Ensino Superior: 90% dos 42 mil candidatos colocados na 1.ª fase

Marcos Santos / USP Imagens

-

Quase 90% dos mais de 42 mil candidatos a um lugar no ensino superior público conseguiram colocação nas universidades e politécnicos na 1.ª fase do concurso, mas menos alunos do que em 2013 conseguiram ficar na 1.ªopção.

De acordo com a informação divulgada pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), este ano conseguiram lugar nas universidades e politécnicos 37.778 candidatos, apenas mais 363 do que os estudantes colocados na 1.ª fase do concurso de acesso em 2013, apesar do aumento do número de candidatos.

Por ocupar ficaram 13.168 lugares, menos 1.008 do que em 2013.

Em termos percentuais, em 2014 conseguiram colocação 89% dos candidatos. Em 2013 tinham entrado no ensino superior 93%.

Em 2014, ano em que o número de candidatos aumentou pela primeira vez desde 2008 – houve mais 1.989 candidatos (42.408 no total) do que em 2013 (40.419) –, aumentou também o número de colocados na 1.ª fase em relação ao ano anterior, ainda que de forma ligeira.

Quanto aos candidatos colocados na 1.ª opção, em 2014 registou-se uma quebra, com pouco mais de metade (54,4%) dos candidatos a terem uma nota média suficientemente alta para entrar no curso da sua preferência, contra os 60% em 2013.

Este ano são menos de 15% (12,2%) os candidatos colocados que não entraram numa das suas três primeiras preferências, mas, ainda assim, acima dos 9% do ano passado.

Das 50.820 vagas a concurso, 28.367 estavam disponíveis nas universidades e 22.453 nos politécnicos.

Enquanto nas universidades a procura superou a oferta, com mais de 30 mil candidatos a terem como primeira opção um curso nestas instituições, nos politécnicos a procura em 1.ª opção foi cerca de metade do total de vagas disponíveis, mas acima da procura registada em 2013.

O ligeiro aumento da procura dos politécnicos traduziu-se numa maior percentagem de vagas ocupadas na 1.ª fase (58% em 2014 contra 55% em 2013) e num menor número de vagas sobrantes: 9.380 lugares ficaram por ocupar nos politécnicos este ano, menos 905 do que os 10.285 que ficaram vagos em 2013.

Quanto às universidades, 87% dos lugares ficaram ocupados na 1.ª fase, sobrando 3.788 vagas, praticamente o mesmo número do que em 2013, quando ficaram por ocupar 3.891 vagas.

No total, na 1.ª fase de acesso conseguiram colocação nas universidades 24.645 candidatos. Nos politécnicos foram 13.133.

O número de colocados, quer nas universidades, quer nos politécnicos, com origem no ensino profissional aumentou 18% em 2014 face ao ano anterior, com 1.691 alunos colocados, contra os 1.431 de 2013.

Os 1.691 alunos do ensino profissional ficaram colocados maioritariamente nos politécnicos com 1.074 vagas ocupadas, o que representa um crescimento de 20% quando comparado com o ano anterior. Os 617 colocados nas universidades representam um crescimento de 16% face a 2013.

Os números de acesso à primeira fase do concurso estão disponíveis no site da DGES.

A 2.ª fase de acesso ao ensino superior inicia-se às 00:01 de segunda-feira, através do mesmo site.

Para a 2.ª fase, que decorre até 19 de setembro, ficam disponíveis as vagas não ocupadas na 1.ª fase e aquelas em que não se concretizou a matrícula dos alunos colocados.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …