e já agora bom carnaval, que é mais uma regalia exclusiva dos fp em Portugal…

RESPONDER

Disseram que não eram jogadores para o Sporting e mandaram tirar a camisa, conta Wendel

O médio Wendel relatou em tribunal que os elementos que invadiram o balneário na academia de Alcochete disseram que os atletas não eram futebolistas para o Sporting e ordenaram que despissem as camisolas. Na décima sessão …

Jorge Jesus vence prémio "Bola de Prata" para melhor treinador do Brasileirão

Jorge Jesus volta a fazer história. O treinador recebeu, esta segunda-feira, o prémio Bola de Prata da ESPN Brasil para melhor treinador. Jorge Jesus, o técnico português que se sagrou campeão da liga brasileira de futebol …

Denunciantes são "essenciais para combater a corrupção", mas em Portugal há "falta de sensibilidade"

Esta segunda-feira, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que em Portugal "existem falhas de sensibilidade" face aos denunciantes, que "não são protegidos", apesar de serem "absolutamente essenciais para combater a corrupção", frisando o exemplo de Rui …

Produtores de vinagre italiano perdem batalha pela exclusividade do termo "balsâmico"

Os produtores de vinagre italiano de Modena reclamavam a exclusividade do termo "balsâmico". O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) não lhes deu razão. Segundo a BBC, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) …

Catarina Martins desvaloriza críticas internas. BE "é o partido mais plural da sociedade portuguesa"

Catarina Martins disse ser natural que sejam apresentadas várias moções à convenção do partido. Alguns membros apontam falta de debate interno, críticas relativizadas pela coordenadora. Catarina Martins considerou natural que se apresentem várias moções à convenção …

Homens e mulheres já podem entrar juntos em restaurantes na Arábia Saudita

A Arábia Saudita acabou com a exigência de entradas separadas em restaurantes para homens e mulheres e com a separação entre sexos à mesa. Até agora era obrigatório ter uma entrada para famílias e mulheres …

Exército japonês pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados na II Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército do Japão pediu ao Governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News. Os 23 …

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos na terça-feira

Mário Centeno apresenta aos partidos, esta terça-feira, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado. Só o Livre fica de fora por "impedimento de agenda". O Governo apresenta amanhã, dia 10 de dezembro, as linhas …

Amianto. Fenprof vai apresentar queixa em Bruxelas

A Fenprof acusa o Governo português de não cumprir a diretiva comunitária que impõe a retirada de amianto de edifícios públicos, incluindo escolas. A Federação Nacional de Professores (Fenprof) vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia …

Luís Maximiano: "Battaglia levou com o garrafão de água e o Misic com um cinto na cara"

O guarda-redes do Sporting disse esta segunda-feira que ficou “bloqueado e sem reação” durante o ataque à Academia de Alcochete, descrevendo as agressões aos colegas de equipa, após a entrada no balneário de mais de …