Esquerda anuncia acordo surpresa para Lei de Bases da Saúde

António Cotrim / Lusa

O grupo parlamentar do PCP anunciou esta sexta-feira ter chegado a acordo com o grupo parlamentar do PS na discussão da proposta da nova Lei de Bases da Saúde, com a inscrição do princípio da gestão pública.

A revelação foi feita pelo líder parlamentar comunista, João Oliveira, na sala de conferências de imprensa da Assembleia da República.

O acordo remete para regulamentação futura os termos de gestão no âmbito da responsabilidade do Estado, não interditando qualquer forma de gestão, e inscreve o princípio da gestão pública do Sistema Nacional de Saúde.

A legislação tem sido motivo de adiamentos de votações, avanços e recuos na discussão na especialidade, sobretudo em torno da possibilidade de gestão privada das unidades do Serviço Nacional de Saúde, as denominadas Parcerias Público-Privadas (PPP), com negociações do PS tanto com os parceiros de maioria de esquerda, BE e PCP, como com o maior partido da oposição, o PSD, até agora sem resultados positivos.

A proposta de lei do Governo foi aprovada em dezembro em Conselho de Ministros, mas em versão alterada face ao texto que resultou de um grupo de trabalho sobre o assunto liderado pela antiga ministra socialista Maria de Belém Roseira.

O BE tinha colocado à discussão a sua versão do documento em junho de 2018, mas sem levar o texto a votação em plenário no parlamento. Já em janeiro, foi a vez da discussão na generalidade dos projetos de PCP, PSD e CDS-PP, juntamente com a iniciativa governamental.

O próprio presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já se posicionara sobre a matéria, ao rejeitar uma lei “fixista” e considerando que deveria chegar-se a uma legislação “passível de durar para além de um governo”.

PS fez “último contributo” para aprovar lei com a esquerda

O PS justificou a proposta feita aos partidos de esquerda sobre a nova lei de bases da Saúde como o “seu último contributo” para conseguir os “consensos necessários” para aprovar o diploma.

A posição foi assumida, em comunicado, pelo grupo parlamentar do PS, minutos depois de o PCP ter anunciado o acordo, com a inscrição do princípio da gestão pública. A bancada socialista informou ter dado conhecimento desta proposta ao PCP, BE e PEV, partidos com quem tem trabalhado “mais intensamente sobre este diploma”.

A proposta do PS incide sobre a norma revogatória, “remetendo para regulamentação futura os termos de gestão no âmbito da responsabilidade do Estado definida na Base VI”, as Parcerias Público-Privadas (PPP), “mas não interditando qualquer forma de gestão”.

Esta discussão será feita no último plenário da legislatura, em 19 de julho, e tomará a forma de avocação, ou seja, a disposição do regimento que permite um artigo de uma lei aprovada na especialidade, em comissão, ser votado em votação final global.

BE vai votar a favor

O Bloco de Esquerda anunciou o voto a favor da Lei de Bases da Saúde, depois de o PS ter proposto revogar o decreto relativo às parcerias público-privadas (PPP), havendo assim acordo para o diploma passar no parlamento.

“Nós fizemos este desafio público ao PS no início de junho. A partir do momento em que a evolução das propostas vai ao encontro do que nós tínhamos definido, faz sentido nós sermos coerente com a nossa proposta”, anunciou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, no parlamento.

O novo diploma “retira os privados do estado, colocando-os apenas como supletivos, caminha para a gratuidade do Serviço Nacional de Saúde“, diz o líder parlamentar bloquista, e “retira as PPP da lei de bases da saúde” ao revogar o decreto-lei de Durão Barroso que dá “corpo aos contratos que atualmente existem”.

José Sena Goulão / Lusa

“Portanto, nós votaremos a favor, quer desta proposta de avocação quer da Lei de Bases de Saúde na sua versão final, porque ela alcança no seu contexto aquilo que nós tínhamos proposto”, conclui Pedro Filipe Soares.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A caldeirada já está feita desde há 4 anos com a geringonça, de resto é tudo teatro, pois a merd é a mesma, estão agarrados aos tachos com unhas e dentes.
    Ps nunca mais será ps se assim continuar pois podem-se juntar ps+pc+be+pev+pan= a merd… Só muda o cheiro…
    E agora com a assembleia familiar seja de extrema esquerda ao ps é só acrescentar a familia na assembleia da répública.
    Qualquer dia já entre o governo e deputados o trato muda:
    uns dizem papá, mamãe, tio, tia, mana, mano, marido espôsa, primo, prima, afilhado, padrinho, vovô, vovó etc…..
    Essa gente toda nos rouba e ainda os apoiam!!!!!
    Se nada fôr feito cairemos no abismo…
    E ainda há muito escondido e assim nunca saberemos.
    Era preciso um salazar ou marcelo caetano…
    E outro presidênte da républica que não tem sempre andar na rua a dar abraços aos bandidos e tirar sélfies…
    E nada vê mas poupa-se porque o “ps” vai votar no marcelo ribeiro de sousa, porque ignora o povo e aceita tudo de costa!!!!!
    Sou socialista sim há 40 anos, mas não sou desse socialismo que nunca assim foi, e passou a ser traidor, juntar-se aos inimigos de sempre pcp/be e criar assembleia familiar etc…Oportunismo, ganância abuso de poder:
    “eu quero, posso e mando” .
    é um país corrupto que está em 3.º lugar na europa!!
    E a justiça nada funciona para pobres!!!
    Com a saúde, educação, segurança, transportes públicos na merd… Ainda vêm a dizer que está tudo bem.
    Eu numa semana fiz 2.000 km e não vi um único, gnr ou psp seja nas estradas, ou em autoestradas!!!
    Vi sim filas e filas de pessoas para renovar o cart~ºao de cidadão, para depois no dia seguinte veio a dizer que já se pode renovar via internet!!!!
    Mas já estava na gaveta no tempo de sòcrates “simplex” era antónio costa o ministro da administração interna e depois ministro da justiça e sempre deixou estar na algibeira para depois das filas e ano das eleições vir com esta, que já estava na gaveta há muito…
    António costa é sim o coveiro da nação….
    Cuidado vamos cair no abismo se nada fôr feito…

  2. Resumindo: Costa ludibriou, facilmente, os pascácios da ultra-esquerda. Tudo vai continuar na mesma, quanto à utilização dos serviços privados de saúde. Basta invocar a necessidade do SNS, em cada momento, e está tudo feito. Queriam riscar de vez esse relacionamento mas não conseguiram, nem jamais isso será possível porque essa complementaridade é necessária e essencial. Veja-se, por exemplo, o caso da ADSE.

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …