Estado pagou mais de 1.500 milhões de euros com PPP em 2014

Os encargos com as parcerias público-privadas (PPP) aumentaram quase 60% em 2014 face a 2013, atingindo 1.544 milhões de euros, estima a UTAO, alertando que estes contractos “constituem uma fonte de risco orçamental não negligenciável”.

Numa nota sobre a execução orçamental das PPP a que a agência Lusa teve hoje acesso, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirma que os encargos líquidos globais das PPP, que englobam encargos correntes e reposição de equilíbrio financeiro, subiram entre 2013 e 2014, atingindo 1.544 milhões de euros no ano passado, o que corresponde a 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os técnicos independentes de apoio ao parlamento apontam que em 2014 registou-se um “novo acréscimo significativo”, de mais 576 milhões de euros face a 2013 (um aumento de 58,9%), dos encargos correntes com as PPP, devido sobretudo ao “contributo das PPP do sector rodoviário, cujos encargos líquidos subiram 555 milhões de euros” face ao ano anterior, nomeadamente pelo “início de pagamento das subconcessões rodoviárias da empresa Estradas de Portugal” (EP).

No OE2015, preparado em outubros passado, citado pela UTAO, o Governo estimava que os encargos com as PPP em 2014 ficassem pelos 1.458 milhões de euros, mas de acordo com os técnicos esses encargos ficaram 86 milhões de euros acima do antecipado.

A unidade alerta ainda que “em 2014 o valor actual dos encargos brutos futuros [previstos no OE2015] representava cerca de 11,1% do PIB”, ou seja, 19.200 milhões de euros, advertindo que “devido à dimensão das responsabilidades futuras do Estado, as PPP constituem uma fonte de risco orçamental não negligenciável”.

Além disso, a UTAO aponta que se encontram pendentes pedidos de reposição do equilíbrio financeiro envolvendo montantes expressivos. Recordando o Programa de Estabilidade 2015-2019, apresentado pelo Governo, os técnicos escrevem que “o valor global dos pedidos de reposição do equilíbrio financeiro [pelos privados] atingiu perto de 3.700 milhões de euros”, cerca de 2,1% do PIB, “sendo que o sector rodoviário representa cerca de 3.500 milhões de euros”.

Estes pedidos foram efectuados em 2012 e 2013, “não se conhecendo até à data a decisão final dos respectivos tribunais arbitrais”, escrevem.

Outro risco é o facto de “a materialização das estimativas de poupanças decorrentes dos processos de renegociação em curso e estar dependente da aprovação pelas entidades financiadoras e da apreciação do Tribunal de Contas” (TdC).

Ou seja, apesar de algumas das poupanças estimadas terem vindo a ser incluídas nas previsões orçamentais, “os processos de renegociação envolvem um conjunto de requisitos formais”, como o visto do TdC, o que significa que “os processos iniciados não estão concluídos” e, assim, “as estimativas de poupança consideradas ao nível da execução orçamental não se encontram ainda materializadas”.

O Governo estima uma poupança acumulada de 7.200 milhões de euros ao longo da vigência dos contractos de PPP rodoviárias, ou seja, até 2041. “Em termos de valor actualizado para 2014, as poupanças em encargos brutos entre 2014 e 2041, representam cerca de 3.800 milhões”, escreve a UTAO.

Outro risco apontado pelos técnicos é o facto de a responsabilidade pelas grandes reparações das PPP rodoviárias, das concessionárias para a esfera da EP, no âmbito das renegociações ainda em curso, “poderá conduzir a encargos orçamentais futuros, caso as reparações se venham a revelar necessárias”.

A UTAO recorda que de acordo com os contractos atuais, as grandes reparações são pagas antecipadamente pelo concedente com base numa mera previsão de ocorrência, mesmo que não sejam necessárias. “Futuramente, estes encargos apenas serão suportados pelo parceiro público se, e quando, vier efectivamente a ser necessária a realização de uma grande reparação”, explica.

Os técnicos advertem ainda que “as receitas provenientes de portagem poderão vir a situar-se abaixo do orçamentado“.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Alguém quer perguntar ao Dr. António Costa o que vai fazer com as PPP elaboradas pelo anterior governo socialista, quem sabe se ele não promete que acaba com elas.
    E perguntem também como vamos pagar os 50 milhões da E-escola e os 300 milhões dos estaleiros de Viana

  2. Já agora perguntem a este pseudo primeiro ministro o que é que ele fez para minimizar este dano das ppp e porque é que quer entregar os transportes públicos a privados e ao mesmo tempo dar-lhe de bandeja 300 milhões. Continuem a votar psd…

  3. E será que não são julgados os pulhas que fizeram tanta trafulhice? Nem pelos eleitores? PPPs por 1º ministro:
    Barroso 300mi, Guterres 3.000mi, Cavaco 700mi, Socrates 13.000mi = o preso 44 esticou-se demais.

  4. O Sr. Inginheiro deve estar preso não só pelos ilícitos que supostamente cometeu mas também por estas ”jogadas” que hipotecam o país por várias gerações. è preciso não esquecer que não está nisto sozinho e que deviam estar a fazer-lhe companhia alguns ex-ministros dos seus governos a começar pelo Teixeira dos Santos que sempre deu o seu aval a tudo e que declarou que a privatização do BPN não custaria um cêntimo aos contribuintes. SÃO TODOS DA MESMA LAIA. NÃO HÁ UM QUE APROVEITE. Nas próximas eleições votarei Zézé Camarinha cujo único delito conhecido foi o de viver à pála, consentida, das ”bifas” sem prejuízo para os contribuintes, muito pelo contrário.

RESPONDER

TAP a financiar-se sozinha já em 2022. Renegociação dos acordos arranca até abril

O ministro das Finanças, João Leão, considerou que a TAP deve conseguir financiar-se nos mercados já no próximo ano, dependendo isso da velocidade da retoma e da relação com os atuais investidores. "É importante que a …

Biden propõe estímulo de 1,9 mil milhões. Republicana promete processo de destituição após tomada de posse

O presidente eleito norte-americano Joe Biden pretende aplicar 1,9 mil milhões de dólares em medidas de aceleração da vacinação para a covid-19 e assistência financeira a indivíduos e empresas. Biden, cuja tomada de posse está marcada …

StayAway Covid só enviou 2.708 alertas de contágio. 60% já desinstalaram a app

Apenas 39% das quase três milhões de pessoas que instalaram a StayAway Covid é que a continuam a usar. A app só enviou 2.708 alertas de contágio. A StayAway Covid, a aplicação móvel criada para rastrear …

DGS define quais os cancros que não podem ficar por operar. Hospital de campanha fechado por falta de profissionais

Até ao final do mês os hospitais vão ter como foco a prestação de cuidados intensivos, podendo deixar de assegurar a atividade programada. A oncologia é uma área vital e os polos do Instituto Português …

"Vão fechar o Tozé". Mayan corta o cabelo (e alerta para dificuldades dos pequenos empresários)

O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves foi esta quinta-feira cortar o cabelo a um barbeiro, no Porto, para alertar para as dificuldades decorrentes do encerramento desta atividade a partir de sexta-feira no âmbito do …

ERC cancela debates de Vitorino Silva com todos os candidatos no Porto Canal

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) cancelou os debates de Vitorino Silva com todos os candidatos presidenciais no Porto Canal, na sequência da queixa apresentada pelo PCP à Comissão Nacional de Eleições (CNE). Esta …

Bancos contestam lei da banca (mas Deco aplaude). Centeno admite ajustar medidas

O Banco de Portugal (BdP) quer alterar o Código da Atividade Bancária (CAB). Se por um lado, os bancos contestam algumas das normas, por outro, outras entidades, como a Deco, aplaudem as medidas. A consulta pública …

Mulher com covid-19 em coma e ventilada conseguiu o "milagre" de dar à luz

Em outubro de 2020, Elisângela Neves, de 31 anos, foi infetada com covid-19 quase morreu. A mulher estava grávida de 27 semanas, mas precisou de ser ventilada e ligada a uma máquina que respirou por …

Mais de 95% dos vacinados do São João apresentaram anticorpos em 15 dias

Entre 95 a 97% dos profissionais de saúde vacinados contra a covid-19 no Hospital de São João, no Porto, apresentaram, 15 dias após a primeira toma, anticorpos que conduzem à imunidade, revelou esta quinta-feira o …

É mais "um conjunto de meias medidas". Governo criticado por manter escolas e universidades abertas

As novas medidas tomadas pelo Conselho de Ministros para controlar a pandemia de covid-19 entraram esta sexta-feira em vigor. No entanto, as exceções decididas pelo Governo relativamente ao novo confinamento têm sido alvo de duras …